29/06/2017

MONDAY | "Yo-Yo"


"Yo-Yo" é o nome do single de apresentação de Monday, novo projecto de Cat Falcão, metade do duo Golden Slumbers. O tema foi incluído na colectânea Novos Talentos Fnac 2017 e faz parte do disco de estreia cuja edição está prevista para o final do ano.

As canções de Monday, cujas letras têm tanto de autobiográfico como de ficcional, foram escritas por Cat Falcão, muitas das quais durante um período entre discos de Golden Slumbers em que viveu em Londres. 

Neste conjunto de canções, partindo das bases e influências folk da Cat, são exploradas novas sonoridades, mais eléctricas e, a espaços, experimentais. A "Yo-Yo", por exemplo, fala da "frustração de, por vezes, não se saber estar numa relação".

A acompanhar este primeiro tema surge também um colorido vídeo realizado por Filipa Simão e protagonizado por Cat, com a ajuda de efeitos especiais e cameos do produtor e guitarrista António Vasconcelos Dias.

"O conceito do vídeo é transparecer a energia inerente na música através das cores fortes e objectos divertidos. O objectivo foi criar uma dinâmica divertida e colorida que ilustre a mood da música. Quando ouvi a música pela primeira vez surgiram-me logo as ideias e cheguei à conclusão que teria de ser." (Filipa Simão)


EXPENSIVE SOUL | Box Deluxe


Os Expensive Soul estão prestes a celebrar 20 anos de carreira e são hoje uma das grandes bandas nacionais, que tem conquistado gerações, inúmeros prémios, airplay nas rádios e lugares cimeiros nas tabelas de vendas. Os próximos meses prometem ser agitados no que respeita a novidades do duo de Leça da Palmeira.

Os Expensive Soul disponibilizam, a partir de amanhã, em exclusivo através da sua loja online, uma Box em versão de luxo, com edição limitada, contendo os seus 3 primeiros discos de originais: "BI" de 2004, "Alma Cara" de 2006 e "Utopia" de 2010. Esta box será vendida exclusivamente na loja online da banda: www.expensivesoul.com.

Em paralelo a todas estas novidades, Demo e New Max dão agora início a um novo capítulo na história dos Expensive Soul. Depois do Verão, vamos poder conhecer o novo single da banda que terá uma especialíssima edição promocional em vinil. 

Exímios na criação de canções, os Expensive Soul já deixaram inscritos no cancioneiro moderno sucessos como 'Eu Não Sei', 'Brilho', "13 Mulheres", "O Amor É Mágico" e "Cupido", entre outros.

MARIA JOÃO E EGBERTO GISMONTI NO CCB E NA CASA DA MÚSICA


Após o sucesso de um espectáculo único no Festival Jazz de Ravello, Itália, que conquistou o público presente e a imprensa internacional, Maria João e Egberto Gismonti preparam-se para uma digressão europeia em conjunto. O primeiro concerto decorre a 9 de Outubro, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e o segundo a 11 de Outubro, na Casa da Música. Os bilhetes estão à venda nos locais habituais.

O encontro entre Maria João (voz) e Egberto Gismonti (piano e guitarra de 10 cordas) une, ao vivo, duas das maiores forças e representações do não conformismo e experimentação da cultura lusófona. A digressão, que começa em Portugal, tem ainda passagem assegurada por países como a Alemanha, Áustria ou Hungria.

Maria João é hoje uma artista de referência no campo da música improvisada. Reconhecida mundialmente, cedo o seu talento ultrapassou fronteiras e já pisou os palcos dos principais festivais de Jazz na Europa e no mundo, colaborando ainda com artistas como Aki Takase, Bobo Stenson, Gilberto Gil ou Manu Katché, entre muitos outros.

Próximo de completar cinco décadas de carreira, Egberto Gismonti construiu a sua obra com base na experimentação. O multi-instrumentista trabalha sonoridades e universos distintos, criando novas pontes e dinâmicas musicais. Tem uma vasta discografia editada mundialmente e tornou-se uma referência para a nova geração de músicos brasileiros, que começam agora a regravar as suas composições.

:PAPERCUTZ | Teatro de Vila Real

THE PORTUGUESE CONSPIRACY | Londres

28/06/2017

PARAGUAII | "Dream About The Things You Never Do"


"Dream About The Things You Never Do" é um lado B retirado do álbum homónimo de Paraguaii, lançado em Março deste ano.

Visando a persistência do subconsciente em delinear sonhos perante a encruzilhada quotidiana, o vídeo apresenta uma intenção quase hipnótica. A sua linguagem visual surge enquanto apelo à necessidade de desconcertar o lado onírico dos lugares mais recônditos do cérebro.

A energia traduzida no vídeo é da autoria de Pedro Bastos, do Bando à Parte, companhia responsável por vídeos de artistas como The Legendary Tigerman, Dead Combo, entre outros.

A banda continua em tour de apresentação do novo álbum.

Agenda:

08 de Julho - Vila das Aves

21 de Julho - Ortigueira (Espanha), Festival Entremareas

22 de Julho - Porto, Casa da Música

28 de Julho - Vizela

14 de Outubro - Viseu, Carmo 81


VÍDEOCLIP | "Dirty Little Girl" - Vítor Bacalhau


Chama-se "Dirty Little Girl" e é o primeiro single do novo disco de Vítor Bacalhau, "Cosmic Attraction” que será lançado em Outubro com o selo da Mobydick Records.

