23/02/2020

QUINTA DO BILL REEDITA "OS FILHOS DA NAÇÃO" EM VINIL


Para comemorar os 25 anos de um dos discos mais marcantes da música portuguesa, a Quinta do Bill reedita “Os Filhos da Nação” em vinil. Com o grafismo original, esta nova edição chegou às lojas no passado dia 21 de Fevereiro.

“Os Filhos da Nação” saiu no final de 1994 e reúne inúmeros hits como “Os Filhos da Nação”, “Senhora Maria do Olival”, “A Libertação” ou “Menino”. Com produção de Frank Darcel (guitarrista e fundador da conhecida banda francesa Marquis de Sade), conta ainda com as participações especiais de João Aguardela, Paulo Costa (dos Ritual Tejo), Jorge Palma e Pedro “Paganini” Teixeira da Silva.

O álbum foi um enorme sucesso de vendas e permitiu à banda conquistar o seu primeiro disco de ouro. Em 1995 a Quinta do Bill percorreu o país com uma duradoura tour de apresentação do disco, conquistando desde cedo uma enorme legião de fãs. Esta celebração começou em 2019 e estende-se a 2020 com muitas iniciativas e surpresas que o grupo pretende desvendar ao longo do ano.

22/02/2020

APRIL IVY | "Temporary Love"


Depois de “Can’t Fight This Feeling” - descrita pela The Line of Best Fit como «um mergulho profundo no ambiente, na batida e no groove "disco"» - April Ivy apresenta “Temporary Love”. O novo single, que é uma refrescante abordagem à funk pop, já está disponível em todas as plataformas de streaming.

Produzida pelos AZTX, e composta em co-autoria com April e Danny Wilkin, dos Push Baby (f.k.a. Rixton), “Temporary Love” conta a história de um amor apaixonado e acarinhado, sob uma mescla de riffs de guitarra, ritmados e sedutores, aliados à voz da artista portuguesa.

Com apenas 20 anos, April Ivy já conta com uma vasta legião de fãs graças à identidade única da sua música, que tem vindo a deixar lastro nas maiores rádios e festivais do país. Começou a sua carreira aos 9 anos, com a dobragem de vozes de personagens da Disney, em filmes como Toy Story 3, Tangled ou Minnie & You. 

Em 2016, o primeiro single "Be Ok” tornou-se um sucesso de airplay, chamando a atenção da Universal Music France, que rapidamente a contratou. Depois de uma sucessão de singles de sucesso ao longo dos anos, o projecto editado com a Warner Portugal “game.of.love” trouxe-lhe uma nomeação para os MTV Awards na categoria de “Best Portuguese Act”, uma nomeação para os Globos de Ouro na categoria de “Revelação Nacional” e o prémio “Revelação” para a Nova Era.

WET BED GANG | "La Bella Mafia"


São 4 e são provavelmente o maior fenómeno do hip hop português e um dos maiores da música nacional. Gson, Kroa, Zara G e Zizzy originais de Vialonga, seguiram os passos do malogrado Rossi e espalharam a palavra dos Wet Bed Gang um pouco por todo o país. O fenómeno começou a ganhar força em 2017, altura em que é lançado “Filhos do Rossi” e ganhará sucessor em Março. Como antecipação final, "La Bella Mafia" é uma homenagem ao fundador da banda e já está disponível.

Passaram 3 anos desde que o país conheceu o primeiro álbum dos Wet Bed Gang. "Filhos do Rossi" veio revolucionar o hip hop nacional e catapultou os rapazes de Vialonga para as bocas do mundo. Agora, em 2020, depois de uma mão cheia de singles que conquistaram quem ainda faltava conquistar, chegou a hora da sucessão e "La Bella Mafia" é o último aperitivo para o que aí vem.

O novo tema homenageia Rossi juntando todos os amigos da banda e agradecendo por tudo o que até agora os 4 rapazes e a sua "família" lograram alcançar. Num video em clima de festa, a partilha e amizade entre os que são mais próximos do colectivo funciona quase como premonição para um 2020 que se espera ainda mais arrebatador.

CARTAZ | Concerto

21/02/2020

FESTIVAL DA CANÇÃO 2020


Esta sexta-feira, véspera da primeira semifinal do "Festival da Canção 2020", chega às lojas e plataformas digitais a coletânea que reúne as 16 canções que este ano vão a concurso.

As duas semifinais, 22 e a 29 de Fevereiro, têm lugar nos estúdios da RTP, em Lisboa. A final do Festival da Canção está agendada para o dia 7 de Março, no Coliseu Comendador Rondão Almeida, em Elvas.

Na coletânea "Festival da Canção 2020" estão representados autores e intérpretes marcantes da música portuguesa.

RODRIGO COSTA FÉLIX | "Tempo"


“Tempo” é o novo álbum de Rodrigo Costa Félix, um dos nomes mais reconhecidos do panorama fadista nacional.

Depois de “Fados de Amor”, disco amplamente elogiado pela crítica, vencedor do Prémio Amália Rodrigues para melhor CD de Fado e nomeado pela revista Songlines para melhor álbum do ano na World Music, Rodrigo Costa Félix regressou a estúdio para nos oferecer um disco actual, sem perder a essência da tradição e alma da canção de Lisboa.

Neste novo trabalho, Rodrigo assume definitivamente a sua faceta de letrista, assinando 6 dos 12 temas do disco. Os restantes são da autoria de poetas contemporâneos, como Tiago Torres da Silva, Vasco Gato ou José Fialho Gouveia, retomando um íntimo diálogo criativo entre artistas e poetas, que Amália Rodrigues tanto incentivou e que infelizmente se tem perdido nos últimos anos.

