15/04/2024

ROCK RENDEZ VOUS | Uma História Em Imagens

Numa edição da Tinta da China, foi apresentado recentemente o livro "Rock Renvez Vous, uma história em imagens". 

  Sinopse 

"Uma historia em imagens de uma das salas de concertos mais icónicas para o rock portugues. Mais do que a sala de espetáculos rock onde atuaram praticamente todos os músicos ativos na década de 80, o Rock Rendez Vous é fundamental para compreender muito do que se escreveu, pensou e disse não só especificamente sobre a música em Portugal, mas sobre o próprio país, os jovens — um público ansioso «de modernidade» — e o futuro. Todo o clube funcionava como plataforma de encontro para uma juventude filha do país recém-liberto, abrindo já caminho para o florescente Bairro Alto na segunda metade da década. 

A par do Marquee Club em Londres, do CBGB em Nova Iorque ou do Hacienda em Manchester, o nosso, que ficava na Rua da Beneficência 175 em Lisboa, foi dos poucos a atingir o estatuto de elemento central na identidade e na memória do meio musical. Este livro propõe-se representar e fixar a essência do RRV — um lugar onde palco e plateia, pela sua energia, se confundem na disputa pela atenção do fotógrafo. Com coordenação de Luís Carlos Amaro. Fotógrafos: Rui Vasco, Peter Machado, Pedro Lopes, José Faísca, Fred Somsen, Céu Guarda, Álvaro Rosendo. Textos: Ana Cristina Ferrão, Pedro Félix."

JORGE PALMA JUNTA-SE AOS CONVIDADOS QUE CELEBRAM ABRIL NO NOVO ÁLBUM DE BÁRBARA TINOCO E CAROLINA DESLANDES

Jorge Palma junta-se aos já anunciados convidados do novo álbum de Bárbara Tinoco e Carolina Deslandes, "A Madrugada que eu esperava", que junta as vozes da revolução e do presente. Com edição agendada para dia 25 de abril, Jorge Palma, Sérgio Godinho, Paulo de Carvalho, Luísa Sobral, Filipe Melo, Salvador Sobral, Rita Rocha, Tatanka, Tiago Nogueira, Buba Espinho e Diogo Branco, unem-se às duas artistas neste longa duração composto por 17 canções, que mais do que um disco é uma ode à liberdade, no ano em que se celebram 50 anos da Revolução dos Cravos. Já é possível conhecer o primeiro single, faixa que dá nome ao álbum, com videoclipe disponível no YouTube oficial de Bárbara Tinoco. 

O álbum é resultado do musical homónimo, "A Madrugada que eu esperava", em cena desde o passado dia 14 de fevereiro, até dia 31 de maio, que junta as duas cantautoras na autoria e na partilha de palco, como atrizes principais. As 17 faixas editadas reúnem os 13 temas apresentados em cena e ainda quatro canções originais, compostas exclusivamente para o musical, mas que com algum desgosto acabaram por ficar de fora, por ser impossível incluir tanta criação num espetáculo de uma hora e meia e que agora ganham vida em estúdio. 

O alinhamento é composto pelas canções oficiais do musical, algumas na voz de Bárbara Tinoco e Carolina Deslandes, e outras entregues aos convidados especiais Sérgio Godinho, Paulo de Carvalho, Luísa Sobral, Filipe Melo, Salvador Sobral, Rita Rocha, Tatanka, Tiago Nogueira, Buba Espinho e ainda Diogo Branco, protagonista no papel de Francisco. O álbum inclui ainda os instrumentais gravados em estúdio, tal como apresentados em cena pelos músicos músicos Feodor Bivol (Guitarra), Marco Pombinho (Piano), Miguel Casais (Bateria), Rui Pedro Pity (Baixo), e Sandra Martins (Violoncelo), com a contribuição das guitarras de Diogo Clemente e Pedro mourato. 

O Musical “A Madrugada que eu esperava”, nome extraído de 25 de Abril, um dos mais célebres poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen, parte de uma ideia original, escrita por Hugo Gonçalves, autor de vários romances, entre os quais Filho da Mãe e Deus Pátria e Família e guionista de inúmeras séries para televisão, nomeadamente o sucesso “Rabo de Peixe”. A encenação está a cargo de Ricardo da Rocha e as canções foram escritas a quatro mãos por Bárbara Tinoco e Carolina Deslandes, numa coprodução Força de Produção e Primeira Linha.

