24/09/2016

UHF SINFÓNICO | Setúbal


Na sequência da 9ª edição do prestigiado Festival da Orquestra Nacional de jovens, na Figueira da Foz, realizada no passado mês de Julho, apresenta-se em repetição, um concerto muito marcante na história dos dois agrupamentos musicais. 

Pela primeira vez, o grupo UHF subiu ao palco do Grande Auditório do CAE para, em simultâneo com a Orquestra Nacional de jovens, realizarem um concerto que agora se recria em Setúbal para as comemorações do Dia Mundial da Música. 

Sob direção do Maestro Cristiano Silva, Diretor Artístico do Festival ONj, a banda liderada por António Manuel Ribeiro promete recordar os temas que marcaram gerações e com sonoridades nunca antes ouvidas. “Cavalos de Corrida”, “Rua do Carmo”, Menina que Estás à Janela”, serão alguns dos temas interpretados.

UHF - Voz: António Manuel Ribeiro | Guitarra: António Côrte-Real | Baixo: Cebola | Bateria: Ivan Cristiano

Preços: Plateias 15€ | Balcão 12€ | Comprar aqui.

RAMP | "Thoughts"


"Thoughts" o clássico disco de 1992 dos RAMP será reeditado pela Rastilho (em parceria com a Universal Music Portugal) no dia 7 de Outubro. Disponível em CD e em duas edições limitadas em vinil. Remasterizado a partir das fitas originais, com 3 temas extra e novo grafismo. Pre venda aqui.

Alinhamento:

01. The Comedians

02. Desillusions

03. March To Death

04. Thoughts

05. The Last Child

06. Try Again

07. In The Beginning

08. Out Of This World

09. Behind The Wall

INKILINA SAZABRA PREPARAM EM ESTÚDIO O 4º ÁLBUM DE ORIGINAIS


Os Inkilina Sazabra estão a gravar o seu 4º álbum de originais mas vão escapar do estúdio para duas datas ao vivo a decorrer em Outubro.

O novo álbum é composto por onze temas, será lançado no inicio de 2017 e é aclamado pela banda como o seu disco mais ambicioso.

Agenda:

08 de Outubro - Musica na aldeia fest, Abrantes

15 de Outubro - Metalpoint, Porto

PHAZER EM CONCERTO

UM CORPO ESTRANHO | "Pulso"

23/09/2016

ANTÓNIO ZAMBUJO | “Até Pensei Que Fosse Minha”


António Zambujo está de volta aos discos, com o lançamento de um álbum composto somente por canções de Chico Buarque. “Até Pensei Que Fosse Minha” é o título deste disco muito especial do cantor português e será editado no dia 21 de Outubro.

Do álbum fazem parte algumas das canções mais emblemáticas do percurso de Chico Buarque, como “Cálice”, “Valsinha”, “João e Maria”, “Tanto Mar” ou “Geni e o Zepelim”. Além de homenageado, o próprio Chico Buarque colabora com António Zambujo na sua versão da canção “Joana Francesa”. Participam ainda neste “Até Pensei Que Fosse Minha” a cantora brasileira Roberta Sá, que tem uma participação especial em “Sem Fantasia”, e a fadista Carminho, que canta com Zambujo o tema “O Meu Amor”.

Recentemente, António Zambujo levantou um pouco do véu deste projeto dedicado a Chico Buarque num concerto no 40.º Festival d’Ile-de-France, muito elogiado pelo jornal francês “Le Monde”. O jornal salientou “o requinte, a elegante sensualidade e a grande classe” com que António Zambujo homenageou Chico.

“Até Pensei Que Fosse Minha” foi produzido por Ricardo Cruz e Marcello Gonçalves, sendo que este último é ainda responsável pela direção musical e arranjos. A direção de produção ficou a cargo de João Mário Linhares. A capa do disco é da autoria da artista plástica, Adriana Varejão.

Além de colaboradores de longa data como Ricardo Cruz (no contrabaixo) e de Bernardo Couto (na guitarra portuguesa), este novo álbum conta ainda com a participação de músicos como o Trio Madeira Brasil, o próprio Marcello Gonçalves no violão de sete cordas, Sérgio Valdeos e Zé Paulo Becker no violão, Ronaldo do Bandolim no bandolim, João Moreira no trompete, Anat Cohen no clarinete, Paulino Dias na percussão ou Marcelo Cadi no acordeão, entre outros.

O disco foi gravado entre estúdios em Portugal (Atlântico Blue, em Oeiras) e no Brasil, mais precisamente no Rio de Janeiro (nos estúdios Visom e Nas Nuvens).

RODRIGO LEÃO & SCOTT MATTEW | "Life Is Long"


“Life Is Long”, o muito aguardado disco de parceria entre Rodrigo Leão e Scott Matthew está quase a chegar. O lançamento está marcado já para o próximo dia 30 de Setembro. ´

Desde o primeiro encontro, em 2011, que a dupla tem sossegadamente vindo a trocar ideias, emoções, canções, pelo meio de carreiras que os têm levado aos quatro cantos do mundo. Dois percursos que se cruzam quando tem de ser: aconteceu primeiro com “Terrible Dawn” em A Montanha Mágica, depois com “Incomplete” em Songs, e agora dá origem a um álbum inteiro assinado em parceria.