MISS LAVA | "Dominant Rush"


Em 2016, os Miss Lava lançaram "Sonic Debris", um dos álbuns mais aclamados do ano a nível nacional e internacional mas prometeram não ficar por aí. Em Maio deste ano, voltaram com o tema "Black Unicorn", tema esse que antecipava um novo EP que prometia agitar novamente as águas. Ontem, dia 27 de Junho, foi dia de "Dominant Rush", novo EP dos Miss Lava ficar disponível no Bandcamp da banda.

“Dominant Rush” é como um satélite de “Sonic Debris”. Ganhou vida própria durante o processo de gravação do registo anterior. As 4 músicas que o compõem partilham uma tensão dominante que é agora libertada na galáxia discográfica dos Miss Lava.

Se “Black Unicorn” abre o EP com uma fúria escura, o cowbell de “Psychedelic Dojo” e de “Virtue and Vice” contagiam com o seu groove, enquanto que a última faixa “Twin Heads” propulsiona uma viagem de vertigem psicadélica na companhia de um convidado muito especial – Mike Ghost (Correia, Men Eater).

“Dominant Rush” é assim a 5ª edição na discografia da banda. Produzido por Fernando Matias e pelos próprios Miss Lava, "Dominant Rush" vai poder ser ouvido ao vivo nas próximas datas da banda, já hoje no Feedback Open Air, no Montijo e no Vagos Metal Fest, no dia 13 de Agosto, com bandas como Hammerfall, Whitechapel e Chelsea Grin, entre outros.

XUTOS & PONTAPÉS APRESENTAM NOVA COLHEITA DO SEU VINHO


A Casa Agrícola Alexandre Relvas é novamente a produtora do vinho da mais emblemática banda de rock nacional, Xutos & Pontapés, desta feita uma colheita de 2015.

Para esta nova edição do Vinho Xutos e Pontapés by Herdade de São Miguel quisemos criar um lote que correspondesse à Portugalidade dos artistas envolvidos neste projecto, a Maísa e os Xutos, loteando unicamente castas Portuguesas.

Tal como as artes plásticas e a musica, a arte do lote procura a autenticidade, a harmonia e satisfação dos sentidos de quem o aprecia.

Neste vinho da colheita de 2015 tentamos criar uma ligação perfeita entre o Alicante Bouschet, Touriga Nacional e Aragonez, buscámos a criação de um vinho elegante e intenso, com forte marca das 3000 horas de sol do Alentejo; este vinho, que em jovem trará ao consumidor uma explosão de aromas e sabores irá ganhar com o tempo complexidade e harmonia.(Alexandre Relvas Jr, produtor) 

A convite dos Xutos & Pontapés deparei-me com o desafio de criar um contra-rótulo do vinho para lançamento de uma nova colheita. Ao experimentá-lo e sentir o palato das uvas presentes, inspirei-me no sabor que resulta da mistura entre Alicante Bouschet e Aragonez. 

Sendo assim, utilizei como técnica a própria rolha de cortiça na intenção de retratar a essência da banda de forma genuína, já que ao longo da minha trajetória como artista, tenho explorado o uso de materiais não convencionais.”  (Maísa Champalimaud)

WOODROCK FESTIVAL 2017 | Figueira da Foz

KUMPANIA ALGAZARRA DE REGRESSO A ESPANHA

27/06/2017

TT SYNDICATE | Sabotage

Ultrapassar as barreiras nacionais, ter a hipótese de levar a sua música além-fronteiras é o sonho da esmagadora maioria das bandas portuguesas. Muitos investem o que têm (e não têm) para marcar presença nos mais significativos eventos internacionais, centrados na captação de talento, como o South by Southwest ou o Eurosonic, na esperança de terem aí a oportunidade que tanto anseiam.

Quando acontece o inverso é, no mínimo, estranho. Quando uma banda deste pequeno canto periférico consegue levar a sua música a palcos de toda a Europa, por muito que isso tenha a ver com o facto de se moverem num nicho muito especifico, e é completamente desconhecida no seu próprio país, é completamente contra-natura.

Os TT Syndicate juntaram-se aqui, no Porto, em 2012. Não eram novatos - vinham de projectos com larga experiência internacional como os Mean Devils ou os 49 Special e de bandas de culto como Os Tornados ou Thee Chargers - mas queriam fazer coisas novas, mesmo continuando a reflectir a sua paixão pela música gravada nos 50 e 60. E fizeram.

Entre 2013 e o fim do ano passado editaram quatro sete-polegadas de vinil, através da germânica Migraine, todos entusiasticamente recebidos pelas várias fações da comunidade retro europeia e, alguns, já altamente colecionáveis.

Nestes três anos não pararam de dar grandes concertos, um pouco por todo o lado: muitos em Espanha, onde enchem salas atrás de salas e são cabeças de cartaz de festivais, ao lado de nomes como Charles Bradley ou James Hunter Six, mas também em vários outros territórios como Inglaterra, Alemanha, Bélgica, Suíça, França, Holanda, Suécia ou Rússia. Por cada vinte concertos que dão lá fora, dão um cá dentro, normalmente refundido.

Agora que se preparam para editar o seu primeiro longa-duração, está na hora de isso mudar, de lhes reconhecermos o seu talento e nos orgulharmos do seu percurso.

Produzido por Nuno Riviera, o subvalorizado produtor e arranjador de algumas das mais estimulantes aventuras musicais da cidade invicta como o Oliveira Trio ou os Lola Lola, este disco é uma fabulosa coleção de canções que, tendo as suas raízes nas mais clássicas variantes dos Rhythm & Blues, são completamente intemporais e altamente personalizadas.

Porque não estamos perante mais uma competente banda retro. Estamos perante uma banda que reflecte, como poucos neste mundo, a actual abertura "transgénero", de uma comunidade que procura no passado a constante novidade e de toda a dinâmica que esta quebra de barreiras tem vindo a gerar, ainda que subterrâneamente.

