21/02/2017

BENJAMIM LANÇA DISCO BILINGUE EM PARCERIA COM BARNABY KEEN


"Warm Blood" é o primeiro de dois singles de apresentação de "1986", álbum feito a quatro mãos pelos dois escritores de canções, multi-instrumentistas e produtores Benjamim e Barnaby Keen

Keen é um músico britânico, mentor e membro de vários projectos do circuito underground londrino, entre eles os Flying Ibex (o seu projecto mais pessoal), e Electric Jalaaba, banda de carácter explosivo, largamente influenciada pelo Afro Beat, que partilha com dois irmãos e um amigo de infância.

As suas canções despertam a atenção dos ouvidos mais atentos: James Blake escolheu uma canção de Barnaby Keen para rodar na sua Mixtape para a BBC Radio 1 e Tom Ravenscroft destacou-o igualmente na BBC 6 Music. Colaborou com nomes como Andreya Triana, Kate Tempest, Kimberly Anne, Hudson Taylor e Bastille, para além de ter sido músico de sessão em estúdios como Abbey Road ou Church Studios.

Benjamim é já conhecido do público português por ter lançado o álbum "Auto Rádio" em 2015 e por ter produzido ou tocado em inúmeros discos de vários nomes relevantes do panorama musical do país como B Fachada, Lena d'Água, Márcia, Éme, Pista, Golden Slumbers, João Coração, Frankie Chavez, Cassete Pirata ou Flak, só para referir alguns.

Os dois músicos, nascidos em 1986, cruzaram-se pela primeira vez em 2012, num cinema de Brixton, no sul de Londres, e selaram amizade a partir do amor por um disco de Chico Buarque. Barnaby Keen viveu no Brasil durante seis meses, onde descobriu o amor pela língua portuguesa com sotaque brasileiro e pelos mestres do samba e da bossa nova.

A paixão comum por fazer música, pela gravação caseira e pela busca incessante das canções levou-os a encontrarem-se em Lisboa, cidade onde decidiram começar a fazer um disco que sintetizasse o universo musical de ambos – produto da mesma geração mas originária de contextos muito distintos. Um álbum que sintetizasse não só a estética e as influências de ambos, mas também a língua.

O álbum contém canções escritas por ambos os músicos na respectiva língua. É um exercício de reciprocidade e partilha: Benjamim faz coros em inglês das canções de Barnaby e este empresta o seu sotaque brasileiro quebrado para fazer vozes em português nas canções de Benjamim. E os dois tocam quase tudo nas canções um do outro, escolhendo o melhor das capacidades de cada um, seja no saxofone, no piano ou na bateria.

Para além dos dois músicos, participaram nestas gravações Sérgio Costa (The Millions, Belle Chase Hotel, Quinteto Tati, Real Combo Lisbonense) na flauta, Leon de Bretagne (Batida) no baixo e António Vasconcelos Dias nas vozes.

"1986" foi gravado em duas sessões no estúdio 15A, casa da Pataca Discos que o irá lançar em vinil e formato digital ainda antes do Verão.


RITA REDSHOES | "Mulher"


Mulher” é o novo single de “Her”, o mais recente disco de Rita Redshoes, editado em Novembro do ano passado. Com música e letra de Rita Redshoes, “Mulher” é um dos 3 temas em português do disco, uma estreia que tem sido muito bem recebida pelos fãs.

A canção nasceu de uma inquietação que foi crescendo à medida que também eu me fui tornando mulher. Senti-me e sinto-me inúmeras vezes, a medir espaços. Senti e sinto muitas vezes que os meus movimentos e voz são ignorados ou arrumados em caixas de preconceitos, por homens, mulheres e por mim mesma. Somos necessariamente diferentes e é isso que torna a vida rica, misteriosa e divertida. É uma canção em desabafo envolta num misto de orgulho e força”, diz Rita Redshoes sobre o novo single.

A digressão de apresentação de “Her” passa esta semana pelas maiores cidades do país, com um concerto no Porto, amanhã, na Casa da Música, e em Lisboa, quinta-feira, no Teatro Tivoli BBVA. Pela primeira vez Rita Redshoes encontra-se na estrada com um quarteto de cordas - com dois violinos, viola e violoncelo - e os dois músicos que a acompanham habitualmente Nuno Lucas, no baixo, e Rui Freire, na bateria.

Em "Her", Rita Redshoes envolve-nos nas suas histórias tendo por cenário os arranjos de cordas de Knox Chandler(que já colaborou com REM, Depeche Mode, Marianne Faithful, The Psychedelic Furs, Siouxsie and the Banshees ou Cyndi Lauper). Arrisca como nunca, ao deixar emergir os seus conflitos interiores, de forma subtil mas intensa, ao interpretar pela primeira vez três temas na sua língua materna e ao tocar mais instrumentos do que nos seus anteriores álbuns: piano, teclados, omnichord e guitarra acústica.

CARLÃO | “Agulha No Palheiro”


Agulha No Palheiro” é o novo single Carlão, um tema que que conta com a participação de Bruno Ribeiro na voz e produção de Kking Kong (que já haviam colaborado com Carlão em várias canções do disco de estreia “Quarenta”, editado há dois anos). A canção está disponível para compra online e nas plataformas de streaming.

Há um ano era lançado digitalmente o EP “Na Batalha”, com assinatura de Vhils no videoclipe oficial do primeiro single “A Minha Cena”, continuando a colaboração iniciada com a capa icónica que criou para “Quarenta”.