Aqueles que já os viram juntos em palco sabem o quão ricos estes encontros podem ser, de como a voz doce e profunda de Scott e a as melodias e orquestrações encantadoras de Rodrigo Leão se unem na perfeição. Este álbum é mais um passo nesta parceria tão frutuosa.

Entretanto, “Life Is Long” ainda está disponível em regime de pré-venda no iTunes, sendo que no dia 25 de setembro será disponibilizada uma nova canção deste disco, “Death Defying”, que se sucede a “Unnatural Disaster”, “The Fallen”, “Enemies” e “That’s Life”, o primeiro single. Esta é uma oportunidade única de ouvir antes do álbum chegar às lojas algumas das canções que fazem deste encontro entre Rodrigo Leão e Scott Matthew tão especial e único.

“Life Is Long” é a história de um encontro improvável que provou ser inevitável, entre um compositor conhecido pelas suas melodias enlevadas e uma voz que as leva ao patamar superior de magia. “That's Life” é a primeira amostra do que podemos ouvir em “Life Is Long”: um disco de uma beleza discreta mas arrebatadora, como só Rodrigo Leão e Scott Matthew poderiam fazer juntos.

Essa magia será vivida novamente em palco, tendo os dois músicos já um concerto marcado para o Coliseu do Porto, a 4 de Novembro, no âmbito do Misty Fest .

VÍDEOCLIP | "Aquele Grande Rio" - Manuel Fúria & Os Náufragos


É hoje lançado Aquele Grande Rio, o novo single do disco de Manuel Fúria & Os Náufragos que tem lançamento previsto para o início de 2017. 

Em Aquele Grande Rio, Manuel Fúria & Os Náufragos levam-nos ainda mais longe na demanda de uma canção com a energia espontânea do rock, perfeita e pura, mas que acaba por se entregar, num assomo de desejo e sem oferecer resistência, à sedução pop, que nos dá vontade de parar tudo o que estamos a fazer e simplesmente dançar. E trautear, uma e outra vez, o refrão que se nos entranha, cada vez mais profundamente, a cada nova escuta. Porque é de (mais) uma grande canção que se trata e que faz deste novo álbum de Manuel Fúria & Os Náufragos um verdadeiro tratado de grandes canções.

Manuel Fúria, descreve-se a si próprio como "um artista português, um quase cantor, do mesmo modo que poderíamos qualificar o Padre António Vieira como um quase escritor". Começa a sua actividade como cabeça d'Os Golpes, com quem lançou Cruz Vermelha Sobre Fundo Branco (Amor Fúria, 2009) e G (Amor Fúria/Valentim de Carvalho 2010/2011), e da Amor Fúria, Companhia de Discos do Campo Grande, fundada em 2008, uma das grandes responsáveis pelo ressurgimento do pop rock cantado em português. Dessa fase destacam-se canções como "A Marcha dos Golpes" ou "Vá Lá Senhora" que incluiu dueto com Rui Pregal da Cunha dos Heróis do Mar. No contexto da editora produziu discos de bandas como os Velhos ou os Capitães da Areia, sendo o mentor desta última.

O seu percurso mais ou menos a solo, porque na companhia dos Náufragos, conta com a edição d'As Aventuras do Homem Arranha (FlorCaveira/Amor Fúria, 2008), Manuel Fúria Contempla Os Lírios do Campo (Amor Fúria/Valentim de Carvalho, 2013) e a edição limitada Quatro Canções e Outros Tantos Lugares Comuns (Amor Fúria, 2014). Destes discos destacam-se canções como Canção Para o Meu Pai e Para a Minha Mãe, Que Haja Festa Não Sei Onde, Os Lírios do Campo, Canção Para Casar Contigo ou Nossa Senhora da Graça dos Degolados.

BRUNO PERNADAS | Duplo Lançamento

22/09/2016

MÍSIA CELEBRA 25 ANOS DE CARREIRA


Vinte e cinco anos depois da edição do seu primeiro disco - "Mísia" (1991) - a história de Mísia faz-se de uma mão-cheia de grandes álbuns e de concertos invariavelmente memoráveis um pouco por todo o mundo. E depois há canções que se tornaram parte de todos nós. As que se recordam no alinhamento de "Do Primeiro Fado ao Último Tango" são por isso parte da História do Fado dos últimos 25 anos.

Mísia foi a pioneira do que se veio a chamar Novo Fado, com a sua estreia em 1991. Criou uma sonoridade própria ao trazer para o Fado instrumentos como o violino, o acordeão e o piano e tem a particularidade de cantar textos que poetas contemporâneos escreveram especialmente para a sua voz, nomes como José Saramago, Agustina Bessa-Luís, Lídia Jorge, Vasco Graça Moura, Hélia Correia, entre outros.

É uma das mais internacionais artistas portuguesas. Foi distinguida com a Ordem de Oficier des Arts et des Lèttres pelo Governo Francês em 2011, depois de já ter recebido a Ordem de Mérito Civil em Portugal. Nesse mesmo ano, recebeu em Florença o Prémio Gilda no 33° Festival Cinema e Donne pela sua participação no filme ‘Passione’ dirigido pelo ator e realizador John Turturro. Em 2012 foi galardoada com o Prémio Amália Rodrigues na categoria ‘Divulgação Internacional’, um justo reconhecimento pelo seu trabalho além-fronteiras.