Os TT Syndicate vão a jogo em tudo: desde a Soul suja e visceral de “No one’s gonna rule my world”, que junta duas das mais carismáticas vozes portuenses – Marta Ren e o anfitrião Pedro Serra – à deliciosa exótica de “Jungle Eva”, passando pelos sofisticados Rhythm & Blues de “What ever happened to you”, pelo Rock’n’Roll incisivo de “Mighty fine” ou pelo Popcorn, ao melhor estilo crooner, de “Melacholic mood” e, no fim, são só e apenas eles. Fazem música retro, como nunca se ouviu...

Só há uma coisa que os espera, por esse mundo fora: crescimento e consolidação do muito que já conseguiram, à custa de talento puro e duro.

Chegou a hora de lhes fazermos justiça cá dentro. Para isso basta deixar-nos levar por este enorme disco…"(Pedro Tenreiro)

01 de Julho - Sabotage, Lisboa (23.00h)


MÃO MORTA | 25 Anos de "Mutantes S.21"

"Mutantes S.21" dos Mão Morta faz este ano 25 anos! Para o comemorar, a Rastilho Records tem em curso uma nova edição deste clássico disco.

A Edição especial e comemorativa do 25º aniversário é numerada e limitada a 500 cópias (Aqua Blue Vinyl with White Splatters).O artwork foi restaurado a partir da edição original, com inner sleeve com letras incluídas.

Vinyl, Tracklist:

A-01. Lisboa (Por Entre As Sombras E O Lixo) 3:10

A-02. Amesterdão (Have Big Fun) 3:47

A-03. Budapeste (Sempre A Rock & Rollar) 5:28

A-04. Barcelona (Encontrei-a Na Plaza Real) 4:02

A-05. Marraquexe (Pç. Das Moscas Mortas) 3:36

B-01. Berlim (Morreu A Nove) 4:23

B-02. Paris (Amour A Mort) 4:20

B-03. Istambul (Um Grito) 6:38

B-04. Shambalah (O Reino Da Luz) 3:19

VÍDEOCLIP | "Joaquim" - S. Pedro


S. Pedro é um artista multifacetado e temerário. Como não sabe pilotar aviões, resolveu passar o mês de Maio no Jardim Zoológico a apascentar leões, até conseguir tratá-los por tu.

A música acalma as feras mas a de S. Pedro, além disso, também ajuda a conquistar a confiança e até a amizade dos felinos. O resultado desta residência é o novo vídeo “Joaquim”, uma reinvenção do peplum em ambiente urbano, numa realização de Andreia Teixeira que oferece um olhar cinematográfico que tanto alcança o academismo documental de um Richard Attenborough como o experimentalismo conceptual de Peter Greenway.

O protagonista é S. Pedro, num desempenho arrojado em que o artista demonstra que além de multi-instrumentista também domina a vassoura e é capaz de andar de bicicleta sem mãos, e curvar com elegância. Se fosse actor, seria seguidor d’O Método.

Por isso fez questão de acordar todos os dias às 6 da manhã para poder exibir com verdade umas olheiras reais e irrepreensíveis, e ainda confeccionar croquetes para toda a equipa, leões incluídos. 

Este videoclip é o primeiro passo do projecto de geminação da Maia com Los Angeles. Como dizia o poeta, o sonho deve ser uma constante da vida. A rotina, não.


VÍDEOCLIP | "Fado em Picadinho (Feat. Celina da Piedade) - OMIRI


"Fado em Picadinho", é este o segundo single/vídeoclip para o álbum "Baile Electrónico" de OMIRI. O tema conta com a participação especial de Celina da Piedade.

MARIA MILENE TAVARES | "Salvador Sobral: Coração de Herói"


Com edição agendada para o próximo dia 30 de Junho pela Contraponto, Salvador Sobral: Coração de Herói é um livro sobre a vida e o percurso de um cantor que dificilmente deixará de marcar a música portuguesa durante as próximas décadas.

Esta obra acompanha a jornada de Salvador Sobral no Festival da Canção e, depois, em Kiev, no Eurofestival. Parte de episódios da infância, passa pelo período que passou em Espanha, e culmina, naturalmente, na primeira vitória de Portugal no Festival da Eurovisão. É um livro sobre o fenómeno Salvador e respetivo impacto na afetividade dos portugueses.

Prefaciado pelo romancista Bruno Vieira Amaral (Prémio José Saramago 2015), um apaixonado pelo Festival da Canção, e autor de obras como "As Primeiras Coisas" (2013) e "Hoje Estarás Comigo no Paraíso" (2017), "Salvador Sobral: Coração de Herói" é o primeiro livro – e muito completo, com fotografias de grande qualidade – sobre o músico português. Uma obra dedicada aos momentos que antecederam a glória e os que consagraram o novo herói de Portugal.

Sinopse:

Um conto de fadas da vida real! Nada menos do que isso. A vitória de Salvador Sobral no festival da Eurovisão, em Kiev, foi uma vitória à revelia de tudo aquilo em que o evento se transformou nos últimos anos. Como nos contos de fadas em que só um rapaz de coração puro pode obter o tesouro ou salvar a princesa, aqui também foi a autenticidade a sobrepor- se às aparências. Sem truques ou correrias, sem espalhafato ou macacadas, Salvador chegou só com a força de uma melodia lindíssima e o poder de uma interpretação sentida. Foi o suficiente para toda a Europa (e o mundo) se render ao novo herói dos portugueses.

