15/08/2017

TIME FOR T | "Hoping Something Anything"


Time For T editam novo disco “Hoping Something Anything” dia 15 de Setembro. O disco foi gravado ao longo do ano de 2016 nos Spitfire Audio Studios em Londres, produzido pela própria banda e masterizado por JJ Golden (Rodrigo Amarante, Devendra Banhart, Vetiver) em Ventura, California. Vai ser editado dia 15 de Setembro pela Last Train Records, editora que Time For T tem em parceria com a banda amiga de Brighton, Common Tongues.

Devido à produção própria, conseguiram explorar, sem limitações, as sonoridades que tinham imaginado para este novo trabalho e o som está mais desafiante que nunca, com momentos orquestrais e canções menos pop que o que têm vindo a compor até hoje. 

De canções calmas folk a rock psicadélico e batidas tropicais, o álbum une-se pelo paladar de sons que atravessam os géneros musicais e oferece uma familiaridade de canção a canção mesmo quando as canções mudam drasticamente de estilo. 

Em termos da composição, metade das canções foram compostas ao longo de alguns anos desde o último lançamento (Homónimo) e a outra metade foram inspiradas pela viagem de Tiago Saga à India no início de 2016. O processo de composição deste novo registo começa com Tiago e uma guitarra, o qual leva o esqueleto da canção (estrutura, melodia e letras) ou então uma ideia (rabiscos de melodias e letras) à restante banda que depois começam a juntar os músculos e os pormenores com bateria, baixo, pianos e outros instrumentos.

Agora lançam novo single, “Ronda”, inspirado pela visita da banda à cidade de Ronda no Sul de Espanha onde tocaram no Festival Muwart onde foram incrivelmente recebidos por um público com quem criaram imediatamente uma relação especial. O título remete à cidade e ao amor com que ficaram pela mesma mas a letra vai mais além e fala da necessidade de cada um ter o seu tempo, para estar sozinho, tempo para si próprio como alimento para depois poder estar com os outros.

Time For T foram fundados em Brighton por Tiago Saga, um jovem de herança britânica, libanesa e espanhola que cresceu na Califórnia portuguesa - como o próprio apelida o Algarve. Enquanto estudava Composição Contemporânea na Universidade de Sussex, Inglaterra, Tiago Saga foi criando a sua própria sonoridade assente na world music e folk rock anglo-saxónica com outros músicos que foi conhecendo e com quem foi partilhando as mesmas inspirações: desde Bob Dylan a Ali Farka Toure. Tiago Saga (voz e guitarra), Joshua Taylor (baixo), Martyn Lillyman (bateria), Oliver Weder (teclas) - e outros membros honorários como Andrew Stuart-Buttle (violino), Harry Haynes (guitarra eléctrica) e Louis Pavlo (teclas) - formam os Time For T.


BONS SONS 2017 DE CORAÇÃO CHEIO



 fotos: Carlos Manuel Martins
                                                                                                                        
Chegou ao fim a oitava edição do Bons Sons. Esta edição contou com uma afluência do público de 32.500 visitantes para assistirem aos 41 concertos programados nos palcos de música do Bons Sons, num total de 181 artistas em palco. A estes, ainda se soma o Auditório, com programação que envolveu 3 espectáculos de artes performativas, 2 sessões de curtas-metragens e 1 projecto para um filme; o Armazém, com 8 sessões de música para bebés; o Palco Garagem – com 15 concertos espontâneos promovidos pelos visitantes do festival.

41 concertos

181 artistas

15 concertos espontâneos no Palco Garagem

14 actividades paralelas

32.500 visitantes

122 jornalistas e fotógrafos

350 voluntários

Cem Soldos é Bons Sons e a ligação forte do festival com os habitantes, nesta edição, foi o mote de uma série de iniciativas como os 44 vídeos de apresentação individual dos artistas, os 6 pequenos espectáculos instantâneos “Agora, Aqui!” a partir das janelas dos moradores, as visitas-guiadas dos miúdos da aldeia e o saco de boas-vindas dos artistas personalizado pelas famílias cem-soldenses. 

Os habitantes foram os protagonistas também dos vídeos de sensibilização do público para comportamentos ambientalmente responsáveis, projectados nos ecrãs dos palcos antes dos concertos.

FESTIVAL MÚLTIPLO | Lisboa

CARTAZ | Concerto

14/08/2017

VÍDEOCLIP | "Always On The Road" - Barry White Gone Wrong


Depois de "Tornado", os Barry White Gone Wrong apresentam o segundo single saído do seu já aclamado disco de estreia. "Always On The Road" veste uma abordagem clássica e directa, sem rodeios, e mostra o dia-a-dia da banda: cantar, tocar, ensaiar e andar na estrada em digressão.