Através de uma seleção feita pela sua própria mão, Mísia conduz-nos em ‘Do Primeiro Fado Ao Último Tango’ numa extraordinária viagem pela sua longa e brilhante carreira. Um percurso onde revisitamos "Mísia" (1991), "Fado" (1993), "Tanto Menos Tanto Mais" (1995), "Garra dos Sentidos’"(1998), "Paixões Diagonais" (1999), "Ritual" (2001), "Canto" (2003), "Drama Box" (2005), "Ruas"(2009) e 2Senhora da Noite" (2011) sem esquecer os recentes 2Delikatessen Café Concerto" (2013) e "Para Amália" (2015).

02 de Dezembro - Teatro da Tribdade Inatel, Lisboa

LIVE LOW | “Toada”


Foram dois anos a testar terreno para chegar ao ponto caramelo: para nos deliciarmos com “Toada”, com lançamento previsto para dia 17 de Outubro.

Live Low teve várias peles e chegou agora à sua metamorfose derradeira. Em formato quarteto, a banda portuense prepara-se para lançar o primeiro álbum, “Toada”, a narrativa de um dia de lavoura através de reinterpretações de cancioneiro tradicional português através dos ritmos e timbres complexos da linguagem electrónica. 

Os concertos de apresentação são a 21 e 25 de Outubro no Círculo Católico Operário do Porto e no MusicBox de Lisboa, respectivamente. A 5 de Novembro, rumam até Lagos para apresentar o álbum no festival Verão Azul.

O primeiro single, cujo vídeo já circula, é uma versão do original de Fausto Bordalo Dias “Lembra-me um Sonho Lindo”.

MÉNAGE | Banda luso-Canadiana Conquistou a China


Os luso-canadianos Ménage no inicio de Setembro partiram à conquista da China. Foram 12 concertos e alguns em espaços incríveis como o MTA Festival, Dream Sonic Festival ou o Tenglong Cave. 

A tour começou no dia 1 de Setembro e terminou no dia 19 de Setembro e foi incrível. A vocalista, bELA Ferreira, afirma mesmo que: "esta foi uma das aventuras mais memoráveis dos Ménage até ao momento".

Recorde-se que o último álbum dos Ménage, "The Great American Lie", teve um sucesso estrondoso na Ásia, conquistando imediatamente o título de "Artist of the Week" na China.

NYNETH | “Plasticity”


É possível compor um hit utilizando apenas um Iphone?

Esta foi a premissa da qual Nyneth (alter ego electrónico de Hugo Celso Almeida) partiu para produzir o EP “Plasticity”.

Saindo da zona de conforto e da sua forma habitual de compor (guitarra e voz), Hugo Celso Almeida explora uma nova forma de se expressar sonicamente, ultrapassando a barreira estética que separa o rock e a música electrónica, sem quebrar completamente com o seu passado musical em Inmyths.

A falta de tempo e recursos é contrariada em “Plasticity”, o qual foi inteiramente produzido no percurso casa-trabalho, durante as nove estações do metro de Lisboa que separam Hugo de si mesmo.

“Plasticity” é uma prova de conceito de como é possível fazer música recorrendo à flexibilidade que a tecnologia actual nos disponibiliza. Fazer mais com os limites que temos.

Plasticidade é a capacidade de contínua alteração de ligações neuronais e sinapses no cérebro vivo e sistema nervoso em resposta a uma experiência ou lesão e é na transposição desta ideia para a criação de música que nasce “Plasticity”.

DANÇAS OCULTAS | "Amplitude" Internacional


Com uma das mais prestigiadas carreiras internacionais, Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo e Francisco Miguel formam o quarteto Danças Ocultas, que conta já com mais de duas décadas de existência.

“Amplitude”, o seu oitavo álbum, lançado em Fevereiro deste ano que os juntou à Orquestra Filarmonia das Beiras e aos convidados Carminho, Dead Combo e Rodrigo Leão atingiu os lugares cimeiros do top nacional de vendas e continua a receber os maiores elogios da crítica especializada e do público.

“Amplitude” conhece agora uma edição internacional pela Galileo Music, já disponível nos seguintes territórios: Alemanha, Áustria, Bélgica, Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Itália, Luxemburgo e Suíça. Para além da edição física nesses países, a obra será também distribuída digitalmente no mundo inteiro através das principais plataformas online.

A digressão de apresentação de "Amplitude" tem levado o quarteto às principais salas de espectáculo mundiais e aos grandes festivais, dentro e fora de portas.

Próximos Concertos :

01 de Outubro - Leiria - Teatro José Lúcio da Silva (21.30h)

07 de Outubro - São João da Madeira - Casa da Criatividade (21.30h)

16 de Outubro - Cine-Teatro Estarreja (17.30h)

MARCO RODRIGUES NOMEADO PARA UM GRAMMY LATINO


“Fados do Fado”, o último álbum de Marco Rodrigues, foi nomeado para um Grammy Latino na categoria de Melhor Álbum Folk.

O disco, produzido por Diogo Clemente, tem sido um sucesso comercial e de crítica e é verdadeiramente o seu trabalho de afirmação, tanto em Portugal como no estrangeiro.