Assente fundamentalmente em Fados tradicionais, “Tempo” traz também novas melodias ao repertório fadista da autoria de compositores como Pedro Jóia, Tiago Machado, Luiz Caracol ou Rogério Charraz, entre outros.

VIVIANE | Dois Temas na Novela Terra Brava


Enquanto prepara o seu novo álbum de originais com edição prevista para este ano, Viviane conta com dois temas da sua autoria na novela Terra Brava. "Não apagues o amor" e "Criatura da noite" (Entre Aspas) são os dois temas que integram a novela atualmente em exibição no canal SIC em horário nobre.

20/02/2020

ANTÓNIO CHAINHO | Auditório Municipal de Vila Nova de Gaia


No próximo dia 28 de Fevereiro, pelas 21.30h, António Chainho irá apresentar-se ao vivo no Auditório Municipal de Vila Nova de Gaia, para um concerto em que irá revisitar algumas das suas composições mais emblemáticas, acompanhado por Ciro Bertini no baixo acústico e por Tiago Oliveira na Viola de fado.

Será pois uma oportunidade imperdível para testemunhar o talento desta verdadeira lenda viva da música do mundo que é António Chainho.

EDUARDO BRANCO | "97"


Eduardo Branco edita álbum de estreia, “97”, amanhã, dia 21 de Fevereiro. Depois de revelados os singles “Sorrir” e “Solidão”, o compositor, guitarrista, produtor e letrista conimbricense apresenta agora o novo trabalho, que sucede ao EP, "Ilusão", editado em 2018.

PEDRO CALDEIRA CABRAL | Lisboa

19/02/2020

MÁRCIA | "Vai Passar Tudo Amanhã"


“Vai passar tudo amanhã” constitui o título da música inédita que Márcia divulga hoje, dia 19 de Fevereiro. Em jeito de prenda, dado que é o dia do seu aniversário, a artista oferece um novo tema. A música teve honras de estreia ao vivo no passado dia 18 de Dezembro, na atuação no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

CASSETE PIRATA | "Chora Mãe"


Os Cassete Pirata apresentam o novo single "Chora Mãe", retirado do seu LP de estreia "A Montra" editado em 2019.

"Chora Mãe" segue-se ao single "Ferro e Brasa", tema que acompanhou o lançamento do disco e que veio disseminar-se pelos tops de audição nacionais e elevar a fasquia do que tinha já sido prometido com o EP de estreia da banda, em 2017, do qual se destacam as canções "Pó no Pé", "Outra Vez" e "Sem Norte" que carimbaram de vez o pop/rock português.

A electricidade de “Chora Mãe” é acompanhada por um teledisco realizado por António Castelo. Protagonizado por todos os elementos da banda e pelo convidado Samuel Úria, o vídeo acompanha a canção com uma colagem de grandes planos dos artistas caracterizados (por Camila Reis) de uma forma que remete para o universo da arte rupestre, em forma de apelo urgente dirigido a cada ouvinte e espetador.

Na sinopse que antecede o vídeo, explicando o seu conceito, lê-se: "No princípio a terra era uma planície infinita e sombria. Na aurora do primeiro dia, o sol sentiu o anseio de nascer e aqueceu os buracos onde dormiam os antepassados. Os antepassados ergueram-se e cantaram o seu caminho através de todo o mundo. Cantaram os rios e as montanhas, os lagos salgados e as dunas. Engendraram os seus filhos, nomearam a terra mãe e descansaram outra vez. Hoje a mãe chora, e eles erguem-se de novo".

Em 2020 os Cassete Pirata seguem para a estrada sob o mote Tour N2, com o apoio da Fundação GDA. Uma homenagem à estrada mais longa do país e da Europa (a Estrada Nacional 2), esta ligação entre Chaves e Faro surge, para a banda, como o símbolo das membranas a que a música pode chegar.

Tocando em cada ponto do país, quer em lugares à berma da nossa Nacional 2 ou à beira do mar imenso, Cassete Pirata tem já os seguintes concertos confirmados:

Vila Real | Festival Boreal [28 de Fevereiro]

Castro Verde | 7 Arte Café [21 de Março]

Coimbra | Salão Brasil [28 de Março]

Torres Vedras | Bang Venue [16 de Maio]


LINCE | “Marigold”


Lince aka Sofia Ribeiro divulgou uma versão para o tema “Marigold” originalmente composto e interpretado pelo grupo Nice Weather For Ducks. O vídeo, captado em registo live, mostra a sessão de gravação do tema que contou também com a participação de Nuno Rancho, coincidentemente membro do grupo versionado.

Numa versão surpreendente de voz e piano, Lince "desmonta" o carácter indie pop do original, transformando-o numa canção clássica, para o que a sua performance vocal e registo instrumental contribuem determinantemente.

DA CHICK | "Conversations With The Beat’


"Conversations with the beat’, assim se chama o próximo e muito especial álbum de Da Chick. O novo disco assinala algumas importantes novidades na carreira de Teresa de Sousa, começando pelo facto de ser o primeiro registo em que a artista assume toda a produção e composição, resultado de um processo de autodescoberta em que esteve embrenhada no último ano.

Da Chick regressa a 28 de Fevereiro com uma nova experiência, mais realista e inspiradora, que dá forma ao novo álbum, com selo Discotexas.