"O vídeo representa tudo o que amamos e que queremos fazer o resto da nossa vida!", sublinhou Peter de Cuyper.


CHARLES SANGNOIR | “Charlie Plays the Blues”


Após 10 anos e 4 álbuns ao volante de La Chanson Noire - e antes de se mudar de armas e bagagens para o sul de França - Charles Sangnoir revisita as suas raizes de blues, rock e cabaret e estreia-se com um disco em nome próprio: “Charlie Plays the Blues” é isso mesmo, uma visita ao jazz dos anos 30, ao blues que vai de Mississipi a Chicago, com uma piscadela de olho ao cabaret alemão de princípio de século XX e sempre com a adrenalina do rock n roll nas veias.

O resultado é um blues eléctrico, eclético, intenso e pleno de feeling. Charles Sangnoir é um musico e produtor originário de Portugal. Escreveu música para televisão, rádio e cinema, e tocou em mais de 200 espectáculos em cidades como Lisboa, Porto, Paris, Londres, Madrid ou Vigo. 

Enquanto produtor, supervisionou a concepção de mais de 30 álbuns, eps e singles, assim como um número semelhante de videos. Figurou como pianista residente em 2 programas de televisão (5 para a meia noite e É a vida Alvim) ao longo de mais de 300 episódios. 

Fundador da Necrosymphnic Entertainment, uma das primeiras netlabels portuguesas, participou também como pintor em diversas exposições colectivas e individuais e desenhou artwork para os discos de diversos artistas portugueses. Com mais de 2000 discos vendidos e perto de 200.000 visualizações no Youtube, Charles começa agora a abrir as asas.


NOIDZ | Góis

FESTIVAL PAREDES DE COURA | Agenda

13/08/2017

SPILL | “What Would You Say?”


“What Would You Say?” é o título do disco de estreia dos sPILL, editado em Maio pela Blitz Records/Sony Music.

Os sPiLL são uma banda de rock. O percurso peculiar dos seus membros, alguns deles com carreiras reconhecidas no jazz, outros no rock, outros em ambas, aliado a influências que vão dos QOTSA, PJ Harvey, Radiohead, Deerhoof, a Hendrix e Van Halen, cria o som do grupo.

Alinhamento:

01. Get Away

02. What Would You Say?


03. Breakup Song


04. White Lies


05. Gone


06. Homme


07. All The Little Things


08. Follow You


09. Super Sexy Fight Song


10. Unclefucker


TIAGO BETTENCOURT | "A Procura"


Tiago Bettencourt desvendou o nome e capa do seu novo disco com data de lançamento a 28 de Setembro de 2017.

Já se conhecem dois singles do seu novo trabalho "A Procura": "Se Me Deixasses Ser" e o mais recente "Partimos a Pedra".

“A Procura” é um substantivo transitivo que se traduz pela diligência de encontrar, buscar, investigar, desejar, pretender…e é nesta viagem incessante que Tiago Bettencourt nos guia ao longo desde sexto disco da sua carreira.

Entre a acústica trovadoresca, a pop e as eletrónicas discretas, este disco reflete ao longo das suas canções esta busca incessante do artista pelos vários quadrantes musicais característicos do próprio e mais além ainda. De resto, as letras reforçam o cunho próprio deste vocalista, multi-instrumentista e produtor.

"A Procura" encontra-se em Pré-Venda na Fnac e esta edição oferece o acesso ao concerto de Tiago Bettencourt dia 3 de Outubro, no Teatro da Trindade em Lisboa , pelas 21.30h.

Esta oferta é limitada ao stock existente, válida de 11 de Agosto a 28 de Setembro de 2017 para todas as encomendas pagas online, excepto Marketplace. 

CAPTAIN BOY | Teatro de Vila Real

CORDAS WORLD MUSIC FESTIVAL | Pico

12/08/2017

SAGA CEGA | "À Deriva"


Saga Cega é o mais recente projecto do guitarrista e compositor Nuno Costa, uma formação que, pela primeira vez na sua carreira, se afasta dos domínios do jazz e que reúne no álbum “À Deriva” treze canções originais, interpretadas em português e por alguns dos mais conceituados músicos nacionais.

Tendo a seu cargo a composição de todos os temas bem como as guitarras, Nuno Costa deu corpo ao disco “À Deriva” através de um reconhecido elenco da cena artística nacional: Rita Maria é a voz central de todas as canções e autora de duas das letras, a actriz Lavínia Moreira como letrista, Óscar Graça no piano e teclados, Bernardo Moreira no contrabaixo, João Hasselberg no baixo eléctrico, André Sousa Machado e David Pires, ambos na bateria e percussão, bem como Susana Nunes nas segundas vozes.