“Fados do Fado” é um álbum dedicado aos homens do fado. Temas como “Rosinha dos Limões”, “Trigueirinha”, “Bairro Alto” ou “Vendaval” são pedras preciosas que remetem para nomes como Carlos do Carmo, mas também para Tristão da Silva, Jorge Fernando ou Tony de Matos, entre tantos outros.

Recentemente, Marco Rodrigues foi também convidado a participar no disco "El Alma del Son - Tributo a Matamoros", do cubano Alain Perez, que o ano passado esteve nomeado para um Grammy Latino, na categoria de Melhor Álbum Tropical Tradicional.

Os vencedores dos Grammys para a música latina serão conhecidos a 17 de novembro, numa cerimónia a ter lugar em Las Vegas.

Agenda:

24 de Setembro - Lisboa, Caixa Alfama

08 de Outubro - Seixal, Auditório Municipal do Seixal

09 de Outubro - Almodóvar, Festival Escritas do Sul

22 de Outubro - Sesimbra, Auditório João Mota

27 e 28 de Outubro - Caixa Luanda

04 de  Novembro - Ponte de Lima, Teatro Diogo Bernardes

12 de Novembro - Loulé, Ciclo Musical “Longe É Aqui

LILIANA MARTINS | "Meu Tempo"


"Meu Tempo” é o nome do novo álbum da fadista Liliana Martins, onde a artista faz uma viagem no tempo, e que será editado brevemente. A produção ficou novamente a cargo de Valter Rolo.

“Toma Conta de Mim” é o single de avanço do álbum, um tema original composto por Manuel Graça Pereira. A escrita esteve a cargo de Cátia Oliveira.

SMED FEST | Trofa

21/09/2016

OLD YELLOW JACK | Discurso Direto


Os Old Yellow Jack editaram recentemente "Cut Corners", o seu álbum de estreia. Produzido por Guilherme Gonçalves nos Blacksheep Studios, o disco tem o selo da Colado, label criada pelo grupo de Lisboa. Hoje em "Discurso Direto" são meus convidados os Old Yellow Jack.

Portugal Rebelde - É verdade que este disco marca uma viragem no som da banda?

Old Yellow Jack - Sim, acho que nos tentámos distanciar da cena psicadélica. Tentar fazer canções mais estruturadas.

PR - Qual é o tema que melhor representa o “espirito” deste disco?

OYJ - Beat Life, a música que fecha o disco. É como estar rodeado de ursos de pelúcia.

PR - Amanhã, apresentam no Musicbox, em Lisboa as canções deste disco. O que é que o público pode espera deste concerto?

OYJ - Vamos tocar pela primeira vez com um músico extra, Éder, o Percussionista. E também grande concerto de Alex Chinaskee e os Camponeses a abrir.

PR -Numa frase apenas como caracterizariam este “Cut Corners”?

OYJ - Lamber um favo de mel quentinho (e 8 cantigas solarengas).

PR - Para além da opção de lançarem discos por si mesmos, aproveitaram o arrastado período de gravação do novo disco para criarem também a vossa própria agência de bandas, a Colado. A que se fica a dever esta opção?

OYJ - Gostamos de outras bandas e queremos ajudá-las e ajudar-nos. Achamos que faz bem à saúde do panorama.



CAVE STORY | "West"

O percurso dos Cave Story ficou desde cedo definido, confundindo-se com as suas intenções bárbaras de avançar no panorama pop com a desenvoltura do post-punk e a energia incontível do indie rock: é em direcção à infame revolução em que dançar é condição inegociável. 

Editadas as primeiras aventuras discográficas em formato EP, o trio das Caldas da Rainha prepara-se para se estrear no formato longa-duração com "West", registo onde desbravam refrães com a urgência do rock sem pôr de lado a doçura pop que nos agarra e envolve em electricidade.

Percorrido Portugal de lés a lés com o EP de estreia na calha, os Cave Story preparam-se para levar a sua narrativa rupestre para outras paragens — “West” é o horizonte da banda das Caldas da Rainha, que vive o Ocidente, em Portugal e na Europa, como condição geográfica extrema, e encontra nestas canções o meio para expurgar medos e tédios. 

Agora com um novo enfoque nas cadências e ritmos pós-punk, o indie rock do trio desabrochou para uma pop orelhuda, onde as cores garridas destilam desprezo pelas lamentações juvenis, exactamente como exige a urgência e a rebeldia do rock.

Ao longo de doze canções, a pop dos Cave Story rasga sorrisos num bate-pé incessante, onde as intenções de tratantes como The Fall são expurgadas em revoluções dançantes de post-punk. Conforme ditam as regras, o trio faz questão não seguir directrizes.

Gravado nas Caldas da Rainha pela própria banda (excepto os temas “Body Of Work”, gravado nos estúdios Valentim de Carvalho em Lisboa com Luís Caldeira, e “Like Predicted”, gravado nos estúdios Sá da Bandeira no Porto por João Brandão).

“West”, um conjunto de música que eleva as noções e canções rock a delícia pop, é a afirmação definitiva dos Cave Story no panorama nacional. "West" será editado dia 28 de Outubro em cd pela Lovers & Lollypops e em vinil pelo Musicbox.