Salvador nunca se coibiu de dizer tudo o que pensa. Num estilo descontraído e desconcertante, surpreendeu tudo e todos. Com a sua personalidade genuína, a sua crença de que o que importa éa música e não o embrulho, expôs a superficialidade do mundo de estrelas instantâneas que desaparecem numa questão de meses. Salvador Sobral é um músico a sério que leva a música a sério.

A vitória ocorreu num dia especial para os crentes católicos, o 13 de maio, mas Salvador não precisou de um milagre. Um milagre, e uma grande injustiça, teria sido se ele não ganhasse. Só que desta vez, no final, as lágrimas portuguesas foram todas de alegria.

Como escreveu Miguel Esteves Cardoso: «Viva Salvador Sobral! Que nunca mais pare quieto

MOONSPELL EM CONCERTO

DAN RIVERMAN | Arcos de Valdevez

26/06/2017

PALCO NOS CLUBBING APRESENTA ALINHAMENTO DE DIA 07 DE JULHO


Dia 07 de Julho o Palco NOS Clubbing vai contar com alguns dos mais proeminentes nomes mais do rock nacional. 

A programação do segundo dia do NOS Alive para este palco, inteiramente dedicada ao que de melhor se faz na música nacional, contou com a curadoria de Pedro Ramos, conhecido radialista, DJ e programador. Modernos, Bispo, Pega Monstro, Pista, Cave Story, Killimanjaro, Bandido$ e a dupla Pedro Ramos VS. Mitsuhirato são os nomes que compõem o cartaz do Palco NOS Clubbing, dia 07 de Julho.

Para dar as boas vindas aos festivaleiros sobem a palco Killimanjaro. José, Masquete e Joni são como búfalos a galope, sem destino algum, apenas o de estremecer aqueles por quem passam. Só lhes interessa o palco, como a savana onde o búfalo se alimenta, para continuar a galopar. Para garantir que o rock continua em palco junta-se ao cartaz Cave Story. O trio composto por Gonçalo Formiga, Pedro Zina e Ricardo Mendes apresenta o disco de estreia, “West”, que os levou numa viagem entre o rock e o pop.

De seguida é a vez de se fazer ouvir o rock tropical e bem-disposto dos Pista. Eles são três: Bruno Afonso, na bateria/voz, Cláudio Fernandes, na guitarra/voz, e Ernesto Vitali na guitarra/voz. A dupla de irmãs Pega Monstro vai encarar o Palco NOS Clubbing logo de seguida. As manas Reis, Júlia e Maria levam ao NOS Alive temas do tão aguardado segundo álbum de originais “Alfarroba”, com data de edição prevista para o início do próximo mês.

Neste mesmo dia o Palco NOS Clubbing recebe Modernos e Bispo. As duas bandas que entre elas dividem os elementos de Capitão Fausto, levam os projetos paralelos do eixo principal ao NOS Alive’17. Modernos junta Tomás Wallenstein, Manuel Palha e Salvador Seabra num formato mais reduzido, que tem como objetivo agarrar na linguagem direta e apresentar canções tal e qual como saem. 

Reais e mundanas no seu sentido mais descarnado, assente no rock'n'roll de uma guitarra, um baixo e bateria. Já os Bispo reúnem Francisco Ferreira, Manuel Palha e Domingos Coimbra. Nesta fração das suas vidas desafiam noções de música rock para chegar a um fim. A procura orgânica, onde o acústico e o eletrónico coabitam felizes, é um dos poucos princípios definidos. Imaginários surrealistas de uma pop que prima por experimentar. Dois concertos obrigatórios!

Mas esta noite de dia 07 de julho ainda tem muito para dar. Logo após Bispo, vai assistir-se em palco a uma verdadeira luta de titãs. Nos pratos estará Pedro Ramos VS. Mitsuhirato. Pedro Ramos, voz da Radar desde 2002, onde é diretor musical e coordenador de programas da estação, e organizador das noites Black Balloon no Lux Frágil, onde é também DJ, convida Mr Mitsuhirato, para um duelo que tem todos os ingredientes para ser insuperável. Hugo Moutinho, sob o pseudónimo de Mr. Mitsuhirato vai enfrentar Ramos com o melhor dos seus trunfos, o facto de para muitos ser embaixador indie para uma inteira geração de melómanos em Portugal.

Para fechar a noite sobem a palco Bandido$. A dupla de DJs Bruno Sousa e Rui Teixeira vai agarrar da melhor forma a responsabilidade de fechar o Palco NOS Clubbing no segundo dia do festival, com o que garantem ser música para deixar todos a dançar.

TIPO | "Acção-Reacção"


Tipo nasceu no início de 2015, quando Salvador Menezes (co-fundador dos You Can’t Win, Charlie Brown) decidiu tirar uma semana e meia de férias da sua aborrecida rotina.

Tendo à sua disposição o Casio dos anos 80 do tio, a guitarra com 3 cordas dos anos 90 da irmã, a bateria dos anos 2000 do irmão e o seu baixo, computador e voz, criou 4 canções. Concorreu ao apoio fonográfico da GDA e ganhou.

Dois anos depois, este Tipo já mudou de emprego, de casa, lançou o terceiro álbum dos You Can't Win Charlie Brown e foi pai. Já não está aborrecido e tem agora músicas suficientes para lançar o seu primeiro disco.

"Acção-Reacção" é o single de apresentação. O videoclipe foi realizado e produzido pelos "We Are Plastic Too", com direcção de fotografia do João Souza e iluminação dos "Side Effects".

Co-produzido por Afonso Cabral, Luís Nunes e Salvador Menezes, o álbum sairá brevemente com o selo da Pataca discos e o apoio da Vodafone FM. Conta também com alguns convidados, nomeadamente Tomás Sousa neste (single) “Acção-Reacção”.