 

JOÃO FARINHA | Balada da Despedida (feat. Ruze)

João Farinha convida o rapper RUZE para com ele interpretar o tema “Balada da Despedida”, primeiro single do seu novo álbum “A Conta que Deus Fez” com edição marcada para Setembro. Uma fusão entre o fado de Coimbra e rap numa das mais belas e conhecidas canções nacionais, “Balada da Despedida” (Coimbra tem mais encanto). Música de Fernando Machado Soares e letra de Francisco Bandeira de Mateus e Ruze, presentemente revelamos o vídeo filmado na histórica e bela cidade de Coimbra.

 

14/04/2024

PAPISA | Amor Delírio

Após revelar os singles "Melhor Assim", "Dores no Varal" e "Amor Delírio" – tema que dá nome ao álbum e tem a participação de Luiza Lian –, a compositora e multi-instrumentista brasileira PAPISA apresenta o disco, "Amor Delírio", sucessor de Fenda (2019) e do EP Papisa (2016), com produção assinada por Felipe Puperi (Tagua Tagua). Amor Delírio é um lançamento do selo espanhol Costa Futuro.

Falar sobre o amor é a abertura de um novo caminho temático para Rita Oliva, a PAPISA, que nos trabalhos anteriores abordou elementos místicos e relativos ao inconsciente, como a morte e a ciclicidade do tempo. Conhecida por realizar concertos ritualísticos e sensoriais – Rita é também astróloga e chegou a desenvolver um oráculo complementar ao disco Fenda –, e pela sonoridade dream-indie-pop que a consagrou como “uma espécie de Cat Power psicadélica” (Lúcio Ribeiro, Popload), a artista agora investiga o poderoso sentimento que move as marés humanas. É nesta abordagem sentimental que Amor Delírio se sustenta, a passar pela sedução, pelo desejo, pelas ilusões e pelas desilusões amorosas. 

É também retratada a vontade e a inevitabilidade do reencontro, além da fluidez das relações e das possibilidades. Por fim, o desejo a se manifestar de várias maneiras. “Em 2020 passei a me questionar sobre o amor romântico, e comecei a observar as minhas relações e de outras pessoas sob essa ótica. Estava tentando entender a influência da convenção social na forma como nos relacionamos, mas também investigando como o desejo e a sedução são forças motrizes importantes nas nossas conexões, sejam elas românticas ou não. 

Essa forma mais objetiva de pensar no amor inevitavelmente trouxe à tona questões subjetivas das experiências que vivi ao longo dos anos, ou que presenciei pessoas próximas vivendo. Então fui me dando conta de que o disco tinha uma narrativa, retratando fases distintas que alguém pode viver dentro das relações, incluindo a excitação dos começos, a angústia da falta, o processo de ilusão e desilusão quando colocamos expectativas em uma situação e também as formas como nos ligamos e nos desligamos de algo ou alguém”, comenta a artista. 

O álbum foi produzido em duas semanas numa casa em São Francisco Xavier, cidade no distrito de São Paulo, e contou ainda com gravações de Alejandra Luciani, Felipe Puperi, Fabio, Fabio Pinczowski e Pepeu JC no Estúdio 12 Dólares e Sid Souza no Artsyclub Studios. A mixagem é de Tiago Abrahão e a masterização é de Brian Lucey (que já trabalhou com nomes como The Black Keys, Lizzo e Cage the Elephant). 

Para o lançamento de "Amor Delírio", PAPISA tem Portugal como um dos países que vão receber o concerto do álbum – talvez, ainda este ano. E além da Europa, a artista também tem promovido o disco nos Estados Unidos - por onde, inclusive, esteve em Março para concertos no SXSW, New Colossus Festival e no Treefort Music Fest.