Como convidados especiais em dois temas, “À Deriva” conta ainda com a voz da cantora Cristina Branco e de Tatanka (The Black Mamba).

SOULS OF FIRE | Casa da Música


Depois de, este ano, terem passado por várias semanas académicas e pelo festival MEO Marés Vivas, os Souls of Fire anunciam um concerto na Casa da Música (Porto), a 29 de Novembro.

No rescaldo da celebração dos 16 anos de atividade, a banda estreia-se assim em quarteto acústico formado por Diogo “Gigs” Oliveira, Rodolfo “Ratus” Neves, Diogo Brito e Faro, e Miguel Campos, apresentando neste espectáculo um repertório marcado pelos temas mais fortes da sua carreira, mas com temas novos à mistura como o recente single "Sei Lá", cujo vídeo apresenta já mais de 100 mil visualizações no Youtube, fazendo dele o tema da banda com mais air play de todos os que foram lançados desde a sua formação, em 2001.

OLD JERUSALEM | Vila Real

11/08/2017

VÍDEOCLIP | "Niza (feat. Corvos)" - Ricardo Gordo


"Niza", é este o single/vídeoclip de avanço do novo álbum de Ricardo Gordo. O disco tem edição agendada para o próximo mês de Setembro.

RUI MASSENA BAND | Misty Fest 2017


A Rui Massena Band nasceu de uma plataforma de experimentação para lá do universo mais clássico. O recurso à electrónica de vanguarda servirá para a criação de um universo sonoro em que o Piano continuará a servir de guia, mas em que novas organizações sonoras entram em jogo. Algumas destas composições farão parte do seu novo CD que será lançado em 2018.

Depois do concerto de estreia em Madrid, onde a crítica o colocou ao nível de nomes importantes na actual cena clássica moderna como Philip Glass, Michael Nyman ou Wim Mertens e da ainda mais recente compilação Expo 1 a ser lançada pela Deutsch Grammophone em Setembro em que um tema seu surge lado a lado com nomes como Ludovico Einaudi, Max Richter ou Ólafur Arnolds, Rui Massena parece definitivamente querer abraçar este universo musical designado como Neo-Clássico ou New Age.

Rui Massena Band será lançado inicialmente com seis concertos em salas muito especiais para o músico.

Agenda:

02 Novembro - Lisboa, Centro Cultural de Belém

11 Novembro - Porto, Casa da Música

16 Dezembro - Coimbra, Convento São Francisco

26 Janeiro (2018) - Braga, Theatro Circo

03 Março (2018) - Ponta Delgada, Teatro Micaelense

BONS SONS EM CEM SOLDOS COM FRANKIE CHAVEZ

10/08/2017

ANTÓNIO A. DUARTE | "A Arte Eléctrica de ser Português: 25 Anos de Rock´n Portugal"


Desaparecido há muito tempo dos escaparates das livrarias, "A Arte Eléctrica de Ser Português: 25 Anos de Rock´n Portugal" de António A. Duarte (Livraria Bertrand, 1984) é um portal aberto para duas dimensões de realidade portuguesa, em simultâneo. Em primeiro lugar para as décadas de 60 e 70, sobre as quais se debruça, maioritariamente, o autor, ao percorrer a ascenção e queda de vários conjuntos (termo entretanto caído em desuso); em segundo lugar para a década de 80, época em que o livro foi escrito, bem marcada na longa introdução de Jorge Lima Barreto e no tom geral da escrita de António Duarte. 

O autor deixa claro, desde logo, que se trata de um trabalho jornalístico e não literário, assente na (pouca) informação disponível na imprensa portuguesa sobre esses conjuntos e esses anos e, de resto, em entrevistas que ele próprio realizou com alguns dos nomes focados no livro, nomeadamente José Cid. A outra coisa que o autor deixa clara é a opinião vincada de que pouco de real valor aconteceu no rock português. 

Essa opinião é veiculada vezes sem conta a propósito de muitos dos músicos e conjuntos sobre os quais escreve, o que confere ao livro um tom que julgamos ser quase impossível de adoptar hoje em dia. E logo na introdução, Lima Barreto surge muito vocal em oposição a um sistema social e a um mercado da música que considera em nada servirem a criatividade, privilegiando a popularidade e a mediocridade. 

Mesmo salvaguardando a devida distância (conhecendo minimamente Jorge Lima Barreto), não deixa de impressionar como, ao longo de anos de convivência com esse sistema e esse mercado, sentimos certa afinidade com essa posição. 