BLOOM | "Tremble like a Flower"


"Tremble like a Flower é o nome do primeiro disco de Bloom, compositor e cantor inglês prematuramente falecido que há cerca de três anos encarnou criativamente no cantor português JP Simões. "

JP Simões é o camaleão do cancioneiro nacional. Seja em Belle Chase Hotel, em Quinteto Tati ou a solo, Jp tem vindo, ao longo da sua carreira, a deixar-nos presos à cadeira. 

A bossa é o ponto de partida para a violência poética das suas palavras, da sua geração, da sua vida. Bloom é um rasgar com o passado, é cantado em inglês e acompanhado pelas contribuições de Miguel Nicolau, Marco Franco, Sérgio Costa e – ocasionalmente – Carlos Bica.

O disco, a ser editado em Outubro, tem concerto de apresentação marcado para dia 25 de Outubro, no Jameson Urban Routes, no Musicbox em Lisboa.

O single de avanço, homónimo, está já disponível para escuta aqui.

SEÑORITAS | "Acho Que É Meu Dever Não Gostar"

Señoritas é o novo projecto de Mitó Mendes (A Naifa) e Sandra Baptista (A Naifa / Sitiados). O álbum de estreia será editado pela Rastilho Records dia 23 de Setembro. 12 canções que giram em torno de um universo feminino, tendencialmente urbano.

Alinhamento:

01. Acho que é meu dever não gostar

02. 7 Pragas

03. Alice

04 . Nova

05. Solta-me

06. Confissão

07. Confesso

08. Os funerais são o casamento dos mortos

09. Medo

10. Ciática

11. A mão armada

12. Triste em mim


CAPTAIN BOY PREPARA DISCO DE ESTREIA


Captain Boy está neste momento a preparar o seu disco de estreia que tem lançamento agendado para Janeiro de 2017. Até lá o Capitão continua a navegar e a lançar âncora em alguns portos para apresentar o seu trabalho.

O próximo espectáculo será no dia 24 de Setembro na Fábrica das Palavras em Vila Franca de Xira. Segue-se um regresso à cidade berço no dia 8 de Outubro onde o Artista se vai apresentar no Festival Mucho Flow pelo segundo ano consecutivo. Dia 15 de Outubro Captain Boy leva o navio até Alcobaça, onde vai tocar no Books & Movies fechando a noite depois de Filho da Mãe.

Desde a saída do seu EP em 2015, Captain Boy já apresentou o seu trabalho em várias cidades, tendo passado por Lisboa, Porto, Guimarães, Braga, Leiria, Viana do Castelo, Tui, Ourense, entre outras.
O primeiro single do seu disco de estreia chama-se Tango, e pode ser ouvido aqui.

BRAGA MUSIC WEEK 2016

ANA MOURA E DJ RIDE NO FESTIVAL IMINENTE

20/09/2016

VIRA CASACA | Discurso Direto


Se este texto começasse com “Era uma vez,” estaríamos a contar que os Vira Casaca são uma banda formada em Santarém e que já detém no seu passaporte carimbos interessantes como o Bons Sons, o Festival Nova Música ou até mesmo o Rock in Rio, assim como os de vencedores do Festival de Música Moderna de Corroios ou das participações nas colectâneas “Novos Talentos Fnac”. "Rancho da Santa Fé" é o disco de estreia, que chegou recentemente às lojas. Hoje em "Discurso Direto" são meus convidados os Vira Casaca.

Portugal Rebelde - Antes de mais quem são os Vira Casaca?

Vira Casaca - Os Vira Casaca são compostos pelo João Correia, Afonso Carvalho, Rafael Caetano e Tiago Cordeiro. Somos um grupo de rock ribatejano sediado em Santarém. Existimos desde 2013 e este é o ano do lançamento do nosso primeiro disco intitulado de “Rancho da Santa Fé”.

PR - O principal motivo que desencadeou esta escalada surpresa foi a canção “Betinhas de Santarém” e o seu vídeo sui generis. Estavam à espera deste entusiasmo à volta desta canção?

Vira Casaca - Nós sentíamos que o tema que tínhamos em mãos era forte e que poderia eventualmente resultar. Assim sendo, decidimos fazer um teledisco e entramos em contacto com o Chico Noras, (parceria que voltamos a repetir no novo single “Amor não é tentação”). Quando lançamos as Betinhas de Santarém não esperávamos que o entusiasmo fosse tanto, ainda mais quando esta era a primeira música que os Vira Casaca lançavam. Foi um tiro no escuro e felizmente foi certeiro!

Portugal Rebelde - De que é que nos falam as canções deste “Rancho da Santa Fé”?

Vira Casaca - Os temas que compõem o disco abordam, resumidamente, a forma como fomos encarando a sociedade que nos rodeia. Existem temas de desamor, como é o caso do nosso primeiro single, Amor Não é Tentação, assim como temas mais sociais/interventivos, tais como as Betinhas de Santarém, D. Sebastião, Grécia, etc. Tentamos nunca nos descolar muito da realidade – somos, o mais possível, diretos e sinceros. Quanto gravamos o disco procuramos que este fosse o mais fiel possível àquilo que a banda soa ao vivo.

PR - No próximo dia 22 de Setembro, apresentam em Santarém (a vossa terra natal) as canções deste disco. O que é que o público pode esperar deste concerto?