Datas de apresentação ao vivo:

06 de Março - Braga | Theatro Circo

20 de Março -  Lisboa

27 de Março -  Porto | Pérola Negra

28 de Março -  Aveiro | Gretua

03 de Abril -  Coimbra | Salão Brazil

18 de Abril - Torres Vedras | Bang Venue

18/02/2020

MATILDE CID | "Puro"


O primeiro álbum de Matilde Cid - “Puro”, é um dos quatro álbuns nomeados na categoria de Melhor Álbum de Fado, na edição de 2020 dos Prémios Play (Prémios da Música Portuguesa). Para além de Matilde Cid, estão nomeados Pedro Moutinho com "Um Fado ao Contrário"; Camané e Mário Laginha com "Aqui Está-se Sossegado" e ainda Aldina Duarte com "Roubados".

"Puro" tem produção musical e arranjos de Diogo Clemente e foi editado pela label Museu do Fado Discos com um concerto de lançamento que encheu os claustros do Convento das Bernardas / Museu da Marioneta.

O Fado esteve sempre presente na vida de Matilde e tornou-se o seu género de eleição. Oriunda dos serões familiares musicais em Estremoz, cresceu a ouvir Maria Teresa de Noronha, entre outros fadistas de referência. Matilde Cid tem feito um sólido e crescente caminho no Fado.

Após vários espetáculos pelo país e estrangeiro ao longo dos últimos meses, "Puro" chega a 30 de Abril ao Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém.

RICARDO RIBEIRO DECLINA NOMEAÇÃO PARA PRÉMIOS PLAY


O músico Ricardo Ribeiro anunciou hoje a sua intenção de não aceitar a nomeação para "Melhor Álbum Fado" atribuída pelos Prémios Play 2020 - Prémios da Música Portuguesa ao seu trabalho "Respeitosa Mente".

Em comunicado publicado na sua página do Facebook, Ricardo Ribeiro diz: "O meu álbum “Respeitosa Mente”, já não se encontra nomeado na categoria de melhor álbum de Fado para os prémios Play. Sempre disse que este álbum não é de Fado. Se um dia será Fado, cabe ao tempo e aos Homens a decisão: “Hoje não é, Amanhã não sei”. Por uma questão de princípios e valores que me regem, recusei a nomeação.

Agradeço a gentileza e generosidade dos prémios Play por reconhecerem o que faço. Que os prémios Play continuem por muito tempo, porque a Música e os Músicos de Portugal merecem. Obrigado." (Ricardo Ribeiro)

MADALENA PALMEIRIM EM CONCERTO

17/02/2020

DAVID FONSECA | Concerto Solidário com LPCC


No próximo dia 3 de Abril, David Fonseca apresentará no Casino da Póvoa de Varzim "Radio Gemini_Closer", numa noite solidária com a Liga Portuguesa Contra o Cancro.

A receita será assim entregue na totalidade ao Núcleo Regional do Norte, esperando-se para além de um concerto memorável, a angariação de uma importância que contribua para o financiamento das actividades da LPCC.

Esta não é a primeira vez que David Fonseca colabora com a LPCC, sendo ainda recordada a ocorrida em 2014 quando da reunião do grupo do qual foi membro fundador - os Silence 4 - em que, para além de uma quantia significativa, teve ainda a particularidade de ter dado início ao périplo de 6 datas num concerto exclusivo para doentes, funcionários e corpo clínico do IPO de Lisboa.

"Radio Gemini_Closer" é o concerto que David Fonseca tem vindo a apresentar ao longo dos últimos meses em recintos fechados. "Criativo", "inesperado" ou "empolgante", são alguns dos adjectivos habitualmente utilizados para catalogar esta apresentação em que se faz acompanhar "apenas" por um músico, o teclista Paulo Pereira. Sempre surpreendente, David tem neste concerto oportunidade para cruzar as suas capacidades performativas com o universo da imagem, traduzindo-se num espectáculo de características únicas e originais.

Os bilhetes para este concerto solidário encontram-se à venda nos locais habituais e na Ticketline pelo valor único de 20€.

MIGUEL ARAÚJO | EDPCOOLJAZZ


A relação musical de Miguel Araújo com Rui Veloso é de longa data. São dois pilares da música portuguesa das últimas décadas e vão atuar no EDPCOOLJAZZ num concerto único e especialmente pensado o Hipódromo Manuel Possolo em Cascais. É também na mesma noite que Tiago Nacarato convida Bárbara Tinoco para uma participação especial.

Miguel Araújo marca a atualidade da música portuguesa. Nome incontornável, o artista do Porto é uma das vozes inconfundíveis do panorama da música nacional. O autor tem 4 discos editados a solo: "Cinco Dias e Meio" (2012), "Crónicas da Cidade Grande" (2014), "Cidade Grande ao Vivo no Coliseu do Porto (2015) e "Giesta" (2017). 

"Anda Comigo ver os Aviões", "Maridos das Outras", "Pica do Sete" e "Dona Laura" são algumas das suas composições mais conhecidas. “Sangemil” foi o tema que juntou Miguel Araújo e Rui Veloso, com canção de Araújo a que Rui Veloso emprestou a sua voz e guitarra elétrica. Dia 23 de Julho, Miguel Araújo toca no EDPCOOLJAZZ e para o concerto, convida um dos seus heróis de sempre: Rui Veloso.

VILLA SESSIONS 2020 | Vila do Conde Blues Festival


De 21 a 23 de Fevereiro, Vila do Conde volta a ser a capital do Blues com a 4.ª edição do Villa Sessions. O festival traz, pela primeira vez a Portugal, nomes de relevo como Stephen Dale Petit, Chris Wragg e Greg Copeland, Mandolin Blues e Jay Doe & The Blues Preachers. L-Blues e The Fridays são as bandas que vão representar o Blues nacional.