O país sempre foi pequeno, ainda é, e se agora o olhar sobre o estrangeiro já passa por menos subserviente, tempos houve em que nos menosprezávamos sem piedade por comparação ao que se fazia lá fora (exemplo semi-patético: as roupas dos elementos do grupo Objectivo, que a própria editora, na promoção para imprensa, fazia crer que estavam muito à frente no panorama português porque eram “à Carnaby Street”. 

As novidades de Inglaterra definiam, desde os Shadows e os Beatles, quais as reproduções que iríamos fabricar por cá. Até bem dentro dos anos 80. Uma boa cura passa por assumir, primeiro, que se tem um problema.

NB. Hoje recebi pelo correio um exemplar desta obra!

JORGE PALMA CELEBRA 45 ANOS DE CARREIRA NOS COLISEUS DE LISBOA E PORTO


Para comemorar 45 anos de carreira, Jorge Palma preparou dois espectáculos especiais com a Orquestra Clássica do Centro, sob direcção artística e de orquestra do maestro Rui Massena. Dias 5 e 7 de Outubro, os Coliseus de Lisboa e Porto, respectivamente, vão ser palco destes concertos que vão revisitar os temas mais emblemáticos do músico e compositor, através de um alinhamento composto pelos clássicos intemporais e outros mais recentes, apresentados com arranjos inéditos.

A formação clássica de Jorge Palma - atestada no ​curso superior de Piano do Conservatório de Lisboa ​-​, assim como a forte influência de outros estilos como o rock, ragtime, blues ou bluegrass, reflecte-se nas suas composições e está presente em todo o seu percurso. 

Nos coliseus, o músico e compositor estará acompanhado pela sua banda e pela Orquestra Clássica do Centro, formada em 2001. A Rui Massena - a quem é reconhecida uma irreverência clássica, mas rigorosa -, cabe a responsabilidade de dirigir todo este ensemble em duas noites que se esperam representativas da diversidade de influências e percursos de todos os envolvidos.

Recorde-se que Jorge Palma se estreou em nome próprio em 1972 com o single "The Nine Billion Names of God", título retirado de um conto de Arthur C. Clarke e inspirado no livro "O Despertar dos Mágicos", de Louis Pauwels e Jacques Bergier. "Com Uma Viagem na Palma da Mão", editado em 1975, foi o primeiro de 13 álbuns de originais bem sucedidos, com destaque para a dupla platina de "Voo Nocturno" (2007). Da discografia fazem ainda parte dois CDs e um DVD ao vivo, e várias colectâneas, entre elas "Só" que completou recentemente 25 anos. Mas há mais: uma história de colaborações, que vão dos arranjos para Amália Rodrigues até à direção musical de peças de Bertolt Brecht. 

A par da carreira a solo, Jorge Palma integrou outros projectos como Palma's Gang, Rio Grande, Cabeças no Ar e Juntos, ao lado de Sérgio Godinho. Entre as distinções, destaque para o prémio José Afonso, que recebeu em 2002; os ​Globos de Ouro​, atribuído em 2008 e 2012; e o ​prémio Pedro Osório da SPA, em 2012.

​O que se segue na vida de Jorge Palma é indissociável da história da música portuguesa nos últimos 45 anos. São muitos os momentos para celebrar!

Os bilhetes para os concertos já estão à venda. Para o Coliseu de Lisboa, dia 5 de Outubro, o preço varia entre os 20€ e os 45€ . Para o Porto, dia 7, os bilhetes custam entre 25€ e 35€.

MIGUEL ARAÚJO | Londres


Miguel Araújo vai regressar a Londres (28 de Setembro) depois de se ter estreado no ano passado em terras de sua majestade, num concerto para cerca de 450 pessoas, a maioria portugueses. Em 2016 Miguel Araújo esgotou a sala Under the Bridge abrindo espaço para mais um concerto no mesmo dia.

Desta vez o local escolhido para o grande concerto na capital britânica é o icónico Barbican Centre, residência oficial da London Symphony Orchestra e reconhecido como um dos maiores centros artísticos da Europa e onde já atuaram, por exemplo, as fadistas Mariza e Ana Moura.

O músico português irá fazer-se acompanhar do septeto que tem atuado em alguns dos concertos em Portugal, levando na bagagem o seu novo e aclamado álbum "Giesta", o terceiro da sua carreira a solo e de onde já saíram os êxitos "1987" e "Axl Rose".

O concerto de Londres será um dos grandes concertos que Miguel Araújo está a preparar este ano naquela que é a sua maior digressão de sempre a solo. A cidade do Porto vai receber o filho da terra no Coliseu do Porto, dia 4 de Novembro, e o Coliseu de Lisboa recebe-o no dia 11 de Novembro numa estreia total a solo, depois das 28 noites esgotadas em dueto com António Zambujo.