Carlão colaborou ainda com Boss AC no tema “E Se Fosse Consigo?”, genérico do programa de Conceição Lino que liderou as audiências do canal televisivo SIC.

Com perto de 100 concertos, a Tour Quarenta 2015/2016 passou pelos principais festivais nacionais, para os quais foi preparado um espetáculo diferente, que contou com alguns dos convidados especiais que participaram no disco, como Sara Tavares e Dino D’Santiago e ainda o companheiro de 5-30, Sam The Kid.

Em 2017, Carlão renova o espetáculo e continuará na estrada com os seus habituais companheiros: DjGlue – DJ, Nuno Espirito Santo – baixo, Gil Pulido – teclas e Bruno Ribeiro na voz.

OSSO VAIDOSO | Agenda


Agenda:

24 de Fevereiro - Lisboa,Titanic Sur Mer (21.30h)

25 de Fevereiro - Setúbal, Casa da Cultura (21.30h)

www.facebook.com/Osso-vaidoso-121872484552480

BED LEGS | Sons de Vez


20/02/2017

OMNICHORD RECORDS COMEMORA 5 ANOS DE CANÇÕES


Há cinco anos havia uma série de miúdos a quererem fazer música em Leiria. Ao longo desta meia década, onze projectos musicais da cidade foram associando o seu trabalho a este movimento, fazendo parte de uma família que é uma editora e ao mesmo tempo agência e promotora, e que nos últimos anos lançou mais de 15 discos e marcou concertos com esses projectos para mais de 50 festivais em oito países.

Para comemorar o 5º Aniversário, a Omnichord Records lança um tema composto em conjunto por cinco pessoas de diferentes projectos da editora e anuncia o lançamento de uma caixa de 5 vinis personalizados para a Record Store Day de 2017 .

A música inédita, "Second Hand Battle", é uma colaboração conjunta entre os dois elementos dos Few Fingers com Surma, Luís Jerónimo (dos Nice Weather For Ducks) e Paulo Mouta Pereira (habitual técnico e produtor da Omnichord e músico de David Fonseca).

BUDDA POWER BLUES & MARIA JOÃO | Torres Novas


O Teatro Virgínia, em Torres Novas, recebe no dia 4 de Março, a partir das 21.30h, os Budda Power Blues e Maria João, com The Blues Experience.

Neste concerto, Maria João, uma das mais reconhecidas cantoras portuguesas, atravessa a fronteira entre o jazz e o blues mostrando que o seu talento não é redutível a fronteiras musicais. Maria João é acompanhada nesta viagem por uma das grandes bandas do blues português - Budda Power Blues. Este trio é liderado por Budda, considerado um dos melhores e mais carismáticos guitarristas de blues portugueses, dono de uma técnica apurada, de uma voz cheia de soul.

Após alguns concertos juntos, Budda Power Blues e Maria João decidem unir esforços e talentos na criação de um disco «a dois». Budda assume as composições e letras e Maria João empresta a voz e todo o seu talento, para um disco intitulado Blues Experience. Trata-se exatamente de uma experiência no mágico universo dos Blues onde Maria João deixa cair o seu registo icónico para se apoderar das canções e dar vida às letras, muitas das vezes em dueto com Budda, considerado o melhor músico de blues do país.

A rudeza de Budda Power Blues alia-se à delicadeza de Maria João, encontrando-se algures num meio termo para criar uma sonoridade própria e especial.

Falamos de um disco de Blues, mas desengane-se quem possa pensar que se trata de um exercício de estilo. Trata-se de blues do século XXI, amplamente influenciado por todas as sonoridades que fazem parte do quotidiano de Maria João, Budda, Nico Guedes e Pedro Ferreira, os quatro intervenientes deste disco.

Composto por 10 canções que versam sobre assuntos muito pessoais e frequentemente autobiográficos, "Blues Experience" é um disco que percorre várias linguagens dos blues, resultado do desafio lançado por Budda a Maria João.

Os bilhetes custam 7,5€ (descontos aplicáveis) e podem ser adquiridos na bilheteira do Teatro Virgínia ou online em https://www.bol.pt/Comprar/Bilhetes/44480-the_blues_experience_budda_power_blues_maria_joao-teatro_virginia/

JONNY ABBEY | “Unwinding”


Depois de 3 singles de introdução, um deles pertencente à colectânea Novos Talentos Fnac 2016 (“So Far”), e o mais recente (“White”) lançado com o carimbo exclusivo Antena 3, finalmente chega o aguardado longa duração de Jonny Abbey, “Unwinding”.

As 10 faixas do disco reflectem a vibrante cena musical presente na vida da cidade do Porto e levam-nos a viajar por ambientes alternativos, mantendo sempre a vertente “catchy” do estilo Synth-Pop. Contam também com participações de Lewis M. (Luis Montenegro de Salto e Rapaz Ego), inFeathers e Sandra Martins.

Retratam as vivências directas dos últimos 2 anos de Jonny Abbey, englobando tudo o que lhe fez sentir algo, todas as pessoas que tiveram impacto e todos os momentos importantes que o marcaram.

É um disco de edição de autor, o que permitiu ao artista controlar todos os passos do processo, como a composição, interpretação, gravação, mistura e edição. O disco foi gravado e misturado nos estúdios “O Silo” e masterizado por Andrés Malta.