Os concertos acontecem no Auditório Municipal de Vila do Conde. Os bilhetes diários, à venda no local e na rede da Bilheteira Online, custam 12,50 euros. O bilhete geral, que dá acesso a todos os espectáculos, pode ser adquirido por 20 euros. O terceiro dia do festival tem entrada livre.

CATI FREITAS | Casa da Música

16/02/2020

ANDRÉ JÚLIO TURQUESA | "Orgônio"


"Por vezes essas figuras um pouco tímidas, feitas de um silêncio algo lunar, são afinal os parentes mais próximos do sol. Interrompida a sua quietude estão como lucipotentes, imensidões radiais que nos mostram como os astros se movem também pelo interior dos peitos. Nem vos posso dizer da alegria de passar perto do trabalho do André e sua multidão de Turquesa. Teatral, bravo perante o risco, absolutamente improvável, o que ele faz é da ordem da maravilha. Uma lição de maturidade, de amplitude de recursos e referências, uma celebração gigante que pode ser uma canção. O André já não toca guitarra, toca o múltiplo de uma guitarra, um instrumento superlativo que se torna uma espécie de infinito. Julgo que é o que aqui está em causa, uma deslumbrante espécie de infinito." (Valter Hugo Mãe)

André Júlio Turquesa procura unir as descobertas e memórias do seu alter ego viajante de Turquoise com o André actor, músico e compositor, que agora repousa as raízes e desarruma as ideias num novo lugar. Movido pela rotina, reencontros, procura interior e experimentação, surge Orgônio, um álbum de portas abertas ao compositor multi-instrumentista, que agora cria sem olhar a meios mas abusando deles numa busca selvagem pelo que há de mais intenso nas memórias, influências, referências e suas constantes conjugações.

O álbum é composto por 10 faixas com música e letra originais, reunindo temas que contemplam a participação de músicos como Emmy Curl, João Hasselberg, Ricardo Coelho entre outros, e onde a língua portuguesa passa a coexistir com a francesa e inglesa, com composições suas e também com poemas da autoria de Valter Hugo Mãe e Miguel Bonneville.

"Orgônio" vê hoje a luz do dia e conta com o Apoio à Edição Fonográfica da GDA e, pois claro, selo da Planalto Records. A capa é da autoria de Fabio Santaniello Bruun.

DEUSA | "Canção"


Os DEUSA são uma banda de Lisboa que se estreia no início de 2020 com a edição do single “Canção”, criada pelos músicos e compositores António Carvalhal na bateria, Bernardo Cruz no piano e outros teclados, Henrique Carvalhal na guitarra, João Afonso na voz e escritados poemas, e Pedro Jónatas no baixo.

Juntos ou separados,os músicos dos DEUSA fizeram parte de grupos como os Twin Peets, Primo Tirano, Electric Mindscapes ou Plexus, tendo igualmente contacto em estúdio e ao vivo com nomes como Richie Campbell, Dillaz, Prof Jam, Slow J, Papillon, Valas ou Lhast, entre outros.

Porém, os DEUSA coabitam num universo sonoro de influências onde a fusão, como palavra e significado, conecta o funk e aquiloa que se pode chamar alternativo ao rock com que cresceram  - nomes como Jimi Hendrix, Pink Floyd, Led Zeppelin, Nick Cave, assim com o Radiohead, Alice in Chains, BadBadNotGood e vestígios do funk dos anos 60 e 70.

O single de apresentação dos DEUSA ao mundo chama- se, singelamente, “Canção”. Uma canção sobre a perda e o tempo que a sucede. Com edição da MWF – Music Without Frontiers, “Canção” chegou às plataformas digitais, ironicamente no passado dia 14 de Fevereiro. O single é acompanhado por um teledisco realizado por Gonçalo Almeida.

BEJAFLOR | "Bejaflor2"


"Bejaflor 2" é o manifesto segundo trabalho de Bejaflor, já disponível em streaming em todas as lojas digitais.

EMMY CURL | Agenda

15/02/2020

VILA MARTEL | "Ninguém"


“Ninguém” é o segundo single do coletivo Vila Martel, no qual as relações amorosas são o ponto central do texto. Esta música baseia-se numa carta aberta que declara o amor por alguém. Mas declara a quem? Ninguém? É repetido várias vezes no refrão “Eu estou bem, quem ninguém”. Um amor que traz alegria e bem-estar sem fim, ou um manifesto que visa esclarecer que com amor ninguém é feliz? Ninguém tem de saber. A dúvida persiste para sempre, tal como o amor.

Esta faixa faz-se acompanhar de um vídeo realizado por Francisca Carreira, que conduziu o grupo na execução de um trabalho mais conceptual que o anterior que acompanhou o primeiro single “Não Nos Deixem Ir Embora”. 

Gravado nos armazéns da Cerveja Lince, este videoclip pretende focar-se na letra da canção e nas cores que rodeiam a música dos Vila Martel, retirando aos elementos da banda a importância que normalmente têm neste género de apresentação.

CAPICUA | Agenda


Agenda:

20 de Março - Aveiro | Teatro Aveirense

04 de Abril - Porto | Teatro Rivoli

www.capicua.pt

14/02/2020

ANIMAIS - 15 ANOS SEM PAREDES | "Sede e Morte"


Decorria o ano de 2003. Coimbra, então Capital da Cultura, viu subir ao palco do Teatro Académico de Gil Vicente o espectáculo "Mondego Chase", que a partir de alguns dos mais emblemáticos temas de Carlos Paredes juntava os Belle Chase Hotel com os músicos do Quinteto de Coimbra.