MAFALDA VEIGA AO SOL DA CAPARICA


Mafalda Veiga apresenta amanhã o seu mais recente trabalho, "Praia", ao vivo no Sol da Caparica num espectáculo muito especial que contará com a presença do rapper Fuse.

Este concerto no Festival Sol da Caparica tem como foco o novo disco da artista, "Praia", que conta já com seu terceiro e mais recente single "Não me dês razão". No entanto, o público pode também contar com as canções mais emblemáticas e incontornáveis da carreira da Mafalda Veiga, agora com arranjos que se aproximam da sonoridade deste mais recente trabalho.

A banda desta "Praia", composta por alguns dos músicos que gravaram o disco e que são de universos musicais como Orelha Negra e Zen, entre tantos outros, vão estar agora com Mafalda Veiga também em palco no Sol da Caparica; são eles: Fred Ferreira - bateria, Sérgio Pires - baixo, Marco Nunes - guitarras, Ricardo Riquier - guitarras e Diogo Almeida Ribeiro - teclados.

Este concerto promete ser único por ter em palco também o rapper Fuse, que cantará um dos novos temas de Mafalda Veiga e apresentará "Ímpar Singular", retirado do seu mais recente disco "Caixa de Pandora"; uma colaboração da artista Mafalda Veiga com Fuse que será apresentado pela primeira vez ao vivo.

Segundo Fuse, "Impar Singular é uma reflexão pessoal sobre a nossa genuinidade enquanto seres humanos, o que nos distingue, o que nos torna diferentes e especiais" e por isso "o timbre, a escrita e o sentimento da voz da Mafalda Veiga são únicos e encaixam nesta canção de uma forma harmoniosa, perfeita".


CARMINHO | Tour 2017

CARVIÇAIS ROCK 2017

09/08/2017

INDIE MUSIC FEST | Últimas confirmações


Depois de apresentados os nomes de Conjunto Corona, Them Flying Monkeys, Twins Transistors, Heavy Cross of Flowers, Paraguaii, The Miami Flu, Lucky Who, Moon Preachers, Killadelphia, El Señor, Manuel Fúria & Os Náufragos, Marvel Lima, Jonny Abbey, Phantom Trio, Los Luchos, Astrodome, Pãodemonio, Stone Dead, The Laizy Faithful e Toulouse, é a vez de revelar uma dúzia de nomes que vão deixar o Bosque do Choupal ainda mais encantado, ficando a faltar apenas os nomes da área electrónica, a ser anunciados em breve.

Nomes que já dispensam qualquer tipo de apresentações. Falamos dos The Poppers e Nice Weather for Ducks. De Lisboa os The Poppers assumem com orgulho a herança do Rock n' roll e vem apresentar o seu novo disco de originais, «Lucifer», e de Leiria os Nice Weather for Ducks confessam-se viciados em canções (de todos os géneros e feitios) e no som de instrumentos que mandaram vir do ebay. A música deles é uma amálgama de sons e de ritmos e vozes vibrantes! Curiosos?

George Marvinson é o pseudónimo criado por Tiago Vilhena (musico dos Savanna) para nos mostrar a sua visão do mundo em forma de canções.

Mr.Gallini é o alter ego do também baterista de Stone Dead e o som produzido pode ser descrito como psych harmonioso de quem não quer ceder a crescer e deixar para trás o charme, a inocência e uma criatividade borbulhante. Promete.

Oriundos de Alcobaça e sem rótulo aparente, os FUZZIL trazem consigo uma mistura agressiva de fuzz com vocais melódicos. Influenciados pelas ondas psicadélicas dos 60's/70's e toda a panóplia dos anos 90.

Os Flying Cages são uma banda de Indie rock e apresentam ‘Woolgather’, o segundo álbum de estúdio, fresco e maturo.

Foque. Assim se intitula o projecto a solo de Luís Leitão. É um projeto que surge da necessidade de ter independência musical e de largar, não as guitarras nem as baterias convencionais, mas o rock em geral, onde havia estado embrenhado grande parte da sua vida.

Rapaz Ego é aquilo que ficou por dizer por Luís Montenegro. O Luís que toca nos Salto desde que se lembra, tem o projecto de electrónica Lewis M. e dá uma ajuda na formação com banda da Capicua desde o ano transacto. Rapaz Ego é um desabafo.

Para um final em festa Moda Americana são uma banda de rock alternativo de Lisboa com uma sonoridade psicadélica moderna e expansiva; de Vila do Conde chegam os Indian Rubber, Eden Lewis II aparece no Bosque em tons de Funk, Soul, Jazz, RnB e Hip Hop e em ritmo explosivo Pás de Problème. Uma mistura que bebe da música cigana, dança ao som de ritmos africanos ou cresce com a eloquência de um jazz cheio de fogo. Criando uma mistura exótica para sentir com o corpo todo, fazendo dos Pás de Problème embaixadores da música do mundo para fazer a festa. 