Vira Casaca - Vamos tocar o disco na íntegra e ainda algumas versões que gostamos de fazer. Queremos proporcionar à nossa cidade um concerto cheio de boa música, força e genica. Não queremos passar indiferentes. Vamos dar tudo em palco, como sempre temos feito! Se prepara Escalabis!

PR - Numa frase apenas como caracterizariam este disco de estreia?

Vira Casaca - Este disco é o primeiro registo dos Vira Casaca - temos um som próprio, temos um jeito só nosso de exprimir o que pensamos e assim queremos continuar. Isto é apenas o começo!



VÍDEOCLIP | "Vinte eTrês" - Noiserv


Três anos depois da edição do último longa duração, noiserv regressa com disco novo. "00:00:00:00" é o nome do sucessor de “Almost Visible Orchestra”, e é descrito pelo músico lisboeta como “a banda sonora para um filme que ainda não existe, mas que talvez um dia venha a existir”.

É um disco diferente daquilo que noiserv nos tem habituado, a “orquestra de sons” que tão bem lhe conhecemos deu lugar ao som de um piano tocado a muitas mãos, enquanto da sua voz vemos sair, nos temas não instrumentais, histórias em português.

O artwork ganha uma posição de destaque onde a sua total transparência, de cor mas não de conteúdo, reforça a ausência do filme ainda por fazer com a história de qualquer um de nós. Oito canções perfazem "00:00:00:00", um dos discos mais conceptuais do músico lisboeta.

“Vinte e Três” é o segundo single, depois de em finais do mês passado ter sido apresentada a música “Sete”. O lançamento está marcado para o dia 28 de Outubro e o concerto de apresentação será a 10 de Novembro no Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa.

Com quase 12 anos de existência, noiserv, “homem-orquestra”, ou banda de um homem só, tem vindo a afirmar-se como um dos mais estimulantes projectos da nova geração de músicos portugueses.

No currículo conta com o bem sucedido disco de estreia “One Hundred Miles from Thoughtlessness” [2008], o EP “A Day in the Day of the Days” [2010], e “Almost Visible Orchestra” [2013], disco distinguido como melhor do ano pela Sociedade Portuguesa de Autores e recentemente re-editado internacionalmente pela editora francesa naive, casa mãe de projetos como Yann Tiersen, M83, entre muitos outros.

SÉRGIO GODINHO COM MÁRCIA NO FOLIO 2016


A anunciada passagem de Sérgio Godinho pela edição 2016 do “Folio – Festival Literário Internacional de Óbidos” no próximo dia 23 de Setembro ganha, com a confirmação de hoje, ainda mais um ponto de interesse – a cantautora Márcia junta-se ao rol de convidados que o “escritor de canções” terá no concerto que se realizará pelas 22.30h na Cerca do Castelo de Óbidos.

Esta apresentação, concebida em especial para o evento, terá na presença de Márcia seguramente um dos pontos altos da noite. Aliás, tratar-se-á de um “regresso” aos palcos da cantora depois de uma curta paragem motivada por maternidade. 

O interesse é ainda maior se atentarmos no que Sérgio Godinho afirma: “Conheço a Márcia desde o “Cabra-Cega”, e desde aí não cessei de me espantar com a enorme inspiração da sua escrita, a sua maneira especial de compor, a sua voz tão adequada às canções, e aquela serenidade graciosa com que pisa o palco. 

A importância deste festival literário mais do que justifica o convite que lhe fiz para cantarmos um par de canções, das minhas e das dela”. Uma delas, apostamos, será “Às vezes o amor”, tema original de Sérgio Godinho publicado em “Ligação Directa” e que Márcia recuperou numa versão minimalista no álbum “Voz & Guitarra II”.

Neste concerto, Sérgio Godinho terá na presença de Filipe Raposo ao piano a sua base instrumental – as canções, das mais antigas às mais recentes, ganham nova vida através da sensibilidade ímpar do instrumentista.

CARTAZ | Concerto

NARIZ ENTUPIDO & ALIENAÇÃO APRESENTAM

19/09/2016

MODA AMERICANA | "Singapura"


Oriundos de diversas esferas musicais, Afonso, Guilherme, Vítor (membros de Alice) e Hugo (Them Flying Monkeys) juntam-se a Nuno Fernandes para criar Moda Americana.

Os Moda Americana (Nuno Fernandes - voz, Afonso Matos - teclista e segunda voz, Guilherme Batista - guitarra, Hugo Luzio - bateria e Vítor Teixeira - baixo) são uma banda de rock alternativo de Lisboa com uma sonoridade psicadélica moderna e expansiva.

A lírica de Nuno Fernandes explora o quotidiano de forma fantasiosa e alegórica. A interação entre personagens surreais inspiradas no íntimo contacto com a natureza e o imaginário geográfico demarcado no seu single de lançamento, "Singapura", resultam numa viagem descomprometida pelo som da banda.

O videoclip do primeiro single do EP Singapura está já disponível nas plataformas digitais, estando a data de lançamento do disco apontada para 15 de Outubro. O concerto de apresentação do projeto decorrerá no final de Novembro.

VÍDEOCLIP | "Blue Chords" - Ditch Days


"Liquid Springs", o álbum de estreia dos Ditch Days, chega às lojas dia 23 de Setembro.  O segundo single e vídeo dos Ditch Days chama-se “Blue Chords”. O novo vídeo capta uma relação na sua fase descendente, que termina tão intensamente como quando começou. 