DULCE PONTES | "Peregrinação"


"Peregrinação" é o mais recente projecto de Dulce Pontes. Cantado em português, castelhano, galaico-português e com um tema em inglês, 

"Peregrinação" reflecte a vivência da artista, conciliando harmoniosamente diferentes autores e estilos musicais. Para descobrir dia 10 de Março no Teatro Tivoli BBVA, em Lisboa.

CARTAZ | Concerto

19/02/2017

TEATRO SÁ DA BANDEIRA RECEBE CARNAVAL BURLESCO

O Teatro Sá da Bandeira, no Porto, acolhe dia 27 de Fevereiro, das 23.00h às 06.00h, Um Carnaval Burlesco, uma festa de Carnaval encenada como espetáculo de variedades, alternando shows de burlesco com música ao vivo, animação de bailarinas ao som de vários DJs com componente visual acrescida por VJing em live act (edição de imagem em tempo real).

Um Carnaval Burlesco será um Carnaval boémio, com a magia e sedução das dançarinas Lioness Burlesque, capazes de incendiar almas e corações e recriar um cabaret no palco de um teatro; um Carnaval Rock’n’Roll, com a música ao vivo dos A Kind of Queen, banda de tributo a Freddie Mercury e companhia, que irão atravessar a noite en full-regalia, dando vida aos seus heróis e às suas canções; um Carnaval loucura, com Manuel João Vieira, o mago por detrás dos Ena Pá 2000 e dos Irmãos Catita, o eterno Candidato Vieira, em versão alter-ego “Ivan, o DJ”, na expectativa que cante algumas canções também; um Carnaval com "alma", com a elegância, encanto e talento de Diana Martinez, a belíssima diva de Soul portuense, capaz de comandar os pratos num set de DJ único, porque abrilhantado pela sua voz; um Carnaval diversão, com a música de RPP (festas Degradê) e de Ricardo Salazar (Rádio Bar), juntamente com o internacionalmente premiado VJ Pixel Bitch, preparados para fazer o Teatro Sá da Bandeira vibrar e dançar.

Será noite de Carnaval e espera-se que ninguém leve a mal, no entanto, porque as imagens de Pixel Bitch podem conter cenas de nudez explícita, reserva-se a entrada a maiores de 18 anos.

VÍDEOCLIP | "Eu Fico Bem" - Reflect


"Eu fico bem. É assim que Reflect renasce quatro anos depois do seu mais recente álbum. É numa ida até à ponta do molhe que a decisão acontece. Mergulhar e desistir, ou ficar.

Nesse conflito interno, há uma divisão em dois cenários possíveis (imaginados). A corrida em desespero até ao último salto, e a corrida em direção à vida - a uma segunda oportunidade de ser feliz.

No cubo onde se cruzam estas duas realidades, existe um espaço mental onde há uma luta entre a luz e a sombra. Mas no fim, o equilíbrio entre o corpo e a mente faz com que as duas energias opostas se unam. " (Laura Abel)


DANIEL MOON | "Be Different"


Depois do radioso “Give More” nos ter colocado na órbita pop luminosa de Daniel Moon, é tempo do cantautor lisboeta dar a conhecer as restantes canções que compõem “Be Different”, o segundo EP do seu percurso que chega com a chancela da Music For All.

Composto por cinco temas que exploram o potencial da canção pop em formato jazzístico, num harmonioso diálogo de sopros, metais e teclas, o registo já se encontra disponível para pré-venda em formato digital.

JACKIE D. EM CONCERTO

18/02/2017

LINCE À SOLTA NO LISBOA DANCE FESTIVAL


Sofia Ribeiro é LINCE. Depois de passagens por projectos mais pop, como We Trust, LINCE é a prova de como a música eletrónica pode ser delicada e profunda.

LINCE atua dia 11 de Março no Palco Clube Antena 3, no Lisboa Dance Festival, que acontece na LX Factory, nos dias 10 e 11 de Março.


MÍSIA | 25 Anos de Canções


Mísia celebra 25 anos de carreira em 2017 através de uma série de iniciativas, que olham tanto para o seu amplo percurso como para o futuro que se ergue à sua frente.

O Museu do Fado e a fadista programaram uma residência artística no Museu do Fado que tomará conta da segunda quinzena de Março. Com esta iniciativa Mísia pretende encontrar-se com o seu público para sessões íntimas ao final da tarde que cruzarão histórias de carreira, conversas sobre os seus álbuns, referências e interpretações de temas chave da sua já vasta discografia. 

Esta será uma oportunidade singular e imperdível para que a cantora se encontre com o seu público – o de sempre e o que agora a descobre – em momentos de partilha que dirão muito sobre a sua personalidade e forma de pensar a música, a arte e a vida.

Em paralelo a estes encontros, estará patente no Museu do Fado uma mostra fotográfica com curadoria do Museu do Fado e do fotógrafo que mais vezes olhou para Mísia e que a retratou como um moderno ícone do Fado, Francisco Aragão. A exposição inaugurará a 14 de Março e estará aberta ao público durante um mês.

A 19 de Maio, Mísia assinará outro importante momento deste ano de celebração. Um concerto dedicado aos “seus” poetas. A fadista apresentará um novo e requintado espectáculo, agarrando no rico repertório de fado tradicional e adornando-o com poemas escritos para a sua voz por alguns dos mais importantes poetas e escritores contemporâneos, como Agustina Bessa-Luís, Vasco Graça Moura, Lídia Jorge, Hélia Correia, Mário Cláudio, José Luís Peixoto, Paulo José Miranda ou José Saramago. Autores de excepção, que viram na voz de Mísia um veículo ideal para os sentimentos contidos nos seus textos.