"PARA SEMPRE MARCO" ESGOTA CONCERTO NO TEATRO TIVOLI BBVA E ABRE NOVA DATA

13/04/2024

INÊS DE VASCONCELLOS | Receitas Contra Amores Sardaniscas

Inês de Vasconcellos, edita hoje o seu mais recente single "Receitas Contra Amores Sardaniscas”, single que serve de mote para aquele que será o segundo álbum da artista. Com uma melodia cativante e uma letra poética, escrita por Edu Mundo, “Receitas contra Amores Sardaniscas” não só celebra a tradição e as avós deste país, mas também marca mais um capítulo na brilhante carreira desta artista. Inspirada pelas suas vivências pessoais, Inês de Vasconcellos transporta-nos para um universo de emoções profundas e memórias afetuosas. 

"Receitas Contra Amores Sardaniscas” é muito mais do que uma simples canção; é uma homenagem à sabedoria transmitida de geração em geração, onde uma avó compartilha com a neta os segredos para afastar amores fugazes, fugidios e efêmeros. A voz poderosa e marcante de Inês de Vasconcellos, aliada à sua impecável capacidade interpretativa, tem- lhe valido inúmeros elogios por parte de várias personalidades do meio do Fado e da cultura. 

Desde o lançamento do seu primeiro single, "Fado das Amarguras", em 2021, chegando quase aos 400.000 streams no Spotify, até a sua consagração com "Estou Bem", que lhe valeu o prémio de “Song of The Year” nos Int’l Portuguese Music Awards, Inês tem conquistado corações e mentes com sua arte autêntica e apaixonada. Inês de Vasconcellos conta também com, “Amplexo”, álbum editado em 2021 pela Museu do Fado Discos, e com 3 singles “Peço à Vida”, “Não Penso em Mais Nada”, e mais recentemente “Conta-me O Teu Dia”. 

Com o lançamento de "Receitas Contra Amores Sardaniscas", Inês de Vasconcellos reafirma-se como uma das vozes mais distintas e respeitadas do cenário musical português. O single "Receitas Contra Amores Sardaniscas" está disponível para streaming em todas as plataformas digitais.

MARCO RODRIGUES | Canos do Tejo

Marco Rodrigues lança “Canoas do Tejo”, o primeiro single revelado de “Marco Rodrigues Canta Carlos do Carmo”, o álbum que homenageia o saudoso mestre e que acrescenta riqueza a um repertório intemporal. O álbum está previsto para 3 de maio próximo, e estará tanto nas plataformas digitais como em CD. Para quem quiser “guardar” esta pérola pode, desde já, adicionar na Apple Music. 

Para este disco, cuidadosamente concebido e projetado, Marco Rodrigues assegurou-se que respeitaria com rigor tudo o que Carlos do Carmo ensinou: o cuidado com a dicção, o respeito pelo poema e o brilhantismo na interpretação. A estes valores junta-se a produção musical exímia, mas também os arranjos absolutamente surpreendentes de Luís Figueiredo. De tudo isto “Canoas do Tejo” é exemplo e deixa-nos ansiosos pelas restantes 12 canções que o álbum trará. 

Carlos do Carmo é a referência maior do fado para Marco Rodrigues, assim esta homenagem surge naturalmente e na voz inconfundível do fadista poderemos ouvir alguns dos fados mais emblemáticos interpretados por Carlos do Carmo, mas recriados numa nova vida e fôlego. Acompanhado de uma composição visual cuidada criada por Carlos Quitério, que desenhou a capa, booklet e é o autor dos vídeos animados que vão acompanhar a escuta de todas as canções no YouTube e que contam igualmente com fotografias da autoria de Simão Pernas. 

Este disco terá igualmente vida em palco e a estreia acontece já no próximo sábado em Lagoa, no Algarve, exatamente no Auditório Carlos do Carmo, já esgotado. Após esta apresentação, Marco Rodrigues levará ao país e mais além este belíssimo disco e homenagem.

EMMY CURL | Pastoral

Como resultado de cerca de 10 anos de investigação e exploração do domínio entre a música tradicional portuguesa, especialmente no património cultural pagão, e as paisagens sonoras eletrónicas modernas, emmy Curl finalmente lança o seu quarto álbum completo "Pastoral". 
Numa sociedade cuja cultura se baseia em automações, eficiência, máquinas e burocracias intermináveis, o novo álbum "Pastoral", destaca-se em completa oposição e abre um mundo para o ouvinte onde a música tradicional portuguesa da cultura pagã se funde com batidas eletrónicas e sintetizadores modernos. 