Ditou a sorte que o trabalho daí resultante tivesse ficado apenas pelos palcos que receberam o espectáculo, e que apenas tivesse sido registada em estúdio a versão do tema "Verdes Anos", incluído na colectânea "Movimentos Perpétuos".

Apesar das críticas encorajadoras, e da benção de um Carlos Paredes emocionado ao ouvir o seu trabalho revisitado, ainda que num contexto bastante diferente do habitual, o trabalho ficou guardado durante todos estes anos nas memórias de quem o viu e ouviu, e dos músicos que o conceberam.

15 anos mais tarde, os mesmos músicos que arquitectaram o projecto reúnem-se para ressuscitar e completar a aventura musical pelo universo sombrio, negro e vibrante da figura mais carismática e livre da guitarra portuguesa. O projeto dá pelo nome de Animais - 15 Anos Sem Paredes e tem data de edição prevista para o dia 28 de Fevereiro, pela Lux Records.

O single de avanço é o tema "Sede e Morte" que é hoje dado a conhecer. Música de Carlos Paredes, letra de Pedro Nuno Lopes.

A edição do disco, com o selo da Lux Records, está prevista para dia 28 de Fevereiro.



IGUANA GARCIA | "Os Duros Não Dançam"


Está a chegar "Vagas", o novo disco de Iguana Garcia. Um registo que nos volta a trazer a visão de um-só-homem dominado pelas fantasias pop e a electrónica. Vagas é todo ele uma balada sentimental, um convite ao baile e várias danças, será editado a 28 de Fevereiro e apresentado ao vivo a 20 de Março no Ferro Bar no Porto e a 27 nos Anjos 70 em Lisboa.

Hoje, em pleno dia dos namorados, João Garcia chama-nos, oportunamente, para a pista, lançando "Os Duros Não Dançam", um convite a levantar o pé devagarinho.

JOANA ALMEIDA | "Fado dos Namorados"


Depois de nos convidar para o seu mundo com "Vem Ver a Lua", Joana Almeida revela hoje mais um tema do seu primeiro álbum e celebra, assim, o Dia de São Valentim, com "Fado dos Namorados".

"Fado dos Namorados" conta com letra e música de Guilherme Alface, João Direitinho e Mário Monginho, mais conhecidos como integrantes da banda ÁTOA.

13/02/2020

DANIELA SERRA | Discurso Direto


Arranca amanhã na Sociedade União Musical Paredense a 3ª edição do Micro Clima, Festival de música e arte. Desde o seu início, em 2017, conta com a presença de vários músicos artistas plásticos e performers. Durante dois dois dias, o Micro Clima procura oferecer ao público um programa rico e diverso, não se limitando a um género musical nem a uma corrente artística, pelo contrário, estes dois dias são uma celebração cultural em que diferentes artistas partilham palco, convidando o público a envolver-se e a fundir-se neste ambiente. Daniela Serra, um dos elementos da organização, é hoje minha convidada em "Discurso Direto".

Portugal Rebelde - Quais são as grandes apostas para a 3ª edição do Festival Micro Clima?

Daniela Serra - Nesta 3ª edição do Festival Micro Clima, apostamos numa programação diversa, não seguindo nenhuma corrente artística ou estilo musical concreto. É disto que gostamos no Micro Clima: a possibilidade de juntar artistas e públicos diferentes na SMUP. Este ano, no dia 14 de Fevereiro, contamos com Luís Severo, Alek Rein, Sensible Soccers e Pedro Tudela Dj Set. Já no dia 15 temos connosco Cave Story, Zanibar Aliens, Bonga e Candy Diaz b2b Kyron Dj Set. Durante estes dois dias a SMUP vai ser habitada pelas Instalações dos Berru, Plasticus Maritimus, Rappepa Bedjo Tempo e ainda o stand de tatuagens da Not From This Box.

PR - Com o final da carreira musical de Allen Halloween, a opção recaiu em Bonga. Este é mais um nome que se encaixa na diversidade deste Festival?

Daniela Serra - Bonga sempre esteve na nossa lista de “artistas queridos”, mas parecia-nos irreal trazê-lo à SMUP. Com o anúncio de fim de carreira do Allen Halloween, achamos que era o momento para voar mais alto e avançar com um artista que tanto queríamos neste festival. Bonga encaixa-se perfeitamente na diversidade do Micro Clima, e vai esquentar, e muito, o nosso iceberg. Vamos todos sentir uma lágrima no canto do olho no último dia do festival, e que bom que é terminar assim!

PR - Para além da música, o Micro Clima privilegia outras formas de artes. Quer falar-nos um pouco desta componente?

Daniela Serra - O Micro Clima é um festival cultural. Desde a 1ª edição que temos como objectivo abranger várias formas artísticas, que já passaram pela música, teatro, performance e instalações. Este ano, para além da música, convidamos artistas plásticos a habitar o espaço e a construir as suas instalações em vários recantos da SMUP, de forma a transformar o edifício. Contamos com os Berru, Rappepa Bedjo Tempo e Plasticus Maritimus.