Há também neste especial espectáculo palavras que Mísia acredita que lhe definem o seu universo, escritas por autores já desaparecidos, mas eternamente presentes como Fernando Pessoa, Natália Correia, Florbela Espanca, António Botto, Mário de Sá Carneiro, Carlos Drummond de Andrade, Antonio Tabucchi ou a eterna Amália Rodrigues.

E tal como Amália antes de si, Mísia também soube construir uma extensa lista de relações entre a sua voz e a melhor poesia: são fundas as palavras a que a sua voz gosta de se entregar, é plena a sua devoção ao fado que aprendeu dos maiores símbolos do género e arrebatador o talento que possui para se posicionar algures entre a tradição e o futuro, mercê da sua busca incessante pelos melhores poemas para nos traduzirem a alma e os anseios, as paixões e os lamentos. 

Este espectáculo vai marcar o reencontro de Mísia com os "seus" poetas e da sua música com um público exigente e conhecedor que nunca se cansou de a aplaudir.

CATARINA ROCHA | "Novo Mar"


Catarina Rocha iniciou a sua carreira no fado em 2012, depois de ter terminado os seus estudos (mestrado em Turismo e Desenvolvimento de Negócios, no Porto). Desde 2012, a artista tem feito espetáculos pelo país.

“Novo Mar”, single que anuncia o seu álbum de estreia, é um tema cheio de alegria que fala de um amor marinheiro que andou pelo mundo, mas voltou para ficar; com letra de Fernando Gomes dos Santos e música de Valter Rolo.

O álbum “Luz”, foi produzido pela Tejo Music Lab com a coordenação de Diogo Clemente. É composto por 10 temas (5 originais, 3 versões e 2 fados tradicionais). O disco contou com a participação de músicos de renome no Fado: Guilherme Banza (guitarra portuguesa), Marino de Freitas (baixo), Vicky Marques (percussão), Diogo Clemente (viola clássica) e Valter Rolo (teclados).

É um álbum cheio de Luz, com frescura e leveza, mas ao mesmo tempo com temas muito fortes, que para além dos autores de “Novo Mar”, conta também com outros autores e compositores de renome, como Tiago Torres da Silva, Manuel Graça Pereira, Cátia Oliveira, José Gonçalez, e temas da autoria de Catarina Rocha.


ANA E GOBI BEAR NA RTP2


Gabriel Salgado, ou Ana, deu um salto aos estúdios da ESECTV, onde falou um pouco sobre si e tocou alguns temas, um deles inédito. Começa assim a construir-se a estrada para o próximo disco. O programa passou na RTP2 e está agora disponível no youtube.

Gobi Bear continua a apresentar os temas do seu EP homónimo. Aproveitou também uma ida à ESECTV para falar também um pouco sobre o que está por detrás do álbum. O programa passou na RTP2 e está agora disponível no youtube.

THE PARTISAN SEED | "...And We're Finally Here"


A honeysound em conjunto com a Nädja, acaba de disponibilizar uma edição especial em formato CD-mp3 (à semelhança de "Clay For The Working Hands", 2010) com os últimos álbuns de The Partisan Seed já esgotados: "SpiritWalking", "Angels On The Boardwalk" e "Film".

O disco tem como título "...And We're Finally Here". A fotografia da capa é da autoria de Patrícia Pinto. O CD está apenas disponível em concertos ou através do Bandcamp e da Indiependente. Para encomendar: www.honeysound.bandcamp.com.

KIKA | “Love Letters”


“Love Letters”, o muito aguardado segundo álbum de estúdio da jovem estrela pop Kika já está disponível em regime de pré-venda em todas as plataformas digitais, sendo que será editado no próximo dia 24 de Fevereiro. Acaba também de ser revelado o terceiro single deste “Love Letters”, intitulado “Take Me To The Other Side”.

“Take Me To The Other Side” sucede-se assim a dois êxitos que criaram um grande entusiasmo em torno deste regresso de Kika aos álbuns de originais. “If This Is Love” foi o primeiro single retirado de “Love Letters”, tendo sido composta em parceria com Vicky Montiel e Aleena Gibson, que a cantora conheceu através do produtor RedOne (Lady Gaga, Nicki Minaj), com quem já tinha trabalhado no single “Guess It’s Alright”. “Colorblind” é o título do segundo single, sendo uma das canções mais tocadas nas rádios atualmente.

Os vídeos oficiais dos singles “If This Is Love” e “Colorblind” já ultrapassaram 1 milhão de visualizações no YouTube, confirmando o fenómeno de popularidade em torno de Kika, além de terem integrado, respetivamente, as bandas sonoras das telenovelas “Massa Fresca” e “Amor Maior”.

17/02/2017

MÃO MORTA + REMIX ENSEMBLE | "Nós Somos Aqueles Contra Quem Os Nossos Pais Nos Avisaram"


2017 promete ser o ano de Mão Morta e a banda bracarense desafia-se agora a explorar a sua faceta mais experimental e contemporânea.

Quando o Theatro Circo convidou os Mão Morta a criarem um espectáculo especial para o encerramento das comemorações do seu centésimo aniversário, abriu uma porta de quase infinitas possibilidades. Mas a banda decidiu de imediato que a singularidade do espectáculo a apresentar se iria basear na exploração musical do seu reportório, através de uma abordagem que criasse desafios aos músicos e à essência da própria obra. 

Era essencial um parceiro com quem pudessem interagir numa abordagem exploratória do seu reportório, descobrindo cumplicidades, partilhando intentos, dirimindo confrontos, dentro de uma linguagem musical tornada comum pela contemporaneidade. 

