13/08/2022

ANNA SETTON E MESTRINHO | "Tempo Rei"


"Tempo Rei" é o título de uma canção que Gilberto Gil começou por gravar em 1984 no álbum "Raça Humana" e que 10 anos mais tarde incluiu no alinhamento do seu clássico Unplugged, duas vidas de uma canção especial. Agora, por ocasião dos seus 80 anos, nenhuma outra canção parece ser tão apropriada como essa para lhe prestar uma vénia. Foi essa a decisão de Anna Setton, cantora brasileira atualmente a residir em Portugal, que antes de se focar na preparação do seu terceiro álbum não quis deixar de assinar esta homenagem a uma das suas maiores inspirações. 

Anna Setton é uma cantora e autora paulistana que moldou a voz a navegar a noite de São Paulo, trilhando depois o mundo ao lado do grande Toquinho durante cinco anos, período em que mergulhou nos lagos do jazz, da bossa nova e MPB e daí emergiu com uma música fresca, original e vibrante que começou por apresentar, em 2018, no seu homónimo trabalho de estreia, veículo de música e ideias que a levou Brasil fora e daí até à Europa para vários concertos tão íntimos quanto aplaudidos.

 

BLIND ZERO SUBSTITUEM WOLFMOTHER NO EDP VILAR DE MOUROS


Devido ao estado de saúde de um dos seus elementos, os Wolfmother vêem-se impedidos de viajar para a Europa onde iriam realizar uma digressão com passagem pelo EDP Vilar de Mouros no próximo dia 27 de Agosto. Em sua substituição, os portugueses Blind Zero respondem presente e aproveitam a oportunidade para transformar este concerto num momento especial, estreando temas do próximo álbum, “Courage and Doom”, a editar até ao final do ano. 

Com 28 anos de carreira, a banda regressa às edições depois do bem sucedido “Often Trees” que teve como singles “You Have Won”, “Lost Another Mental Escape” e “War is Over”. Do alinhamento farão igualmente parte os temas emblemáticos como “Recognize”, “Slow time love” e “Shine on”, entre outros.

LEO2745 E WAZE | "Marcas de Bikini"


Leandro Tavares, mais conhecido como LEO2745, tem-se afirmado ao longo do último ano como um dos grandes nomes do rap nacional e agora juntou-se a outro peso pesado, o rapper Waze, para um single que vai conquistar este verão: "Marcas de Bikini". 

A canção conta com produção de Mr. Marley. LEO2745 diz sobre Marcas de Bikini: “É um single colorido e com muito sabor a verão! Foi uma daquelas músicas que surgiu naturalmente, o que dá um gosto ainda maior. Acho que tanto o meu público, como o do Waze são muito parecidos e as expectativas estão altas. Esperamos que a reação ao single seja positiva!

12/08/2022

TIAGO VILHENA EDITA "CANÇÕES MUNDANAS" DIA 7 DE OUTUBRO

Foto: Mariana Romão

"Canções Mundanas" é um conjunto de músicas que foram compostas e executadas por Tiago Vilhena que, ao sabor da corrente, toma um rumo folclórico e alternativo revelando uma personalidade de cantautor. É o segundo álbum de Tiago Vilhena em nome próprio, terceiro álbum a solo contando com o seu passado como George Marvinson. Durante os últimos 2 anos aproveitou o isolamento para compor todas as músicas que conseguisse e o álbum que sairá dia 7 de Outubro é o resultado disso. Com influências demasiado variadas para justificar serem referidas, cria uma atmosfera sem nação, ainda que petisque costumes portugueses. 

Em 8 temas, fala-se de vontades, delírios, frustrações, ambições, paixões e personalidades. Nestas, emanando uma aura colorida, o artista convida-nos a aligeirar os problemas e a agradecer os sucessos sem que nos tenhamos de tornar despreocupados pelo que requer dedicação. A vida é uma construção e assim é a música também. Mais uma vez, e como é comum com o artista, houve uma reinvenção da sua essência musical. Tiago Vilhena apresenta-se desta vez com músicas divertidas, esperançosas, coloridas e que dão vontade de dançar. 

O ritmo é a chave das novas canções e a boa disposição é nítida e contagiante. Canções Mundanas revela-se um disco composto por músicas construídas com atenção ao detalhe. Com pormenores e arranjos que concretizam uma obra onde o pilar é a canção, o ligante é o instrumento e a estética é a emoção. O formato pop está presente quando escutamos o álbum, quer nas estruturas, melodias ou significados e assim se revela um trabalho coeso, animado e apaixonado.