PR - Para terminar, três boas razões para que ninguém passe ao lado da 3ª edição do Micro Clima

Daniela Serra - Há muito mais do que três boas razões para ir ao Micro Clima, mas parece-nos o melhor programa para o Dia de São Valentim: à tarde podem dar um passeio pela praia da Parede e ao anoitecer vêm cantar o Meu Amor com o Luís Severo. Para os solteiros, quem sabe se não encontram a vossa cara-metade no clima quente da SMUP. Mas para os que não gostam de romance, achamos que o Micro Clima é uma óptima oportunidade para conhecerem a SMUP, uma Sociedade Musical com 121 anos de história, onde convivem pessoas de várias gerações e culturas. O Micro Clima é uma celebração do conceito da SMUP, que une pessoas, promove arte e cultura e abraça há 121 anos todos os que se apaixonam por esta casa. Este festival é feito de raiz por voluntários, os ditos apaixonados, que preparam, durante meses, este festival apenas por prazer; apenas para mostrar o que se faz por aqui. Para terminar, acreditamos que vão ficar encantados com o que os nossos artistas prepararam para vocês, e com o clima que rola na Parede nestes dois dias. É que vai rolar um clima. Um Micro Clima.


FESTIVAL IBÉRIUM CAFÉS WALK DANCE | Freamunde


Está de regresso em Abril a sexta edição do Ibérium Cafés Walk & Dance. A ter lugar entre 8 e 11 desse mês em Freamunde, o festival duriense volta a dar grandes motivos para uma visita ao norte do país.

Nesta edição, o festival afirma a sua importância no panorama da música nacional, e por isso, a programação não poderia ser outra. Com uma escolha atenta, eclética e inclusiva, podemos encontrar nesta edição nomes já bem conhecidos como: ​Sensible Soccers​, ​X-Wife​, PAUS, David Bruno​, ​The Twist Connection​, ​White Haus e ainda, grandes apostas para o que aí vem como, ​Bia Maria​, ​Rumours​,​Foque​, GoBabyGo, ​Cafe Ena​, ​Cano Guru​ e ​Little Friend​.

No final dos concertos a festa continua e há ainda espaço para a dança, Pedro Tenreiro​, ​Dj Farofa e ​Matko Destrokanov​ assumem as despesas do clubbing. Os bilhetes para o evento já estão à venda, custam €20 (passe geral) e €10 (passe diário).

KUMPANIA ALGAZARRA | "Up In The Morning"


"Up in the morning" é o novo vídeo dos Kumpania Algazarra e o último single do disco "Let's go" editado em 2019. O tema fala sobre boa disposição, exercício fisico e, acima de tudo, passa a boa energia dos Kumpania Algazarra, conhecidos pela festa em que se transformam os seus concertos e tudo o que fazem. O novo vídeo foi gravado nas ruas de Sintra e na Praia das Maças e foi filmado por Valter Ramos e João Guimarães.

12/02/2020

EMMY CURL | Discurso Direto


Março, mês da Primavera e de renovação da natureza, traz também emmy Curl de volta a Portugal, para uma digressão muito especial. Atualmente a viver na Dinamarca, a artista transmontana regressa a Portugal para apresentar o seu mais recente álbum "ØPorto", com vários espetáculos de norte a sul do país. Em Lisboa e no Porto, emmy Curl contará com um conjunto de convidadas especiais, desde o soul, folk e eletrónica ao indie pop, que a ajudarão a dar corpo a um espetáculo no qual não faltarão canções tão pessoais como "Dança da Lua e do Sol" ou "De que é Feito". Estes e outros singles marcam presença na digressão de Março, uma oportunidade única de conhecer o universo feminino, espiritual e aventureiro de emmy Curl. "ØPorto tem apresentação ao vivo marcada para 6 de Março no Musicbox, em Lisboa e 20 de Março em Vila Real. Hoje em "Discurso Direto" é minha convidada emmy curl.

Portugal Rebelde - Este novo disco tem o “coração” n´ØPorto. Esta foi uma forma de homenagear uma cidade que tão bem conheces?

Emmy Curl - Uma forma de homenagear e de deixar marcada uma etapa da minha vida tanto pessoal como profissional. Quis retratar a cidade da melhor forma que consegui e senti. A atmosfera da cidade invicta é densa e cheia de espectros, uma amostra visual e social do choque entre o antigo e o novo. Da maneira “antiga” de viver com a recente. Vivi com idosos e jovens, presenciei a mistura da tecnologia com os velhos costumes. A venda das casas e a despedida de décadas da geração passada, a frieza, a transformação mas também uma abertura para um mundo mais aberto a novas ideias e a experimentações, onde se experimentam novos tipos de vivência, comunidades underground, o jazz, a boémia, o techno, a beleza da noite do porto e o nascer dos dias por entre as casas que são elas as próprias montanhas. É um sítio muito idílico e que, por certo, me inspirou a compor a cada voltar a casa.

PR - “Aliados”, “Rua de Cedofeita”, “Passos Manuel” são alguns dos temas que fazem parte deste disco. Como é que surgiram estes “retratos” da cidade?

Emmy Curl - Os Aliados dispensam apresentações, é a zona central do Porto, aquela que nos deparamos quando saímos em São Bento, se viermos de comboio. A abertura do álbum (Aliados) é inspirado num momento em que me encontrei sentada nas escadas em frente à câmara do Porto, num pôr-de-sol algures em Agosto com a vista para os Aliados. A rua de cedofeita era a rua que fazia sempre para voltar a casa nos últimos dois anos que lá vivi. Passos Manuel era o bar onde saía muitas vezes à noite, e ouvi muitas coisas que me inspiraram para o lado electrónico do álbum. Cada sítio tem muitas histórias, com amigos, amantes, encontros inesperados, paixões e muitas coincidências.

PR - Em “Devesas” é o sentir da cidade fora do Porto?