E o único agrupamento de música erudita com as características necessárias para isso, pela sua prática de interpretação de obras contemporâneas e capacidade de improvisação, era o Remix Ensemble, a Sinfonieta de 15 elementos da Casa da Música, considerado um dos melhores agrupamentos do mundo no género.

Isso fez, como pretendido, que cada um dos quatro concertos realizados – no Theatro Circo, em Braga, no Convento de São Francisco, em Coimbra, na Aula Magna, em Lisboa, e na Casa da Música, no Porto – fosse um momento irrepetível e um discurso musical invulgar e único na sua natureza emotiva. 

É a cristalização do primeiro momento, no Theatro Circo, que este disco apresenta, deixando perpassar toda a emoção do encontro improvável entre essas duas entidades tão distintas e de origens tão diametralmente opostas como são os Mão Morta e o Remix Ensemble, a reflectir a subversão da divisão entre erudito e popular e dos preconceitos académicos e populistas que instigam a desconfiança mútua entre os dois universos.

“Nós Somos Aqueles Contra Quem Os Nossos Pais Nos Avisaram – ao vivo no Theatro Circo” é um disco (duplo) com 14 faixas e edição agendada para 24 de Fevereiro. Uma obra que revisita temas dos diversos álbuns da banda bracarense e inclui ainda um tema inédito, o primeiro, "Abertura", da autoria de Telmo Marques. Temas que aqui ganham uma complexidade e uma dinâmica de música erudita contemporânea, repleta de pormenores sonoros e de densidades espectaculares.

A edição da obra em duplo cd já está disponível em pré-venda no Theatro Circo de Braga. A edição em triplo vinil está disponível em pré-venda na Fnac.

A 23 de Fevereiro, os Mão Morta são os convidados no programa “No Ar”, em exibição na RTP2.

VÍDEOCLIP | "Primavera" - Marvel Lima


Após a contagiosa “Fever”, os Marvel Lima lançam agora, em pleno inverno, o videoclip de “Primavera”, realizado por David Tutti dos Reis e produzido por Until We Film.

A terceira aposta do homónimo álbum de estreia do quinteto de Beja cruza reminiscências rítmicas de Fela Kuti com riffs que podiam ter surgido no Electric Ladyland de Jimi Hendrix, causando um movimento de anca obrigatório a quem o ouve.

MASTIKSOUL | "Livre (feat. Mariza)"


Depois do ano de 2016 com êxitos como "Good For You" e "Gasosa", com colaborações com artistas de renome como Shaggy, Pitt Bull e Gene Noble, Mastiksoul junta-se a Mariza, considerada pelo jornal britânico ‘The Gardian’, "uma diva da música do mundo".

"Livre" combina sonoridades à partida opostas, onde a batida eletrónica marca o ritmo de uma luta e o fado acrescenta-lhe o poder da mensagem, da semântica da palavra.

A frase "Hoje sou livre", repetida ao longo da música apresenta-se como um grito de Ipiranga dos Direitos das Mulheres, caminho longo que, apesar das várias conquistas, esbarra numa atualidade cada vez mais dobrada sobre si própria, onde as discrepâncias sociais se acentuam mais do que nunca.

"Livre" canta em português uma luta mundial que sofre diariamente retrocedimentos e que a cada dia que passa, se soar mais um ‘Sou livre para dizer basta/ Livre como quem se afasta/ De um sentimento que me arrasta/ Para longe do que eu quero dar’ então ainda há esperança na humanidade.

Um encontro de dois gigantes da música portuguesa que levam além-fronteiras o que de melhor conseguem fazer. Se por um lado Mastiksoul, um dos top produtores mundiais, leva o melhor da dance music, com presença confirmada nos melhores festivais e eventos nacionais e internacionais, por outro, Mariza leva o seu fado na língua de Camões às maiores salas de espetáculo do mundo: Paris Olympia, Frankfurt Opera, London Royal Festival Hall, Amsterdam Le Carré, Barcelona Palau de la Música, Sydney Opera House, New York's Carnegie Hall e Los Angeles Walt Disney Concert Hall (neste último com cenografia desenhada pelo aclamado arquiteto Frank Gehry).

Mariza, embaixadora da candidatura da elevação do Fado a Património Mundial pela UNESCO, e embaixadora de Boa Vontade na UNICEF, uma das maiores vozes do Fado conta com colaborações com Lenny Kravitz, Sting, Jacques Morelenbaum, John Mauceri, José Merced, Miguel Poveda, Gilberto Gil, Ivan Lins, Cesária Évora, Tito Paris, Carlos do Carmo e Rui Veloso.

Ao longo de 16 anos de carreira, Mariza vendeu mais de dois milhões de discos com prémios e honras que incluem BBC Radio 3 ‘Best World Music Artist’ (2003), Womex ‘Best Artist’ (2014), Songlines ‘Best Album’ (2015). Songlines ‘Best Artist (2016), Latin Grammy Nomination (2016).


GISELA JOÃO | Coliseus do Porto e Lisboa

16/02/2017

SUNFLOWERS | Discurso Direto


Depois de se estabelecerem como uma das bandas promessa na música portuguesa, os Sunflowers lançam o seu primeiro álbum "The Intergalactic Guide to Find the Red Cowboy", que assumem ser o seu lançamento mais barulhento e repleto de fuzz até ao momento. Há uma constante energia nas suas músicas que deixam transparecer influências que vão desde o punk e a corrente psicadélica dos anos 60 até ao clássico rock and roll e música surf dos anos 50. Hoje em "Discurso Direto" recebemos a banda mais bonita e selvagem a sair do amial.