VIRGEM SUTA | Teatro de Vila Real

CARTAZ | Concerto

25/06/2017

MONTEPIO FADO CASCAIS | Parque Palmela


Estreia-se em Cascais, nos dias 20, 21 e 22 de Julho 2017 no Parque Palmela, Montepio Fado Cascais. Numa parceria com a Câmara Municipal de Cascais, será realizado este festival de Fado que conta com a presença de alguns dos maiores nomes do panorama musical português. António Zambujo, Raízes (Mariza, Jorge Fernando e Pedro Jóia), Camané, entre outros.

"Montepio Fado Cascais nasceu de uma vontade de trazer às ruas aquilo que é tão nosso, de trazer às gargantas do povo o trinado das guitarras e mostrar às gentes quem somos e o melhor que fazemos. 

Mostrar a história do Fado, como nasceu e porque foi elevado a Património Mundial da Humanidade. Um evento que conta com o apoio da Câmara Municipal de Cascais e da Fundação D. Luis, e que pretende ir mais além e proporcionar uma experiência de Fado a todos os que nos visitarem."

Pelas 19.30h, o Parque Palmela abre as portas e dá as boas vindas, oferecendo a possibilidade de visitar a exposição de Fado espalhada pelo local, cujos conteúdos foram gentilmente cedidos pelo Museu do Fado - EGEAC. Antes dos concertos, o público poderá ainda aproveitar para jantar - menu tipicamente portugueses, regados com um bom vinho e acompanhado das tradicionais “desgarradas”.

+ Info:

www.montepiofadocascais.com

NUNO DA CAMARA LEVA O FADO AO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO


O Consulado Geral de Portugal na Bahia abre as comemorações ao Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas com uma programação que realça a simbiose das relações culturais luso-brasileiras. Celebrado mundialmente no dia 10 de Junho, este ano a data nacional de Portugal terá o foco das comemorações no Brasil, como uma forma de enaltecer a História comum aos dois países e as relações entre os seus povos. 

Na capital baiana, acontecem palestras no Gabinete Português de Leitura de Salvador, visitas ao Navio-Escola Sagres que estará ancorado no porto desta cidade e ainda uma noite de fado com uma das maiores vozes de Portugal, o fadista Nuno da Camara Pereira, com participação especial de Saulo, Cláudia Cunha e Alexandre Leão.

De acordo com a Cônsul Geral de Portugal na Bahia, Nathalie Viegas, “Salvador é uma das cidades brasileiras que mais preservam a ligação com Portugal. Faz todo sentido que tenhamos uma celebração à altura dessa História comum”. 

Ainda segundo a Cônsul, além da chegada da Sagres, “esse ano o caráter da festa será voltado à música e à cultura. Fernando Pessoa é o nosso símbolo maior na Literatura, assim como o Fado é o cartão de visita da nossa identidade musical, que se aprimora quando combinado com outras sonoridades como a MPB e o Axé. Queremos que o público luso-baiano venha conhecer mais um exemplo tão rico deste diálogo entre culturas”, completou.

BRIGADA VICTOR JARA EM CONCERTO


Agenda:

21 de Julho – Lousada, Recinto das Festas (22.00h)

22 de Julho - Mora, Música no Rio (22.00h)

30 de Julho - Friesta ( Valença ) Recinto das Festas (21.30h)

www.facebook.com/brigadavictorjara

NARIZ ENTUPIDO APRESENTA

24/06/2017

JOHAN RODRIGUES | "New Skies"


"New Skies", é este o nome para o mais recente canção de Johan Rodrigues. O tema foi gravado na casa do músico no Funchal e contou com a colaboração da violinista Maria Grigoryeva e do apoio da família nos coros.

GONÇALO TAVARES | "Ao piano no Hot Club"


"Ao piano no Hot Club" é o primeiro single do novo álbum de Gonçalo Tavares, com edição marcada para Setembro.

"Ao piano no Hot Club", conta a história de uma viagem pelo país de norte a sul em busca da música certa, terminando numa festa que se divide entre o Hot Club e uma queima das fitas universitária. É um tema simultaneamente cultural, atual e divertido que reflete uma das muitas jornadas de Gonçalo Tavares durante os seus concertos.

O novo álbum de Gonçalo Tavares é composto por dezassete temas, incluindo cinco duetos com convidados muito especiais: José Cid, Luis Represas, André Sardet, assim como Sofia Afonso e Maria Carlota (dois nomes a decorar), retratando bem a ligação de Gonçalo Tavares com o seu piano e sintetizadores.


CACHUPA PSICADÉLICA | Teatro de Vila Real

FESTIVAL INTERCÉLTICO DE SENDIM

23/06/2017

VÍDEOCLIP | "Hemma" - Surma


Depois de dois anos a contruir o seu próprio universo, eis que Surma chega com novo single, “Hemma”, em antecipação ao primeiro disco, “Antwerpen”, que tem data de lançamento marcada para Outubro de 2017.

Se muitos perguntam pela origem do nome Surma, em “Hemma” vão encontrar um dos imaginários possíveis dessa origem, sendo inevitável também constatar que estamos perante uma nova fase da artista leiriense. Um renascimento que marca o início de uma nova viagem, tão introspectiva quanto bela.

No disco “Antwerpen”, não encontrarão nenhum dos temas tocados nos últimos dois anos, mas antes temas inéditos e compostos de raiz.

A produção áudio e os vídeos deste trabalho estão a ser desenvolvidos pela Casota Collective e a masterização está a cargo de Paulo Mouta Pereira.