Emmy Curl - A vista de quem está nas Devesas é uma das mais belas vistas do Porto. A cidade é uma montanha e era para mim, muitas vezes, o meu maior exercício de distanciamento de tudo, quando queria ter uma ideia mais clara sobre algo. Uma espécie de meditação, pois põe toda a cidade numa amálgama de vivências.

PR - O vídeoclip do tema “De que é feito” foi gravado na serra do Alvão, em Vila Real. Como é que foi este regresso a “casa”?

Emmy Curl - O tema “De que É Feito” Surgiu quando estudava a canção de Nick Drake “Riverman”. Foi um tema que decidi que fosse interventivo, no sentido em que falasse de algo que para mim faltasse no mundo, que é a consciência perante a Natureza. Ora não haveria sítio mais perfeito que a zona do Alvão, da minha terra. Tinha já há muitos anos a ideia de vestir os caretos de Lazarim que são os meus favoritos e utilizar a arte imagética da minha região ao combinar com algo que ainda está presente para quem vive no monte. A simplicidade de viver. Voltar a casa, principalmente depois do túnel do Marão, seria apenas uma hora e portanto voltei muitas vezes para saborear a montanha.

PR - Numa frase como caracterizarias este “ØPorto”?

Emmy Curl - O "Øporto" tem um propósito, simboliza a dualidade desta cidade. O antigo enfrenta o novo. O álbum também se encontra dividido, a primeira parte até à Undressed é sobre a Natureza, o dia e o antigo e a segunda é sobre a tecnologia, a noite e o novo.

PR - O Porto será sempre para ti uma cidade inspiradora ?

Emmy Curl - Sem dúvida. A cidade onde vivemos é a nossa comunidade, hoje em dia é difícil viver esse conceito mas foi esse o exercício que tentei fazer quando lá vivi. Beber ao máximo a cultura, as pessoas, as vivências e experiências. São momentos que nunca esquecerei e felizmente fiz algo que vou agradecer no futuro, retratei essas memórias em estado eterno. Quem as ouvir vai perceber melhor.


PEDRO E OS LOBOS | Discurso Direto


Pedro e os Lobos acabam de editar o álbum "Depois da Tempestade", tempo de união, de reconstrução, de solidariedade, tempo de nos tornarmos mais humanos e acreditarmos que o todo é maior que a soma das partes. Hoje em "Discurso Direto" são meus convidados Pedro e os Lobos.

Portugal Rebelde - Os heróis deste disco são “as pessoas que se levantam com o nascer do sol e enfrentam uma vida de trabalho duro a troco de um salário miserável e que mesmo assim sonham uma vida melhor para si e para todos.”. Esta é a grande mensagem que Pedro e os Lobos querem transmitir?

Pedro e os Lobos - Sem dúvida, estou cansado de heróis idolatrados por tabloides na busca de audiências e likes .Este disco vai para as famílias que lutam para viver dignamente, vai para os estudantes que procuram um caminho para as suas vidas e vai para os reformados que deram muito ao seu país e têm agora que optar entre medicamentos ou comida. É desta gente invisível que fala o disco de Pedro e os Lobos. “Depois da Tempestade” é tempo de arregaçar as mangas e reconstruir, é tempo de união e solidariedade , mas é simultaneamente uma oportunidade de fazermos coisas de uma forma melhor.

PR -  “Depois da tempestade“ é um disco 100% orgânico, de partilha musical, criado na garagem e  tocado ao vivo no estúdio. Por tudo isto, este é um disco “especial”?

Pedro e os lobos - É o regresso ás origens. Acredito na música, também enquanto veículo que une as pessoas, que fomenta a amizade, a diversão, a tolerância e a partilha de ideias em nome de algo maior. Foi este o espírito que dominou todo o processo deste disco.

PR - Musicalmente, este álbum é inspirado pelos grandes clássicos americanos, que vão de Bruce Springsteen, Bob Dylan, R.E.M. ou Neil Young. Esta é a música que Pedro e os Lobos costumam ouvir?

Pedro e os Lobos - Estes são sobretudo compositores intemporais, que ficarão certamente recordados para todo o sempre, são compêndios musicais dos quais costumo tirar grandes ensinamentos.

PR - Qual é o tema que melhor caracteriza o “espírito” deste disco?

Pedro e os lobos - Penso que depende um pouco de cada pessoa, mas gostaria de enumerar dois, “O desertor” e o “Corro com o vento”.

PR - No próximo dia 22 de Fevereiro apresentam as canções deste disco no Festival Sons de Vez, em Arcos de Valdevez. O que é que o público pode esperar deste concerto?

Pedro e os Lobos - Vamos tocar o novo disco quase todo, mas também algumas músicas dos outros discos. A grande novidade é que este será um concerto muito especial, pois vamos ter em palco o Coro Infanto-juvenil do Conservatório de Música e Dança de Arcos de Valdevez (CMDAV). Vai ser especial!


VASCO RIBEIRO & OS CLANDESTINOS | "Falem"


Vasco Ribeiro & Os Clandestinos preparam-se para lançar o seu primeiro disco muito em breve. Deste trabalho apresentam agora o seu primeiro single "Falem".

11/02/2020

DITCH DAYS ANUNCIAM EP "OFFICE SPACE"


Os Ditch Days são de Lisboa, mas esse é só o ponto de partida para as suas viagens. As suas canções, perdidas entre o dreampop, o rock alternativo dos 90's e o indie, levam-nos até ambientes imaginários, onde a natureza solarenga se funde com cenários urbanos, envolvidos por texturas cinematográficas.