"Fui fascinada desde a infância pela complexa relação entre a natureza e a cidade, tradições e desenvolvimentos modernos, e na minha música explorei esses temas profissionalmente durante mais de 10 anos. Quando iniciei a produção do meu último álbum "ØPorto" há 10 anos atrás, não sabia até que ponto iria mergulhar nas profundezas das tradições. "ØPorto" é como metade tradição e metade eletrónica. 

Hoje, vejo o meu novo álbum "Pastoral" como uma continuação do meu trabalho durante a última década, mas mais inclinado para as tradições do que para a eletrónica. Para mim, "Pastoral" é um marco artístico que expressa profundamente a minha relação tanto com a música eletrónica moderna como com a música tradicional do património cultural pagão em Portugal," diz emmy Curl. 

"Pastoral", editado pela Cuca Monga é um disco que passeia pelas profundezas da cultura portuguesa e já está disponível em todas as plataformas de streaming.
 

ÉME APRESENTA DISCO TINTO

QUE FORÇA É ESSA | Barcelos

12/04/2024

33 ROTAÇÕES | Isabel Rato

Já está disponível para audição no Spotify o novo episódio do Podcast 33 Rotações. Isabel Rato apresenta o álbum "Vale das Flores".
 

RUA DIREITA | Cecília

Rua Direita era, por excelência, a rua principal de uma cidade, epicentro de pontos de encontro idos, mas é também o nome de uma banda que procura contar histórias do quotidiano em formato canção, com uma escrita direta sob tensas camadas sonoras. 

Da vitória no Festival de Música Moderna de Corroios à presença na coletânea Novos Talentos Fnac ’17, a banda entrou em força nas rádios com o single “Mariana” que, mais tarde, viria a integrar o disco de estreia homónimo. Desde então, de norte a sul, foram muitos os palcos por onde passou, figurando em cartazes com artistas como Capitão Fausto, Luís Severo ou Samuel Úria. 

Sete anos depois, em plena primavera de 2024, a banda reúne-se para apresentar ao vivo “Cecília”. Com oito temas da autoria de Donato Rosa, este disco tão fresco quanto pujante contou com produção de Professor Xavier, conferindo às músicas um tiro de harmonia, sem abdicar da pulsão rock de quem lhes dá vida. 

“Cecília” é uma homenagem ao amor e à mudança e encontra-se a partir de hoje disponível nas plataformas digitais, com o selo Aquário Clube.

 

GARAJAU | SAL & Lima

Depois de "O Amor Não Se Abrevia", o álbum de estreia da banda natural do Porto, Garajau trazem-nos a solução para vários males: "Sal & Lima", o mais recente single. Em 2023, a banda composta por André Pires Costa e Tiago Luz, apresenta-se com um álbum Pop-Rock/Indie-Rock com sabor a desamores tanto no Rock, como no Pop como até numa balada acústica, onde cada canção nos apresenta uma variante do desamor mas também uma solução. 

Também "Sal & Lima" é solução para esta nova fase da banda, não só no campo do amor mas, como referem “O sal e a lima são essenciais para muitos contextos, para dar ou cortar sabor às bebidas, limpar o organismo e até para afastar o azar e o mau olhado.”. 

Com este single, Garajau apresentam-se numa sonoridade ainda mais up beat, num estilo “feel good hit” para cantar em todo o lado e até dançar - quase como solução para os problemas e stress do dia-a-dia - “Hoje é noite de atirar a semana para trás das costas (…) Soma Sal & Lima, cura a minha sina”.  

“Esta música nasceu de um rascunho de uma música escrita na pandemia sobre estarmos fechados e precisarmos de sair. O assunto ficou batido e achamos que não ia resultar. Mudamos então o foco desse mesmo assunto. A vida hoje em dia é tão frenética que ter uma noite de festa torna-se essencial.” afirma a banda sobre o novo single. Também acrescentam “É um passo em frente em relação à sonoridade do nosso primeiro disco. Portugal precisa de música cantada em português dançável nas rádios.” 