Dan encontra-se numa encruzilhada: deixar a sua vida para trás e fugir contrariado com Gabriel para Liquid Springs, ou manter-se fiel à sua vontade, sabendo que isso significa ver o seu companheiro partir para sempre.

A 23 de Setembro, os Ditch Days apresentam "Liquid Springs" no Sabotage, em Lisboa, e no dia 30 atuam no Plano B, no Porto.

VÍDEOCLIP | "Gaia Cósmica" - Octa Push


“Gaia Cósmica” é o novo single dos Octa Push e faz parte do álbum Língua, que já está disponível em formato digital, e será editado em formato físico no dia 23 de Setembro. “Gaia Cósmica” é lusofonia e conta com colaborações de Cachupa Psicadélica na voz e viola e João Gomes (Orelha Negra, Cais Sodré Funk Connection, Fogo Fogo) nas teclas adicionais.

“Gaia Cósmica” é uma música que fala de pessoas. Pessoas normais, sem privilégios, que trabalham e vivem a sua vida. Tema inspirado em sonoridades que vão do Brasil, a Portugal e Cabo Verde. Num álbum que fala de Liberdade, “Gaia Cósmica” é dedicada a quem a vive.

O vídeo do tema nasce há cerca de 1 ano após uma viagem às ilhas de São Vicente e Santo Antão. Dessa viagem surge o conceito para a temática da música, uma música que fala de pessoas e da sua energia. Na mitologia Grega, Gaia é a mãe-terra, e daí a utilização também de referências a esta. O videoclip foi realizado e editado por Leonardo Guichón, com ilustrações de Sara Feio.

CARTAZ | Concerto

18/09/2016

SIRAIVA | "Gentleman Takes Polaroids"


No rescaldo de um Verão quente, fazem-se contas de amores e música, é tempo de "Summertime Love feat. Josh Tobias".

O segundo single surge após o refrescante tema “You I Want feat. M. Maggie” com o primeiro álbum de Siraiva, "Gentleman Takes Polaroids" editado no dia passado dia 14 de Setembro.

PUTAS BÊBADAS + KEROX | Sabotage


Na próxima quinta-feira, 22 de Setembro, a Cafetra Records e a Xita Records têm encontro marcado no Sabotage. E não podia ser mais explosivo. De um lado, temos Putas Bêbadas, a banda mais corrosiva da Cafetra, formada por Leonardo Bindilatti, Miguel Abras, João Dória e Hugo Cortez. Do outro, Kerox, projecto a solo de António Queiroz (Ørtos / Migas), fundador da Xita e o principal experimentalista desta família.

DJ RIDE | Agenda


Agenda:

22 de Setembro - Feira de São Mateus, Elvas

23 de Setembro - Festival Iminente, Oeiras

24 de Setembro - Semana Caloiro, Monte Caparica

25 de Setembro - Out Fest, Cascais (live band)

07 de Outubro - Recepção Caloiro IPC, Guimarães

20 de Outubro - Recepção Caloiro, Lisboa (Beatbombers)

INFECTED FEST | Popular de Alvalade

17/09/2016

DEAD COMBO E AS CORDAS DA MÁ FAMA | Museu Arqueológico do Carmo


Tó Trips (guitarra) e Pedro Gonçalves (guitarras e contrabaixo) juntam-se ao trio Cordas da Má Fama (Carlos Tony Gomes, Violoncelo, Bruno Silva, viola de arco e Denys Stetsenko, violino) a 22 de Setembro nas Ruínas do Carmo, em Lisboa.

www.facebook.com/deadcombo

DITCH DAYS | “Liquid Springs”


Ditch Days nasce do desejo de dar forma ao imaginário de Guilherme Correia, José Crespo, Luís Medeiros e Rafael Traquino. Juntos, escrevem canções que traduzem o seu gosto pela estética despreocupada do rock alternativo dos anos 90, aliada à espacialidade do dream pop dessa mesma década e ao indie dos anos 00 em que cresceram.

As suas canções, de apurado sentido pop, preocupam-se, acima de tudo, em criar um universo onde caibam todas as referências visuais, sonoras e empíricas dos quatro jovens lisboetas. 

Mais do que música feita para cantar ou dançar, as guitarras oníricas e espaciais e os teclados maviosos presentes nas composições da banda aliam-se a samples emprestados de filmes e séries antigas e a linhas de baixo preocupadas em ficar no ouvido para materializar um imaginário onde a nostalgia, os sonhos e o meio envolvente são as palavras-chave.

“Liquid Springs”, álbum de estreia editado em Setembro de 2016, é a prova disso mesmo. Um lugar imaginado pela banda e pintado pelas nove canções que o compõem, onde os elementos mais exóticos co-existem com naturalidade junto de cenários urbanos. 

Ouvir o disco do início ao fim é realizar uma visita guiada a todos os cantos de Liquid Springs e um convite a passear por todas as suas praias, parques e avenidas, à boleia de melodias indie, ambiências envolventes e texturas cinematográficas.

Gravado e produzido por Miguel Vilhena (Savanna), entre Outubro de 2015 e Agosto de 2016, foi editado pela Pontiaq e precedido pelo single “Melbourne” (editado em Março e integrante da colectânea “Novos Talentos Fnac 2016”). Durante esse período, a banda marcou presença em palcos como o Festival Fnac Live, Festins e Indie Music Fest.