Nos próximos dias 29 e 30 de Junho, Surma junta-se à brasileira LaBaq nos palcos do Maus Hábitos, no Porto, e no Popular Alvalade, em Lisboa. Estes concertos marcam a entrada de “Hemma” no alinhamento da artista portuguesa.


LINCE | "Puzzles"


No final do ano passado, Lince a.k.a Sofia Ribeiro, a miúda loira de olhos azuis que conhecíamos enquanto teclista dos We Trust e dos There Must Be a Place, deu a conhecer 2 temas em nome próprio que rapidamente despertaram a curiosidade dos ouvidos mais atentos, dentro e fora de portas, como se pode ler na Les Inrockuptibles “c'est fin et délicat comme on aime.” A aventura Lince havia começado.

Os primeiros meses de 2017 foram repartidos entre o estúdio, a compor, e os palcos (Sofar Sounds, Lisboa Dance Festival), a testar e a aprimorar as novas composições. “Puzzles” é uma dessas novas composições e antecede o EP de estreia de Lince que sai dia 30 de Junho.

 “Como grande parte dos temas que componho, “Puzzles” surgiu ao piano, com a linha melódica a definir-se a par da letra. Vejo no tema uma forte componente de carácter emocional – uma quase decifração de códigos, de juntar peças e descobrir a imagem de um tempo – aparentemente antagónica da leveza que sons e ritmos revelam, um espaço musical mais confortável do que o poético. Uma canção para dançar e sentir.", refere Sofia Ribeiro.

Já para Vasco Mendes, o realizador, o desafio estava na tradução para imagens da ideia que “a relação entre os dois vai-se desconstruindo, o puzzle da relação vai-se perdendo em peças”. Rodado em vários espaços da cidade do Porto, o vídeo de “Puzzles” conta com a participação especial do actor Guilherme de Sousa que divide com Sofia Ribeiro o protagonismo no filme.

HER NAME WAS FIRE "WAY TO CONTROL | "Way To Control"


Depois do lançamento do álbum de estreia “Road Antics”, Her Name Was Fire lançam novo videoclip para o segundo single extraído do álbum: “Way to Control”.

Gone in a Haze”, o primeiro single do álbum, veio acompanhado de um vídeo em que é explorada uma trip protagonizada pelo baterista da banda e uma ruiva sedutora que lhe afecta os sentidos pelas memórias que lhe deixou. 

A história ficou no ar, mas tal como podemos ver no mesmo, seria apenas a primeira parte de um projecto maior, que começa a ganhar dimensão e significado com o novo videoclip do duo de rock de lisboa.

"Way To Control" é a segunda parte desta saga, passada num inóspito bar em que o vocalista (João Campos), rodeado de personagens duvidosas ao bom estilo dos b-movies dos 70’s, se confronta com os seus demónios e dando-se a conhecer um pouco mais da misteriosa Fire.

O vídeo, realizado e produzido por Tiago Lopes (baterista da banda), foi conseguido graças ao trabalho, empenho e dedicação de uma equipa composta por amigos com os mais variados talentos.

Her Name Was Fire tocam dia 1 de Julho em Espanha no festival Suberock, 22 de Julho no Woodrock Festival na Figueira da Foz, 1 de Outubro no RCA Club em Lisboa com Radio Moscow, e preparam mais datas para a segunda volta da Road Antics Tour.


VÍDEOCLIP | "Swing La La" - LOQ


Os LOQ acabam de apresentar o vídeoclip para o single "Swing La La".

LOQ dá à costa em 2012, vindo de uma ilha longínqua, na mente de Jorge Marques e Daniela Varela. Decidem materializar esta nau com cavaquinhos, guitarras, bandolins e electrónica. LOQ fala e desfala, canta e ri-se de si mesmo, diz-se e contradiz-se porque acima de tudo quer liberdade.

KADYPSLON | Agenda

ROCK IN RAIA | Sabugal

22/06/2017

VÍDEOCLIP | "Mali do Milho Grosso" - Sampladélicos


Em 2016, os Sampladélicos não se deixaram cair em Tradição com a edição física de um CD pela NOS Discos. Agora, um ano depois, voltam com “Cavalo de Tróia”, um trabalho mais combativo, onde as memórias podem de facto ser dançáveis e os encontros musicais virtuais gerarem um impacto ainda maior.

Este segundo disco “Cavalo de Tróia” será disparado pela editora Azul de Tróia, fazendo jus ao nome e mantendo bem vivo o registo natural de Sampladélicos, que continuam a moldar as gravações vídeo do projecto “A Música Portuguesa A Gostar Dela Própria” para fazer os seus vídeo/temas sem mais aditivos.

A dupla audiovisual em questão, Tiago Pereira, realizador e mentor do projecto “A Música Portuguesa A Gostar Dela Própria” (MPAGDP) e o músico Sílvio Rosado, demonstra bem o que é tradição oral e remistura - cruzando polifonia minhota com mandos de chamarritas, violas da terra com cante Alentejano e poetas populares algarvios com bombos da Beira Baixa, de uma forma bem vísivel, uma vez que todos os elementos dos vídeos estão síncronos com o áudio, podendo assim mostrar, para além de música, geografias e territórios que fazem parte de uma paisagem em constante transformação.

Com o lançamento do disco previsto para Outubro, os Sampladélicos irão estar até Agosto (altura do seu grande concerto de lançamento antecipado no Festival Bons Sons) a dar-nos um cheirinho do que aí vem, lançando por mês um vídeo/tema.