A letra de "Sal & Lima" é da autoria de Tiago Luz e André Pires Costa, a produção ficou a cargo de Leonardo Pinto e a masterização conta com Mário Barreiros. André Malta, que assumiu a produção do álbum, ficou desta vez a cargo da bateria. O novo tema de Garajau promete deixar a boa disposição em quem o escutar, no trânsito, numa festa, ou até em casa - "Sal & Lima" encontra-se agora disponível em todas as plataformas digitais.

11/04/2024

CANTARES DO ANDARILHO | Projeto de Criação e Reinterpretação da Obra Musical de José Afonso

Cantares do Andarilho/ Wanderer Songs é um projeto internacional que evoca a obra musical de José Afonso. Tomando como ponto de partida o histórico concerto ao vivo no Coliseu de Lisboa, a 29 de Janeiro de 1983. Cantares do Andarilho revisita a obra do cantautor e as emblemáticas canções do alinhamento do concerto do Coliseu, numa experiência musical e visual única. 

Nos 50 anos da Liberdade, este projeto procura pensar, sentir e cantar as canções de José Afonso em múltiplos estilos e linguagens, por artistas que se preocupam com o estado das coisas e que, tal como José Afonso, não receiam comentar o mundo em seu redor: o diretor musical Tiago Correia-Paulo - produtor musical, compositor (Moçambique, África do Sul); PS Lucas - artista musical (Açores, Portugal / Dinamarca); Nástio Mosquito - artista multimédia, audiovisual e musical (Angola / Portugal / Bélgica); Nacho Vegas - artista, cantautor (Astúrias / Estado Espanhol); Selma Uamusse - artista, cantora (Moçambique /Portugal); Lavoisier - duo de folk português (Portugal). Não se trata, pois, de mero entretenimento, trata-se de verdadeiro alimento para uma reflexão humana. Uma provocação à ação. 

O projeto Cantares do Andarilho / Wanderer Songs integra: 

● Residência artística, de 9 a 18 de Abril, no Teatro Faialense (Horta, Açores). 

● Concerto de estreia: 19 de Abril, Teatro Faialense. 

● Concerto no Festival Rudolstadt, Alemanha, 5 de Julho. 

● Setembro a Novembro de 2024: espectáculos Cantares do Andarilho / Wanderer Songs em Portugal e no estrangeiro (Agenciamento a cargo da agência Invicta Sound & Vision). 

● Setembro/Outubro: edição de CD e LP “Wanderer Songs” com distribuição física em Portugal, Espanha, Alemanha / GSA, França e EUA. 

O projeto será apresentado em Conferência de Imprensa no Faial a 12 de Abril, às 18.00h, no Teatro Faialense, onde a equipa irá desvendar alguns detalhes sobre o processo criativo, o alinhamento do concerto e os intérpretes da cada canção. 

A residência artística e o concerto de estreia contam com a parceria da Câmara Municipal da Horta e da UrbHorta e o Alto Patrocínio da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores.

INÓSPITA CELEBRA ABRIL COM "BEREQUIAS"

Foto: Pedro Gonçalves

Inóspita celebra Abril com versão ao vivo de Berequias com Ary dos Santos, UM tema inspirado na personagem principal do livro O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler que tenta retratar, sem palavras, um judeu que caminha para uma forca que não lhe é merecida num Portugal que peca por falta de liberdade religiosa. A este tema Inóspita junta excertos do poema As Portas que Abril Abriu de José Carlos Ary dos Santos, declamados pelo próprio, enfatizando um outro tipo de perda de liberdade, a liberdade de expressão que foi reconquistada com a força do povo e dos militares a 25 de abril de 1974. 

O tema foi captado ao vivo por Chinaskee a 12 de novembro de 2022 no Musicbox, em Lisboa e misturado e masterizado por Bernardo Fesch como uma pequena ode à liberdade que tanto merece ser louvada. 

Inóspita é o projeto de guitarra solo da jovem lisboeta Inês Matos. Inês toca guitarra desde tenra idade tendo estudado na Academia de Guitarra (onde é professora desde os 16 anos). Estudou na escola de Jazz Luiz Villas-Boas do Hot Clube de Portugal. Toca com bandas desde a adolescência e é membro de projetos como Chinaskee, João Borsch e Anarchicks.

/>