Os Ditch Days fazem o lançamento de “Liquid Springs” no Sabotage Club, em Lisboa, na próxima sexta-feira, 23 de Setembro, pelas 22.30h.

MONDA | Tivoli BBVA


Monda, o projeto que faz uma "abordagem contemporânea" ao cante alentejano, sobe ao palco do Teatro Tivoli BBVA, em Lisboa, dia 15 de Novembro.

Formado por Jorge Roque, Pedro Zagalo e Der Medinas, os Monda misturam a composição tradicional com novos sons da música do mundo.

Apesar de terem raízes culturais e músicas diversas, os três músicos têm em comum o Alentejo e a vontade de o cantar e tocar.


SARA SERPA E ANDRÉ MATOS | “All The Dreams”


A dupla de jazz Sara Serpa e André Matos acaba de lançar o seu segundo álbum de estúdio, “All The Dreams”, com o selo da norte-americana Sunnyside Records. “Espelho”, “Story of a Horse” ou “Estado de Graça” são alguns dos temas já conhecidos que integram este novo registo.

Para o sucessor do aclamado “Primavera” (2014), a dupla mantém o entusiasmo da experimentação, refina processos e da criatividade vivida em comunhão sai um conjunto de canções que nos fazem sonhar todos os sonhos do mundo, que afinal é só um.


RODRIGO AMADO & CHRIS CORSANO | Douro Jazz

16/09/2016

THE GIFT | "Love Without Violins (feat Brian Eno)"


É hoje apresentado o novo single dos The Gift, "Love Without Violins" (feat Brian Eno), com produção de Brian Eno, reconhecido produtor inglês e habitual colaborador de David Bowie, Talking Heads, U2, Coldplay, que trabalhou durante dois anos com os Gift naquele que será o novo álbum de originais da banda.

A primeira passagem desta nova canção deu-se na BBC Radio 6 e o tema encontra-se em pré-venda no iTunes a partir de hoje: https://itunes.apple.com/pt/album/love-without-violins-feat./id1151098092.

O lançamento oficial deste single está marcado para 30 de Setembro, data a partir da qual o tema passa a estar disponível em todas as lojas digitais e serviços de streaming.

Tal como o álbum, a lançar em 2017, "Love Without Violins" foi composto por Nuno Gonçalves e Brian Eno e misturado por Flood – reconhecido produtor de bandas como Depeche Mode, Pj Harvey, The Killers, Nick Cave, Sigur Ros, entre outros.

A letra de "Love Without Violins" é da autoria de Sónia Tavares e de Brian Eno e trata-se de um single que abre um caminho novo no som da banda. Uma busca pelo desconhecido e pelo improvável, algo sempre presente nas sessões do disco novo.

A ideia para "Love Without Violins" veio da arrepiante voz da Sónia. Ela canta num registo muito parecido ao meu (penso que se chama barítono), mas tem umas tantas oitavas pelo meio, ou seja, ela é quase um soprano dos barítonos. Como invejo essas oitavas dela. 

De qualquer forma, a Sónia estava a cantar este tema sobre esta negra e perigosa paisagem que não tinha muitas palavras no início, mas eu percebi logo e imaginei de imediato este diferente tipo de amor que estava a ser realizado.

A voz dela remete para uma mulher suprema, de uma confiança quase desdenhosa, alguém que gosta de jogar com pessoas que gostem de ser manipuladas.

Eu quis capturar esta ideia de um tipo de amor que não é, de todo, cor-de-rosa, querido e adolescente, mas que tem tons de controlo e rendição, um tipo de amor no qual as pessoas estão preparadas para atingir os limites da sua imaginação.”, explica Brian Eno.

Já Nuno Gonçalves, dos The Gift, caracteriza este período de trabalho no novo álbum como "o melhor momento da banda" e um "acordar de novo. Acordar sempre com vontade de mais. Terá sido esta a vontade do destino. Acordávamos sempre cedo. Durante dois anos acordámos sempre mais motivados. Trabalhar da forma que fizemos foi uma experiência única, intensa e sem grandes pressas acordávamos um pouco mais cedo daquilo que sempre soubemos ser um sonho. Um sonho acordado".

O single é o aperitivo para o novo álbum do quarteto que acaba de celebrar os 20 anos de carreira com uma digressão por todo o país.

VÍDEOCLIP | "Pivot" - Galgo

Já está disponível o novo single de "Pensar Faz Emagrecer", o disco de estreia dos Galgo a ser lançado na próxima semana via Sony/Blitz Records e com apresentação em concerto, a 29 de Setembro, no Musicbox em Lisboa. Recorde-se que os Galgo actuam amanhã no D'Bandada no Porto, às 21.30h no Café au Lait.

I LOVE MY LABEL - A EDIÇÃO INDEPENDENTE EM PORTUGAL | Documentário


A Antena 3 lançou um novo documentário da série "I Love My Label - A Edição Independente em Portugal", com a Omnichord Records como protagonista. São quinze minutos com muito ritmo onde se explica o movimento e se apresenta grande parte da família que é a editora. Uma criação de Rui Portulez com o Centro de Inovação da RTP Porto - Serviço Público.

/>