Os bilhetes estão à venda na bol e nos locais habituais a um preço exclusivo para os amantes da nova música nacional.

Passe Geral - 3 dias: 30€ com oferta da t-shirt do festival (limitado a 150 unidades).

+ Info:

www.facebook.com/indiemusicfestofficialpage

MOPHO | "Melancolia"


Passados 4 anos do lançamento do primeiro trabalho homónimo, os Mopho regressam agora com um longa duração estranho e, ao mesmo tempo, rico em toda a sua essência. Quatro anos carregam o peso da maturidade e da desconstrução de estigmas e círculos transversais de eternos retornos.

"Estranho em mim" trata, sobretudo, de um aprofundar da melancolia bonita que sempre envolveu o rock destes cinco rapazes.

O single de apresentação, “Melancolia”, foi sabiamente escolhido para se tornar um vício. Os reflexos que apresenta de uma luz ténue e brilhante trazem à canção uma brisa suave e palpável que nos faz estremecer de intensidade.

Um álbum que representa o rock português em toda a sua magnitude. Fica o alerta de um possível rasgo de arrepios frios aquecidos por um aconchego melódico extremamente belo aquando da sua audição. O disco tem edição agendada para o próximo mês de Setembro.


MONDA | Évora

HOT AIR BALLOON EM CONCERTO

08/08/2017

MÁRIO MATA | Discurso Direto


No ano em que assinala 37 anos de carreira, Mário Mata está de regresso “Regresso” às edições com um trabalho com a produção de José Cid, num misto de temas novos e outros revisitados com novos arranjos e que, ao mesmo tempo, traz de volta o “velho” Mário Mata, renovado, mas fiel àquilo que sempre foi: um espírito rebelde e insubmisso, atento,que continua a lutar contra o "sistema". Hoje em "Discurso Direto" é meu convidado Mário Mata.

Portugal Rebelde -  De que é que nos falam as canções deste seu “Regresso” aos discos?

Mário Mata - Falam de diversos temas actuais como sendo o amor, o futebol, politica, fazendo sempre alguma sátira social.

PR - Na canção “Então ó Zé” canta em "andar sozinho a lutar contra o sistema". Que sistema é este?

Mário Mata - O sistema que é referido na música é um sistema informático que é um espelho da nossa sociedade. Fazes tudo através da internet, fazes amizades, sexo, ouves musica, vês filmes, televisão, preparas atentados, compras armas, eu sei lá, uma panóplia de ferramentas ao teu dispor. às vezes é preciso desligar a ficha.

PR - Este seu regresso acontece com o “patrocínio” da Acid Records de José Cid. Foi por opção, ou desencanto com as grandes editoras?

Mário Mata - O José Cid foi quem apostou no meu trabalho. Isto aconteceu casualmente e deu-se através de uma convergência de ideias e gostos musicais. Não faço discos contra ninguém.O CD saiu pela Acid Records e distribuído pela Sony Music.

PR - Qual é o tema que melhor caracteriza o “espírito” deste disco?

Mário Mata - “Então ó Zé”.

PR - Numa frase como caracterizaria este “Regresso”?

Mário Mata - “Continuo a andar sozinho a lutar contra o sistema”

PR - Para terminar, a cantiga (ainda) é uma arma?

Mário Mata - Sempre!! Até à ultima nota !!!




FESTIVAL BONS SONS | Cem Soldos


O festival Bons Sons começa já esta semana. Serão 4 dias de espectáculos com o melhor que a música portuguesa tem para oferecer, no cenário pitoresco da Aldeia de Cem Soldos.

Quem chegar e assentar arraiais no parque de campismo, encontra ali montada também a Festa de Recepção ao Campista com as primeiras sonoridades dançáveis entregues nas mãos de Inês Lamim. Os dias seguintes estão recheados com os nomes de um cartaz com 52 espectáculos por onde escolher.

As manhãs de quem consegue levantar-se cedo são preenchidas com um pequeno-almoço na aldeia, sessões de música para crianças, regateios pela feira de artesanato, visitas ao curral dos burros, jogos tradicionais ou um refresco no rio de uma das praias fluviais da zona.

Os inícios de tarde trazem também muitas actividades antes dos primeiros concertos, como as oficinas para construir instrumentos musicais, a exibição de curtas-metragens, em parceria com o Curtas em Flagrante, as artes performativas em parceria com a Materiais Diversos ou as actuações ad-hoc no Palco Garagem.