Neste segundo vídeo que aqui apresentamos, “Mali do Milho Grosso”, vamos às origens da Beira Baixa da Celeste Rodrigues misturando-as com a Viola da Terra dos Açores do Rafael Carvalho, a viola espacial do Filho da Mãe, a bailarina Francisca Irina e a Mariana Maria da gare de Ourique, entre outros.


WE FIND YOU | “To Be With You"


Nos dias que correm, o trabalho, a rotina, o excesso de informação, por vezes desviam a nossa atenção das pessoas que gostamos e com quem partilhamos a vida, levando-nos a colocar as nossas prioridades nas coisas menos importantes.

“To be with you", é um tema que realça o contato humano, o reatar das ligações com as pessoas que amamos, e apesar de reunir as características comuns de uma canção de amor, acaba por ser um hino a todo o tipo de relacionamentos.

Os We Find You (projeto natural de Braga), apresentam o single de estreia, composto por Miguel Faria e produzido por João André. O lyric video, realizado e produzido por César Ribeiro,já se encontra disponível.


MODA AMERICANA | "Magia de Cabeça Encostada"


"Magia de Cabeça Encostada" é uma ode à infantilidade e ingenuidade dos Moda Americana, uma banda que recusa apatia – o que é bem visível nos seus concertos – e toda a rotina associada à vida mundana. Este é o terceiro single do disco de estreia da banda, “Singapura”, que depois de uma tournée por todo o país com casas cheias, querem demonstrar que vieram para ficar.

O Realizador do vídeo, João Barriga, adapta-se à visão da banda deixando o seu cunho pessoal, retratando de uma maneira infantil e cómica, uma banda de amigos, completamente aptos para ser putos outra vez e sonhar em extravagâncias.

A música faz parte do disco Novos Talentos da Fnac 2017, que tem a curadoria do bem conhecido Henrique Amaro da Antena 3. Os Moda Americana fazem também parte do alinhamento para o festival Fnac Live 2017 que vai acontecer no próximo Sábado no Village Underground Lisboa e que conta com nomes como Capicua, PZ, Noiserv, Flying Cages ou George Marvinson, só para enumerar alguns. A entrada é livre.


VÍDEOCLIP | "A Ciência" - Trêsporcento


Os Trêsporcento regressaram em Abril deste ano com "Território Desconhecido", novo longa duração que marcou também a colaboração entre a banda e Flak (Rádio Macau, Micro Audio Waves), que produziu este disco.

Depois do lançamento dos singles "O Sonho" e "Tempos Modernos", cujo vídeo realça a importância da preservação da nossa costa, chega o vídeo "A Ciência", um dos temas mais orgânicos do disco, que capta de forma mais crua a energia criada pela banda na sala de ensaios. 

Realizado e editado por Francisco B. Froes, o vídeo é composto essencialmente por imagens do dia do concerto de apresentação de "Território Desconhecido" no Estúdio Time Out em Lisboa - o primeiro duma sequência de datas de apresentação do disco que incluirá ainda, entre outras a anunciar, presenças no Festival Mêda + (29 de Julho) e no Festival do Crato (26 de Agosto).

"Território Desconhecido" é o terceiro longa-duração de originais da banda, seguindo-se a «Hora Extraordinária» (2011) e «Quadro» (2012), tendo estes sucedido ao EP de estreia «Trêsporcento» (2009). Neste intervalo, a banda editou ainda «Lotação 136», um álbum gravado ao vivo no Teatro Aberto, em Lisboa, em 2014 e, em 2015, lançou dois singles, «Homem Novo» e «Aguentem-se os Fracos».


SORAIA SIMÕES | "RAPublicar - A Micro-história que fez história numa Lisboa adiada (1986- 1996)"


"RAPublicar. A micro-história que fez história numa Lisboa adiada: 1986 - 1996" (Caleidoscópio, 2017) de Soraia Simões estará a partir desta semana, dia 25 de Junho, nas livrarias.

Trata-se de um audiolivro com cerca de 18 horas de recolhas de entrevistas dirigidas pela autora e investigadora entre 2012 e 2016 que procura cruzar as principais linhas de discussão neste campo e em torno de disciplinas como a história contemporânea e os estudos de música e cultura populares nestes anos (1986 - 1996) com o discurso e partilha de memórias e testemunhos de alguns dos seus principais sujeitos da história.

Soraia Simões refere acerca deste trabalho "ao usar a oralidade de um modo claro: os dados da minha análise com as experiências vividas pelos protagonistas procurei duas coisas. Em primeiro lugar uma leitura renovada sobre a história da cultura e sociedade portuguesas nestes anos tendo a expressão do RAP como vector principal, por outro lado demonstrar como algumas das principais alíneas temáticas no campo das ciências sociais foram levantadas, no campo da música e cultura populares, nestes anos por, não todos mas, alguns destes actores e actrizes e estão hoje a ser escrutinadas e à procura de respostas.

Achei que eles e elas podiam/deviam fazer parte dessa discussão, especialmente porque as levantaram num período em que as mesmas, por várias razões, que as conversas (a oralidade) explanam foram sendo adiadas. 

Editar o que foi grande parte do meu trabalho de campo num audiolivro que é também um caderno de notas mesmo sob o ponto de vista do grafismo, homenageando assim o poeta/dizedor/rapper e MC destes anos e as dezenas de cadernos sebenta que me cederam durante estes anos de pesquisa (o qual transcrito serve a minha tese no âmbito académico) foi o modo como achei ser possível devolver essa memória, e a importância do que está inscrito nela, à sociedade e à cultura popular da segunda metade do século XX.

Permitindo que os mesmos contem, através das questões que lhes são colocadas, essa perspectiva histórica e a sua relevância num quadro social em profunda transformação".