Portugal Rebelde - Os Sunflowers são tudo o que não se espera: rock garageiro sujo e suado a bater no vermelho. É tudo isto que podemos descobrir no álbum "The Intergalactic Guide to Find the Red Cowboy"?

Sunflowers - Sim, é possível encontrar descargas de adrenalina na sua forma sonora, repletas de picos de distorção que moldam e derretem a mente dos ouvintes.

PR - 2017, será também o ano em que a banda inicia o seu percurso internacional. Para começar teremos a edição deste disco (CD/Vinil) em França. Gostariam de levar as vossas canções a outros públicos?

Sunflowers - Sim, gostávamos de tocar para os mais diversos públicos, de maneira a obter fama e respeito noutras partes do globo.

PR - Qual é a canção que melhor caracteriza o “espírito” deste álbum?

Sunflowers - Pergunta difícil... Talvez seja a faixa que dá nome ao álbum, devido à sua mudança de emoções e quebras sonoras.

4. Numa frase como caracterizariam este disco?

Sunflowers - Odisseia punk de uma banda de garagem.

PR - Para terminar, no próximo dia 10 de Março apresentamas canções deste disco no Zona Livre Associação Cultural em Vila Real. O que é que o public pode espwerar deste concerto?

Sunflowers - Um concerto energético, ao nível dos filmes da saga “Velocidade Furiosa”.


MOULLINEX OPEN HOUSE US TOUR


A tour Norte-Americana de Moullinex continua com dois elementos da família: Xinobi e Da Chick vão acompanhar o músico e produtor pelos estados unidos em 5 datas em Los Angeles, São Francisco, Nova York e Washington.

Moullinex está de volta às edições e concertos em 2017, com o lançamento de uma nova música com mira bem apontada à pista de dança. E se “Open House” é indicativa da direcção do seu novo álbum, a sair já este ano, então podem estar certos: o caminho para o novo álbum é para ser percorrido a dançar.

2017 marca também os 10 (dez) anos da Discotexas, editora criada por Moullinex e Xinobi. Para além do lançamento dos novos álbuns de ambos há muitas outras edições previstas para a celebração desta efeméride.

Agenda:

15 de Março - Austin TX, SXSW

16 de Março - Los Angeles, The Echo

17 de Março - São Francisco, Neck of the Woods

18 de Março - Nova York, Baby's All Right (com participação especial de GPU Panic)

20 de Março -Washington, Songbird Music House

FOQUE | "Yes, Sir"


Foque, assim se intitula o projecto a solo de Luís Leitão. Este apresenta-se com um heterónimo para onde canaliza todo o seu trabalho musical. Com projetos como músico (Samsara)/produtor(Caligula) num futuro próximo surge a necessidade de f o c a r tudo numa só coisa.

É um projeto que nasce da necessidade de ter independência musical e de largar, não as guitarras nem as baterias convencionais, mas o rock em geral, onde havia estado embrenhado grande parte da sua vida.

De espada e pena na mão trabalha a electrónica, as melodias digeríveis e as ausências e p r e s e n ç as e x c e s s i v a s . Samplando-se a si próprio e colaborando com todo o tipo de artistas, promete tomar o ano de 2017 de assalto.


VATSUN | Agenda


Agenda:

28 de Abril - Livraria Ler Devagar, Lisboa

13 de Maio - Teatro Praga, Lisboa

www.facebook.com/vatsun.music

SONORIDADES | Santo Tirso

MIGUEL ARAÚJO | Casa das Artes de Famalicão

15/02/2017

ANARCHICKS | "Vive la Ressonance"


As Anarchicks preparam-se para lançar um novo EP, intitulado "Vive la Ressonance", em que dando continuidade ao som a que já nos habituaram, apontam outras pistas sonoras, que incluem um tema cantado em português, bem como uma versão do emblemático "Helter Skelter" dos Beatles.

O disco será apresentado no Sabotage (Lisboa) a 25 de Fevereiro!

RIDING PANICO | "Rabo de Cavalo"


O novo disco dos Riding Panico, "Rabo de Cavalo" chega ao mercado na segunda quinzena de Março e Marca o regresso do colectivo às edições de originais. 

Gravado, misturado e masterizado no HAUS estúdio, o novo registo constrói-se em torno de oito temas que reafirmam o espaço de culto que os Riding Panico assumiram no rock instrumental nacional.

MAHALA | Curta Documental sobre o Coletivo Afrobeat Cacique´97


"Mahala" curta documental sobre o colectivo de afrobeat Cacique'97, fará parte da programação do Talkfest'17 - International Music Festivals Forum, secção Documentários, dia 9 de Março no Museu das Comunicações, em Lisboa.

Recorde-se que Mahala ganhou o Prémio do Público no Festival MuviLisboa 2015. O trailer pode ser visto aqui.

VEENHO | "Veenho"


Foi numa garagem algures em Belém que os amigos António (na guitarra e na voz), Martim (na bateria), Tó Bea (na guitarra) e Xixo (no baixo) começaram a tocar de modo irregular durante o Inverno de 2014, como que a fingir que era Verão e estavam num moshpit suado do The Smell (Los Angeles) no mítico ano de 2009. 

No início do Verão de 2015, a banda começa a ensaiar frequentemente, surgindo o nome Veenho da união de conceitos como a vizinhança e a bebida sacra, que é da mesma homofonia.