Os concertos começam a aquecer pela tarde dentro, no interior da igreja, com o Palco MPAGDP, onde a programação está a cargo d’A Música Portuguesa A Gostar Dela Própria. A procissão do cartaz segue para o adro, onde o Palco Tarde ao Sol rasga as primeiras notas que ecoam pelas ruas de Cem Soldos. Seguem-se os concertos do coreto, de outra forma conhecido como Palco Giacometti, onde estalam as sonoridades mais introspectivas de cantautores e calmos virtuosos.

Depois do aquecimento, iniciamos o diálogo musical entre os projectos sonoros do enérgico Palco Eira alternados com as melodias incontornáveis que partem da Praça do Rossio, no Palco Lopes-Graça.

Aplaudidos os memoráveis espectáculos dos músicos consagrados e das principais atracções da noite, a festa continua tanto no Palco Aguardela, com as batidas que caracterizam o calor da madrugada, como nas tascas, quintais e tabernas da aldeia que viram tertúlias e locais de boémia.

Para ninguém se perder no meio de tanto que há para fazer, existe a APP do Bons Sons que é já uma referência. Simples, eficaz e com toda a informação necessária, incluindo o acesso ao Instagram oficial. Disponível para IOS e Android.



+ Info:

www.facebook.com/bonssons

FESTIVAL DO CRATO 2017


Está quase a chegar a edição 2017 do Festival do Crato! De 21 a 26 de Agosto a histórica vila alentejana é paragem obrigatória no roteiro dos festivaleiros.

O Festival que este ano traz mais novidades na programação volta a apostar num cartaz que integra alguns dos melhores projectos da música nacional e internacional, a célebre Feira de Artesanato e Gastronomia com entrada gratuita, concertos para crianças, zona de acampamento, palco After-Hours e muita animação!

O acolhimento aos Festivaleiros acontece a partir de 19 de Agosto às 22.00h, com o concerto de Valas, o rapper alentejano, residente em Évora, considerado um dos grandes fenómenos do hip hop nacional. "As Coisas" e mais recentemente “Acordar Assim” e “Alma Velha” são os singles editados com a assinatura da Universal Music, que já contam com muitos milhares de visualizações no youtube.

Já no dia 20 de Agosto às 22.00h está preparada a "Silent Party": imagina-te... rodeado por centenas de pessoas a dançar e a cantar... mas onde a música que ouves não se adapta à dança alheia. Qual a sensação? Silent Party: Uma noite com 2 DJ'S em simultâneo. Escolhe a tua frequência!



+ Info:

www.facebook.com/FestivaldoCrato

FRANKIE CHAVEZ | Teatro da Trindade


Frankie Chavez prepara-se para apresentar oficialmente em Lisboa o seu mais recente álbum, “Double Or Nothing”, em dois concertos muito especiais no Teatro da Trindade, nos dias 27 e 28 de Outubro, às 21.30h, para o qual contará com vários convidados. Estas datas integram um ciclo de concertos que celebra os 150 anos do Teatro da Trindade.

Poli Correia, também conhecido como Sam Alone (que colabora no primeiro single de “Double Or Nothing”, intitulado “My Religion”), é um dos músicos já confirmados que irá partilhar o palco do Teatro da Trindade com Frankie Chavez nesta celebração do seu terceiro álbum de originais, um trabalho marcadamente influenciado pelo contexto social atual.

MEDEIROS/LUCAS | Bons Sons

07/08/2017

VÍDEOCLIP | "Margens do Douro (feat. Maze e Macaia)" - Mundo Segundo


Com realização de Thomas Zimmermann, Mundo Segundo apresenta o vídeoclip para o tema "Margens do Douro", canção incluída no seu mais recente trabalho, "Sempre Grato".

REGUENGOS WINE & BLUES FEST | Reguengos de Monsaraz


O Reguengos Wine & Blues Fest vai ter em 2017 a sua 1ª edição, nos dias 11 e 12 de Agosto no Parque de Feiras e Exposições de Reguengos de Monsaraz.

Este Festival é uma organização da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz com a produção da Trovas Soltas e está integrado na 25ª Edição da ExpoReg (Exposição de Atividades Económicas de Reguengos de Monsaraz, que decorre entre os dias 11 e 15 de agosto)

11 de Agosto:

21.45h – 23.15h | Concerto Chino & the Big Bet

23.35h – 01.00h | Concerto Budda Power Blues & Maria João (The Blues Experience)

12 de Agosto:

21.45h – 23.15h | Concerto Fast Eddie Nelson

23.35h – 01.00h | Concerto Shirley King Blues Band


THE BUDDA POWER BLUES & MARIA JOÃO | Póvoa de Varzim


Após alguns concertos juntos, Budda Power Blues e Maria João decidem unir esforços e talentos na criação de um disco "a dois". Budda assume as composições e letras e Maria João empresta a voz e todo o seu talento, para um disco entitulado Blues Experience. 