FESTIVAL DE MÚSICA FOLK DA MAIA


A 2ª edição Festival de Música Folk da Maia, promovida pelo Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Maia com produção In Rock We Trust, vai decorrer entre os dias 23 e 24 de Setembro no Parque Cidade Desportiva da Maia, com entrada livre. 

A exemplo da edição de 2021, o Festival de Música Folk da Maia em 2022 apresentará apenas artistas nacionais divididos em dois blocos de atuações. Na sexta-feira, 23 de Setembro, Amara Quartet abre o festival às 18h30, para após o jantar, 21.30h, Uxu Kalhus, encerrar o primeiro dia. 

No sábado, às 18.00h, sobem ao palco os Seiva, sendo que os Arrefole encerram a presente edição com concerto agendado para as 21.30h.

THE TWIST CONNECTION | "Anywhere But Here"


"Anywhere But Here" é o 2º single do novo álbum dos The Twist Connection. Depois do tema Dumb (editado em Junho) surge agora este Anywhere But Here em antevisão ao disco com o mesmo nome a ser editado nas próximas semanas. Nas palavras de Samuel Silva (guitarra e sintetizador) dos The Twist Connection este tema "segue por terrenos post punk, dá o mote e define o momento e as questões actuais da banda: a transitoriedade do tempo e dos espaços, a mudança, o crescimento e a audácia de continuar a acreditar em princípios e valores marcados pela idiossincrasia." 

Samuel Silva, descreve-nos da melhor maneira o mote deste novo single "uma guitarra que ziguezagueia entre três ou quatro notas, qual SOS em código morse, o baixo pulsante a agir como propulsor e a bateria numa tensão contida permanente até à resolução catártica e dançante: seguimos (fugimos?) para qualquer lugar que não este. Porque este lugar, seja ele mais próximo da realidade atual marcada por pandemias e guerras, seja ele uma distopia pós-apocalíptica ou um mundo interior marcado por angústias existenciais, é onde não queremos nem podemos continuar."

11/08/2022

MUCHO FLOW | Guimarães


O Mucho Flow tem o regresso marcado à sua cidade de sempre, Guimarães, com a programação desenvolta e arriscada que sempre pautou o certame, acontecendo nos dias 4 e 5 de Novembro em várias salas de espetáculos do centro histórico da cidade. 

Já confirmados estão a canção maximal dos Jockstrap, a eletrónica refletiva de aya (que atua com a artista visual Sweatmother), as explosões de pista de dança de Slikback, o techno duro de Schwefelgelb, o drill rap peculiar de Blackhaine, a pop ácida de Fauzia, o RnB mutante de Yaya Bey, o ambiente profundo de Luís Fernandes e o híbrido jazz-hip-hop-pop de Slauson Malone 1. Mais nomes serão ainda adicionados ao alinhamento, sendo que dos já confirmados seis são estreias absolutas em território nacional. 

O Mucho Flow celebra a sua 9ª edição com um formato que se estende ao Centro Cultural Vila Flor, ao Teatro Jordão, ao Centro Internacional de Artes José de Guimarães e ao Teatro São Mamede. As edições anteriores receberam em primeira mão artistas como black midi, Amnesia Scanner, Loraine James, Girl Band, Bitchin Bajas, e Sega Bodega, entre outros. 

Os bilhetes estão disponíveis na modalidade early-bird apenas disponível nas próximas 96h, em quantidade limitada e pelo valor de 30€. Os preços subirão, depois, para 35€ e, a partir de setembro, para 40€.

+ Info: 

COLINA DAS ARTES | Lisboa


Nasceu um novo evento na cidade de Lisboa; a Colina das Artes vai realizar -se na Freguesia de São Vicente em Lisboa, já nos próximos dias 9, 10 e 11 de Setembro, com uma programação inteiramente gratuita de música, literatura, fado, cinema e atividades de ar livre para toda a família. 

Entre os destaques da programação da primeira edição da Colina das Artes , destacamos na música as atuações da fadista Sara Correia na sexta-feira, dia 9 de setembro, no Parque do Patriarcado (junto à Feira da Ladra) pelas 21.30h e dos concertos de Carlão dos Cassete Pirata, e ainda do artista local Lil Beyes, que atuam no Largo da Graça no dia 10 de Setembro a partir das 20.00h. Ainda na música, destaque para o “Jazz no Miradouro”, que nos dias 9 e 10 de Setembro a partir das 19.00h concentra as atenções no Miradouro Sophia de Mello Breyner, uma das mais bonitas janelas sobre a cidade. 

A sétima arte não poderia faltar neste evento, e por isso mesmo a Igreja da Graça transforma-se numa majestosa sala de cinema majestosa dias nos dias 9 e 10 de setembro, vai haver “Sessão da Meia-Noite”, sempre a partir das 24.00h e até às 02.00h. O Domingo 11 de Setembro, será marcado com uma programação para toda a família, especialmente dedicada ao público infantil e à população sénior no Jardim da Cerca da Graça com atividades de ar livre durante a manhã e tarde.