Entretanto, por casualidades da vida,Tó Bea acaba por abandonar o projecto, entrando Valera na guitarra. O som do grupo é militante do garage rock moderno de várias geografias, não fossem estes rapazes fãs de sonidos como Dead Ghosts, The Parrots, Os Passos Em Volta, Filipe Alvim ou Lê Almeida. 

Em Dezembro de 2015, gravaram em take directo, sob produção e alçada de Filipe Sambado, um EP de cinco faixas com títulos deliciosos como “Paracetamol” ou “Saideira”, sendo que a sua edição (em cassete, claro) é assumida pela frenética Xita Records.

UHF SINFÓNICO

14/02/2017

PZ | "Império Auto-Mano"


Depois de ter enviado as “Mensagens da Nave-Mãe”, em 2015, eis que PZ apresenta o “Império Auto-Mano” para contra-atacar as hordas globalizadas pelo sistema vigente.

O caos moderno é reorganizado em pacotes de géneros musicais que vão do techno ao hip-hop, uma espécie de electrónica “taylorizada” à medida dos temas que compõem este objecto meio pop, meio estranho, e totalmente português.

O "Império Auto-Mano" já está à venda na Meifushop, a loja online da Meifumado, em CD e Mp3 (320k). Na compra do CD recebem imediatamente a versão MP3. Entretanto, o álbum vai chegando às plataformas digitais e já pode ser ouvido no Spotify, e iTunes. O CD chega às lojas a 20 de Fevereiro.

Concertos de Apresentação:

17 de Fevereiro - Porto, Plano B

18 de Fevereiro - Famalicão, Casa das Artes

24 de Fevereiro - Coimbra, Salão Brazil

25 de Fevereiro - Lisboa, Musicbox Lisboa

L MANTRA | "L Mantra"


Chegou ontem ao mercado nacional o álbum de estreia homónimo do duo lisboeta indie-folk L mantra. Canções de carácter intimista, para escutar junto à lareira, nas vozes-cobertor de João Teotónio (ÖLGA e Yu John) e Madalena Palmeirim (projecto em nome próprio e nome comum).

O álbum, que apresenta 9 temas cantados em inglês, foi produzido e gravado por Pedro Magalhães (aka MagaSan) e masterizado por Eduardo Vinhas no estúdio Golden Pony, em Lisboa. À guitarra e voz de João Teotónio, juntam-se os teclados e a voz de Madalena Palmeirim, criando uma harmonia captada maioritariamente em take directo.

O álbum homónimo está disponível para download na respectiva página do bandcamp (https://lmantra.bandcamp.com).


MEDEIROS/LUCAS | Musicbox


Pelo meio das ideias peregrinas de muros entre povos e dos discursos de medo que assolam o mundo, Medeiros/Lucas rodeiam-se de amigos e vão ao Musicbox para um concerto especial a 8 de Março. 

As névoas marítimas de “Mar Aberto” e a fisicalidade política de “Terra do Corpo” dão o mote para um espectáculo que recriará alguns dos temas da banda. Mitó Mendes (Señoritas, A Naifa), Jibóia e o baterista Ricardo Martins são convidados a subir a palco com o Carlos Medeiros, Pedro Lucas, Augusto Macedo e Ian Carlo Mendoza, numa noite que contará com mais surpresas, a anunciar em breve.

O concerto assinala um ano do lançamento de “Terra do Corpo, o segundo disco de Medeiros/Lucas, e marca o arranque da tour de Primavera do colectivo. O projecto, liderado por Pedro Lucas, prepara-se assim para dar início aos trabalhos do novo disco que, encerrando a trilogia iniciada em 2015, contará novamente com a colaboração do escritor João Pedro Porto.

Os bilhetes já se encontram encontram àvenda na bilheteira online, Musicbox e locais habituais por 5 euros.

JIMMY P CONTRA A VIOLÊNCIA NO NAMORO


Jimmy P apresenta hoje o projecto pedagógico de combate à Violência no Namoro - “Amar-te e Respeitar-te”. O lançamento desta campanha de interacção e proximidade com os jovens, promovida pela betweien em parceria com Jimmy P, coincide com a comemoração do Dia dos Namorados, e será hoje na Escola Secundária Vergílio Ferreira, em Lisboa.

O projecto assenta num livro, com três histórias sobre Violência No Namoro, e espaço em branco para, a partir dos instrumentais com letra de Jimmy P sobre esta temática, disponíveis para descarga no site da campanha, os alunos escreverem as suas próprias letras, criando versões alternativas das canções originais.

“Amar-te e Respeitar-te” é um projecto pedagógico que visa capacitar e dotar os/as jovens de ferramentas de diagnóstico e prevenção de comportamentos agressivos nas relações de namoro. O livro conta ainda com um capítulo de apoio à preparação de uma campanha de sensibilização sobre a problemática, tendo o projecto vários formatos para se apresentar nas escolas portuguesas.

RÃO KYAO | "Sopro de Vida"


Neste projecto, Rão Kyao recolheu temas de acordo com a progressão do ano litúrgico e procurou, simultaneamente, ordenar os temas ao ritmo da celebração eucarística, com temas que nos tocam pela sua simplicidade, profundidade devocional e riqueza melódica, através de uma flauta de bambu e acompanhado pelo órgão de Renato Silva Júnior.

11 Março - Igreja Mosteiro da Batalha ( Mosteiro Santa Maria da Vitória ), 21.00h

Entrada livre!