Depois de uma série de três singles, lançados entre 2018 e 2019 - "Downtown", com a participação da lisboeta Calcutá, "Seth Rogen" e "Even If You Know", uma contemplação shoegaze feita em colaboração com os espanhóis Terry vs. Tori - os Ditch Days entram em 2020 com a promessa de um novo EP: "Office Space".

Com este novo trabalho, a banda transporta para estúdio a energia dos seus concertos, depois de dois anos em tour que os levaram a pisar palcos de alguns dos principais festivais nacionais, como o Super Bock em Stock e o MIL Lisboa, a tocar um pouco por todo o país e ainda a fazer a sua primeira tour europeia.

HOLY NOTHING | "Plural Real Animal"


Depois do lançamento do primeiro EP "Boundaries" (2014) e do álbum de estreia "Hypertext" (2015), os Holy Nothing lançam o seu segundo longa-duração a 13 de Fevereiro de 2020. "Plural Real Animal" é uma história contada em três capítulos. Cada um deles foi lançado num momento diferente, apresentando uma identidade própria.

FILHO DA MÃE | Lisboa

10/02/2020

THE GIFT EM CONCERTO


2019 foi um ano marcado pelo lançamento do novo disco dos Gift - "Verão" assim como pelo videoclip do single "Verão", gravado no devoluto complexo de piscinas oceânicas de São Pedro de Moel.

Nesse mesmo ano, os Gift marcaram presença em inúmeros palcos nacionais no âmbito da digressão "Primavera / Verão" que se estende ao ano de 2020, passando por novos teatros e festivais.

No âmbito desta digressão, no próximo dia 14 de fevereiro, os Gift apresentam-se ao vivo no C. C. Olga Cavadal em Sintra e, já em Março, no Centro de Artes em Ovar [27 de Março]. Outras datas serão anunciadas em breve.

A primeira parte do concerto no C. C. Olga Cavadal em Sintra será assegurada por IAN. Um projeto que se caracteriza pela fusão de elementos pop, trip-hop e eletrónica com uma forte presença de instrumentos clássicos como piano acústico e violino, frutos da experiência da violinista Ianina Khmelik que neste projeto se deixa levar pelo seu lado mais vanguardista e arrojado.


MARINHO | Boreal Festival de Inverno

SUNFLOWERS | Agenda

09/02/2020

DELA MARMY | "Not Real"


Dela Marmy, projecto em nome próprio de Joana Sequeira Duarte (ex- The Happy Mess), edita o single “Not Real” pela KPRecords*KillPerfection, antecipando o EP Captured Fantasy.

O segundo EP da artista será editado a 27 de Março nas diversas plataformas digitais e conta com a produção de Charlie Francis. O versátil e experiente músico/produtor inglês, ao longo dos seus 30 anos de carreira, tem trabalhado com bandas e artistas internacionais de topo, entre os quais Manic Street Preachers, R.E.M., Kaiser Chiefs, The High Llamas, Toyah, Robyn Hitchock. Fruto desta colaboração, Joana percebe que tem em mãos um álbum de maior maturidade e consistência, ainda assim, sem prescindir da ingenuidade intrínseca às suas composições.

"Captured Fantasy" é composto por cinco temas. Cada um deles é uma pequena viagem que nos pede tempo, por não serem óbvios. É um disco atento aos detalhes, às pequenas coisas, às pequenas histórias. Atento às margens, ao marginal. Que apetece fazer voar e fazer pensar. Intimista e universal, sim, um paradoxo.

Neste novo trabalho Joana pretendeu alargar as colaborações artísticas, por desejar sentir-se desafiada e livre com a partilha de experiências e ideias. Convidou, então, a escritora e poetisa Raquel Serejo Martins para a letra de “Flying Fishes” – tema de abertura do EP – e o lyricist galês TYTUN para participação no introspectivo “Take Me Back Home”. Os músicos que a acompanharam em estúdio são Vasco Magalhães (bateria), Tiago Brito, Steven Goundrey (guitarras) e o próprio Francis (baixo).

O teledisco do single “Not Real” é realizado pela CASOTA Collective (elementos dos First Breath After Coma). O colectivo leiriense reflecte sobre a certeza que temos do que é “real”, abordando também a percepção dos outros em relação à nossa “realidade”, claramente inventada. Viver numa fantasia/realidade que não é reconhecida, passar e pisar o limite dos padrões sociais, estender e contornar as fronteiras do Real, inventar, sugerir e arquitectar horizontes mais amplos à vida, finita, que inevitavelmente vivemos.


MONDAY | "convictions"


"convictions" é o terceiro tema de avanço de “Room for All”, novo EP de Monday com lançamento agendado para 28 de Fevereiro e o selo da Street Mission Records.

"convictions", que conta novamente com a produção de Miguel Nicolau (Memória de Peixe), narra os problemas de comunicação que por vezes surgem entre duas pessoas que perderam o seu eixo comum. "Fala sobre alguma teimosia e orgulho, que impedem o diálogo ou compreensão, e a vontade de voltar atrás e tentar recuperar o que antes existia", refere Monday.

Este novo single vem também acompanhado por um teledisco. Protagonizado pela artista e filmado de improviso através de um Iphone, cria uma ambiência soturna, pautada por um jogo entre sombras e luzes avermelhadas, captadas espontaneamente fora de horas no Bairro Alto.

Este ano, Monday tem presença confirmada nos festivais MIL - Lisbon International Music Network (25 a 27 de Março), onde apresenta um novo espetáculo com nova formação, e MUMA Faial (16 de maio), estando também agendado o concerto de apresentação do novo EP para o dia 30 de Abril no Anjos 70, em Lisboa.


CASSETE PIRATA | Teatro de Vila Real

/>