Trata-se exactamente de uma experiência no mágico universo dos Blues onde Maria João deixa cair o seu registo icónico para se apoderar das canções e dar vida às letras, muitas das vezes em dueto com Budda, considerado o melhor músico de Blues do país.

A rudeza de Budda Power Blues alia-se à delicadeza de Maria João, encontrando-se algures num meio termo para criar uma sonoridade própria e especial.

Falamos de um disco de Blues, mas desengane-se quem possa pensar que se trata de um exercício de estilo. Trata-se de Blues do século XXI, amplamente influenciado por todas as sonoridades que fazem parte do quotidiano de Maria João, Budda, Nico Guedes e Pedro Ferreira, os quatro intervenientes deste disco.

Composto por 10 canções que versam sobre assuntos muito pessoais e frequentemente autobiográficos, "Blues Experience" é um disco que percorre várias linguagens dos blues, resultado do desafio lançado por Budda a Maria João.

08 de Setembro - Cinte-Teatro Garrett, Póvoa de Varzim (21.30h)

TRIO ALEX PAGE LANÇA DOIS NOVOS SINGLES


O trio de Almada, Alex Page acaba de lançar dois novos singles acompanhados de videoclipe. Desta vez a banda aposta numa produção de vídeo e áudio mais arrojada e conta com a participação de Laura Macedo (Xerife) no tema “Your Smell” e Paulo Horta (Orquestra SRMT) no tema “Freeze”. Os vídeos estão disponíveis nas redes sociais e a música pode ser descarregada gratuitamente no Bandcamp oficial.

Será o regresso da banda, que esteve afastada dos palcos durante o processo de produção dos dois novos temas e gravação dos dois videoclipes. O trio promete como sempre, satisfazer os fãs e ouvintes mais exigentes, bem como os amantes da música eletrónica.




06/08/2017

“SÓ EU SEI” DE VIRGUL ATINGE O GALARDÃO DE PLATINA


O single “Só Eu Sei” de Virgul atingiu o galardão de platina. Editado em Novembro de 2016, “Só Eu Sei” é o segundo de três singles que Virgul editou desde o ano passado: a estreia aconteceu em Abril de 2016 com “I Need This Girl” e o terceiro – “Rainha”- foi dado a conhecer um ano depois (Abril de 2017).

Os três singles de apresentação do álbum de estreia a solo de Virgul são três casos de grande sucesso. A presença constante na tabela de vendas de singles são disso prova, bem como os números invulgares que atingem quer no Youtube (os três vídeos oficiais contabilizam mais de 24 Milhões de visualizações) quer no Spotify (mais de 5 milhões de streamings).



www.facebook.com/VirgulakaSupavi

EXPENSIVE SOUL | Agenda


Agenda:

11 de Agosto - Ferrel, Peniche

12 de Agosto - Santa Luzia

18 de Agosto - Monção

19 de Agosto - Merelim, Braga

20 de Agosto - Canedo

www.facebook.com/expensivesoul

FESTIVAL DA JUVENTUDE | Esposende

TÓ TRIPS & JOÃO DOCE | Vila Real

05/08/2017

ANAQUIM CELEBRAM 10 ANOS DE CARREIRA


"Da poeira das ruas, o Anaquim cimentou-se num mundo que tornou seu. Irrequieto como as folhas das árvores, juntou às Vidas dos Outros estórias que foi vivendo, amigos que foi fazendo e lugares que foi visitando. Neste concerto especial celebram-se os dez anos de um duende curioso que se multiplicou em cinco músicos cuja entrada em palco é apenas o início de uma conversa.

É hora de embarcar connosco nesta viagem desde 7 de Dezembro de 2007, data enciclopédica do primeiro ensaio, até aos dias de hoje, passando pelos três álbuns da banda e acrescentando-lhes algumas surpresas. Venha fazer parte deste verdadeiro "Dez"concerto." (José Rebola)

Agenda:

04 de Novembro - CAE, Portalegre

07 de Dezembro - Convento São Francisco, Coim

www.facebook.com/anaquimbanda

NICE WEATHER FOR DUCKS EM CONCERTO


Agenda:

12 de Agosto - Bajouca

13 de Agosto - Festival Paredes de Coura

19 de Agosto - São Pedro de Moel

www.facebook.com/niceweatherforducks5

TIAGO BETTENCOURT (A)GOSTO

TATANKA | Agenda

/>