DUARTE PREPARA EM ESTÚDIO NOVO DISCO


O fadista Duarte encontra-se a gravar o seu novo disco no estúdio Pé de Vento. O álbum vai ser composto por 11 temas que conta com fados tradicionais e outras composições entre as quais um inédito de José Mário Branco.

“Só a Cantar" é um disco de histórias que venceram a solidão. Um elogio à capacidade de estar só, de partir sozinho.

No dia 18 de Fevereiro, Duarte volta a participar na Gala Cantar Amália no Casino Monford Les Bains no Luxemburgo.

TERESA SALGUEIRO | Madeira

13/02/2017

:PAPERCUTZ | "Trust/Surrender"


:Papercutz apresentam versão gravada ao vivo do seu tema "Trust/Surrender", a primeira amostra da edição em 2017 do terceiro álbum de originais: "King Ruiner".

O grupo encontra-se numa fase de renovação, procurando novos caminhos, olhando para a sua obra como um só mas sem se repetirem. A nova vocalista, Catarina Miranda, conhecida pelo seu trabalho como Emmy Curl, é um dos elementos responsáveis por essa procura, evocando harmonias pop e motivos corais encontrados em geografias não ocidentais

Este novo registo, iniciado em Nova Iorque e terminado no Porto, duas cidades que mais do que referências pela sua relevância cultural têm-se tornado pontos essenciais para a vivência criativa do projecto, recolhe elementos já utilizados em edições anteriores mas trabalha-os dentro de uma nova luz. Polirritmia e melodias interpretadas por sintetizadores analógicos, batidas urbanas, texturas ambientais e percussões de raiz tribal são outros dos elementos que o tema introduz mas que não se esgotam num tema apenas mas que se dispersam pelo novo álbum do projecto Portuense.

O grupo tem vindo a desvendar a sua nova sonoridade em festivais entre Ásia e Estados Unidos e apresentou este tema no início do ano, no Eurosonic na Holanda, onde fizeram parte da comitiva de artistas que representou Portugal, e viaja já no próximo mês de Março para Austin, no Texas, para uma das maiores mostras de música mundial, o South by Southwest (SXSW), acompanhados por outros nomes nacionais que tornam cada vez mais evidente o momento único que Portugal tem vivido na sua internacionalização.

HOT AIR BALLON | Guimarães


Esta sexta-feira, 17 de Fevereiro, o Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor recebe a segunda incursão do ciclo de concertos “SOM de GMR”, uma mostra de 7 projetos que irá decorrer até Maio e que tem como objetivo corporizar a visão do paradigma de cidade de criação, na qual Guimarães se está gradualmente a converter.

Depois da estreia do novo álbum de Captain Boy no passado mês de janeiro, é a vez dos Hot Air Balloon apresentarem o mais recente trabalho no Café Concerto do CCVF. De pontos opostos da costa Atlântica da Europa, os Hot Air Balloon carregam no sangue origens irlandesas e portuguesas e caraterizam-se por uma sonoridade profunda e delicada. A voz doce, calorosa e indelével de Sarah-Jane Burke encontra-se com a musicalidade técnica de Tiago Machado, complementando-se numa performance compenetrante.

Os Hot Air Balloon formaram-se no verão de 2013 em Vigo e colhem, desde então, a atenção de audiências de diferentes países europeus como Portugal, Espanha, França, Irlanda, Bélgica e Holanda. O seu percurso compreende participações em diversos festivais, em vários países. Em 2014, a canção “The Space Between” foi votada ‘música do mês’ na plataforma musical Portuguesa Tradiio.

Atualmente, os Hot Air Balloon encontram-se a promover o seu primeiro álbum com banda. “Behind The Walls” foi editado em abril de 2016 e, em novembro do mesmo ano, foi nomeado para os prestigiados The Independent Music Awards, em Nova Iorque, prémios que contaram com a participação de Tom Waits e Suzanne Vega no painel dos jurados. “Behind The Walls” tem sido alvo de destaque por parte das rádios nacionais e internacionais, sendo muito bem acolhido não só pelo público em geral, mas também pela crítica especializada.

Para além dos Hot Air Balloon (a 17 de Fevereiro), o ciclo “SOM de GMR” tem programados mais cinco concertos – Gobi Bear (3 de Março), Toulouse (17 de Março), Lince (8 de Abril), El Rupe (28 Abril) e Paraguaii (5 de Maio) – um mapa de um primeiro conjunto de músicos e bandas que está a inscrever na identidade cultural da cidade e do país uma assinatura contemporânea forte e muito diversificada.

VÍDEOCLIP | “Take A Look” - LOT


No dia em que lançam novo single, os LOT anunciam que foram a banda escolhida pela dupla Thievery Corporation, para marcar o pontapé de saída do concerto que terá lugar já no próximo dia 15 de Fevereiro, no Coliseu de Lisboa.

Depois de em 2016 se terem apresentado ao mundo com uma nova sonoridade - que junta a esfera eletrónica de batidas fortes, e a melodia cantada, que nos entra no ouvido e fala para o coração - o projecto de Pedro Sacchetti, José Evangelista e Rui Rodrigues lança agora o single “Take a Look”.

O videoclip de “Take A Look” foi filmado em Nova Iorque e realizado por André Gaspar que volta assim a trabalhar com LOT, depois dos anteriores vídeos “Mary Jane” e “Staying In Tonight” que fazem parte do álbum “Mother Board” que será lançado no próximo ms de Março.

/>