VÍDEOCLIP | "Fado do Cobarde"


“Fado do Cobarde” é o novo single de Marco Rodrigues e o primeiro a ser retirado do próximo álbum de originais, cuja edição está prevista para Setembro. Um fado fresco e uma letra irónica que deu lugar a um videoclip realizado e concebido por Joana Areal (Ana Moura, Kalaf, entre outros) e pode ser visto no Canal Vevo de Marco Rodrigues.

O novo disco sucede a “Fados do Fado”, nomeado para um Grammy Latino na categoria de melhor álbum folk. E, se em “Fados do Fado” Marco Rodrigues lançava pela primeira vez um disco sem qualquer tema original, numa homenagem aos homens do fado, neste novo disco traz-nos o oposto.

Volta ao Marco Rodrigues de “Tantas Lisboas”, com o qual nos trouxe, por exemplo, o grande sucesso “O Homem do Saldanha” com letra de Boss AC. Volta à produção de Tiago Machado.

Mas dá vários passos em frente. Neste novo disco, ainda sem título, Marco Rodrigues rodeou-se de novos compositores e letristas da música pop nacional. Traz instrumentos que já tinha utilizado em “Tantas Lisboas” como piano, percussão e bateria, mas dá-lhes mais espaço.

Não é um disco de fado, não é um disco de pop, é um disco de Marco Rodrigues, onde a sua identidade e a sua incrível capacidade interpretativa se encontram mais definidas do que nunca.

Alguns dos compositores e autores desta nova geração com que agora gravou são bem surpreendentes uma vez que se estrearam na escrita para fado. Alguns temas não são fados, mas a alma do fado é trazida pela interpretação de Marco Rodrigues.

Da lista fazem parte nomes como: Carlão, Diogo Piçarra, Luísa Sobral, Capicua, Agir, Pedro da Silva Martins, Tiago Pais Dias e Marisa Liz (Amor Electro), Boss AC, ou os ÁTOA, entre outros.


CARTAZ | Concerto

21/06/2017

VÍDEOCLIP | "Black Box" - Anarchicks


Final do verão de 2011. Helena Andrade, baixista, junta-se à vocalista Priscila Devesa, com o objetivo de formar uma banda de punk rock feminino – as Anarchicks

Convidam a baterista Catarina Henriques e começam a compor os primeiros temas. Poucos meses depois, travam conhecimento com a guitarrista Ana Moreira, ficando desse modo completa a formação do grupo.

2013 ficaria marcado pelo lançamento do primeiro álbum das Anarchicks, "Really?!" Em finais de 2015 lançam o EP "We Claim The Right", e já em 2016 editam o seu segundo álbum de originais, "We Claim The Right to Rebel and Resist", recebido com entusiasmo pelo público e pela crítica. 

Durante esse ano, as Anarchicks aumentam o seu line-up, com a entrada de mais uma guitarrista para o coletivo: Mariana Rosa. Já em 2017, a vocalista Marta Lefay abandona amigavelmente a banda, sendo substituída por Rita Sedas.

Em Maio deste ano saiu o EP "Vive la Ressonance" que, para além do single Black Box, contém, a título de novidade, um tema em português apontando novas pistas para a sonoridade das Anarchicks.

MOONSPELL | Concertos de Apresentação do Álbum "1755"


Os Moonspell e a Alma Mater Records acabam de apresentar os três primeiros concertos da tour 1755 numa data dupla em Lisboa (30 e 31 de Outubro) e num regresso muito aguardado ao Porto onde não tocam há mais de dois anos, no primeiro de Novembro.

Estes concertos são produzidos e organizados pela própria banda, em parceria com a sua editora própria Alma Mater Records, com o apoio da Napalm Records. Um regresso às origens a vários níveis, nomeadamente, no que diz respeito à ligação direta com os seus fãs e ao envolvimento total em todas as fases de construção deste espetáculo: desde o conceito à sua realização. Não sendo um típico caso de crowdfunding é o modo que consideram ideal para que o fã de Moonspell possa apoiar e comprar diretamente à banda.

"1755" é o novo disco dos Moonspell, cantado em Português, acerca do Grande Terramoto de Lisboa. Uma reflexão poética, musical e filosófica da banda sobre o evento de 1 de Novembro de 1755 em Lisboa e as suas repercussões no mundo civilizado. O novo disco será tocado na íntegra em Lisboa e no Porto, sendo que o alinhamento para estes concertos inclui também temas obscuros da carreira dos Moonspell.

Musicalmente, "1755" é um disco de raiz Metal, com riffs vibrantes, orquestrações épicas e vozes e letras que testemunham a agonia daquele dia. A banda preocupou-se também em recriar a época, existindo uma fusão com elementos percussivos e melódicos que remete para os fins do século e para a atmosfera que se vivia na capital Portuguesa na altura.

Serão dez temas que na carreira da banda encontram ecos longínquos em discos como "Under the Moonspell" ou "Alpha Noir" mas que apresentam, sobretudo, uns Moonspell como nunca os ouviram a cantar um Portugal e uma Lisboa que não é solarenga, nem turística, nem luminosa.

É um disco histórico, rigoroso e sério. A besta negra que fazia falta à Música contemporânea em Portugal.

Os bilhetes para os concertos 1755 incluem como oferta uma das edições do disco que não estará disponível nas lojas até ao dia 3 de Novembro, data oficial de lançamento:

40 euros - bilhete para um espetáculo + oferta da edição 1755 em vinil duplo

30 euros - bilhete para um espetáculo + oferta da edição 1755 digipack

Os primeiros quinhentos compradores, terão as edições assinadas pela banda. Reservas, informações e bilhetes disponíveis em: www.letsgo.pt.
/>