SALOMÃO SOARES E VANESSA MORENO | Lisboa

10/08/2022

CRISTINA BRANCO EM CONCERTO


Cristina Branco continua a celebrar os seus 25 anos de carreira em palco. Sardenha, Barcelos e Viena são alguns dos destinos a receber a já extensa digressão de uma das mais importantes cantoras portuguesas. Depois de ter deslumbrado Dreieich (Alemanha) no passado Domingo, Cristina Branco atua já esta quinta-feira, dia 11, na Sardenha (Itália) onde encabeça o cartaz do Nora Jazz Festival. Na semana seguinte, a 16 de agosto, desloca-se a Ribeira da Pena, a convite da Cister Music Orchestra (CISMO) para uma segunda apresentação do espetáculo criado e estreado para o Cistermúsica em Julho. 

Também já confirmado e com bilhetes à venda, está o concerto no Dia Internacional da Música, a 1 de Outubro, em Barcelos. Cristina subirá ao palco do Theatro Gil Vicente às 21.30h acompanhada do seu habitual trio: Bernardo Couto na guitarra portuguesa, Bernardo Moreira no contrabaixo e Luís Figueiredo no piano.

CADU PEREIRA | "Como Explicar a Vida"


O músico brasileiro Cadu Pereira lança hoje "Como explicar a vida", a sexta e penúltima canção do álbum "Vendo o Mundo". 

"Uma canção intensa que tem a morte como tema central. A crença em Deus e o poder do acaso, no que acreditar? 

O título do álbum é extraído dessa faixa em um verso paradoxal, “vendo o mundo como ele é”, que propõe ao mesmo tempo ver o mundo como um espectador atónito ou vender o mundo como quem quer se desfazer de algo que não lhe serve."

SPOT DA JUVENTUDE | Barreiro

09/08/2022

MIGUEL ANGELO | Festival O Sol da Caparica


A 11 de Agosto Miguel Angelo estreia-se no Festival O Sol da Caparica. Leva a sua nova pop até ao festival mais Atlântico do país, convidando para palco Alex d´Alva Teixeira e Ben Monteiro, dos D’Alva. Consigo estarão também os seus companheiros habituais: Mário Andrade na guitarra, Bernardo Fesch no baixo e teclados e Jorge Quadros na bateria. Um regresso aos grandes palcos quando se prepara para evocar os 10 anos de carreira a solo.

MEL - PIQUENIQUE DAS ARTES | Vila Nova de Famalicão

08/08/2022

OITO OITO | "Raíz"


"Raiz", o primeiro lançamento na editora Oito Discos, traz o foco musical para os arquivos sonoros de Michel Giacometti, um etnomusicólogo que dedicou a sua vida a estudar as tradições orais de Portugal que se tinham perdido ou sido esquecidas, com as suas coleções ainda exibidas hoje no Museu da Música Portuguesa no Estoril. Tal como os seus
lançamentos anteriores, o duo manipulam cuidadosamente o material original e entrelaçam-no com os seus subtons de Acid House, com ambos os cortes originais de "Ceifeiras" e "A Poda", fazendo um belo trabalho emergir as vozes poderosas com linhas de baixo e ritmos cativantes. 

A abertura em particular tem um misticismo profundo, as vozes que conduzem a linha enquanto os pads afiados criam um pulso ao lado de uma estável mas poderosa estrutura de percussão. "A Poda" leva as coisas numa direção ainda mais alucinada, com as vozes esticadas num estilo prog house que deixa a mente a tiquetar e o corpo a só. 

Os colapsos nesta faixa são muito eficazes e retratam verdadeiramente a alma da performance vocal original e permitem ao ouvinte que conecte com o sentimento geral que se retrata. Por outro lado, o duo perguntou aos produtores Switchdance e Terra Chã para colocarem algo seu em "Ceifeiras", e os resultados acrescentam apenas à atmosfera. 

Switchdance leva as coisas para profundezas ainda mais turvas, com uma batida baixa pendurada intercalada habilmente com notas baixo energizantes, enquanto linhas cordais desviam-se para cima, dando um novo ângulo ao original e ganhando os nossos corações. 

A versão de Terra injeta algum swing em procedimentos, com stabs cordais em loop pelo meio com algumas adições melódicas que exaltam e inspiram em igual medida. Balançado, referencial, beatífico, dinâmico. Tudo isto e mais, na primeira edição de Oito//Oito Discos, por isso porque não vir meandrar pelo tempo e espaço - vale a pena a viagem...
/>